Pular para o conteúdo principal
DICA DE FILME

"VIOLÊNCIA GRATUITA" (2007)




Haneke é o tipo de cineasta que gosta de fazer o espactador sofrer tanto quanto os personagens de seus filmes. Às vezes, o efeito é brilhante ("Amor"); em outras, bastante pedante ("A Professora de Piano"). Em "Violência Gratuita", refilmagem norte-americana de um filme do próprio cineasta, feito em sua terra natal (Áustria), o resultado é dos melhores.

Todavia, até hoje, ele é mais lembrado como uma produção chocante, do que algo com uma mensagem crítica. Isso porque Haneke consegue manipular os sentimentos de quem assiste. Geralmente, temos a impressão de estarmos imersos na estória, o que é muito incômodo.




Na realidade, é uma sensação desagradável. Somos obrigados a reconhecer ou que somos tão sádicos quanto os protagonistas do filme, ou que somos tão impotentes quanto a família que eles passam a atormentar.

Pelo menos, aqui, tentamos ver o sofrimento alheio como uma forma de indignação. Só que o diretor não deixa. Ele tira de cena as sequências mais explícitas, como se dissesse que, quase sempre, fechamos os olhos para as barbaridades do cotidiano.




A violência, de forma hipócrita até, é debatida todos os dias, porém, quantos fazem algo para evitá-la? Por isso, ela se torna tão banal e (inevitavelmente) gratuita. E, com esse filme, Haneke tenta tirar um pouco da letargia das pessoas em relação a esse problema.

De maneira proposital, "Violência Gratuita" mexe com esteriótipos. Os vilões são rapazes bonitos, limpos, brancos, educados e eruditos. Acima de qualquer suspeita. Quando passam a molestar a família da casa que invadem, questionamos não só suas atitudes cruéis, mas de toda uma sociedade que é omissa.




Em paralelo, temos a metalinguagem (a arte indagando a própria arte). Constantemente, os tais rapazes "falam" com o espectador, interagindo e constrangendo com suas colocações. A narrativa também se mostra criativa, como quando uma cena é "rebobinada", pois não era favorável aos algozes da família.

O roteiro não trata do sofrimento como espetáculo. Não temos aqui um "Jogos Mortais" ou um "Albergue". A violência não precisa ser, necessariamente, fruto de um ambiente doente. Pode ser sem propósito, onde muitos apenas aproveitam seu status social para extravasá-la.




Nesse momento, cabe lembrar o caso verídico daqueles rapazes de classe alta em Brasília que atearam fogo num índio que dormia em praça pública, e acharam que se tratava de um mendigo. Assim como os protagonistas deste filme, eles eram pessoas aparentemente normais e inofensivas, e que ficaram impunes pelo crime que cometeram.

"Violência Gratuita" é de difícil digestão. Mostra o quanto podemos ter simpatia pelos mais terríveis bandidos, e também como podemos ser coniventes enquanto sociedade.




Para o senso comum, foi um filme apelativo. Mas, caso seja visto de forma mais ampla, veremos um sinal de alerta bem crítico a respeito do que estamos nos tornando.

Haneke foi longe demais. No entanto, era preciso.


NOTA: 9/10.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lista

10 Melhores Discos Nacionais de 2017 (Até Agora)


Sim, meus caros, não está nada fácil. Achar os "10 melhores discos nacionais lançados em 2017 (ate agora)" demandou bastante tempo, mesmo porque, até no meio do cenário indie, anda rolando uma certa mesmice em termos de sons e atitudes, com bandas soando rigorosamente iguais umas as outras. Está faltando identidade e carisma até na nossa música alternativa, infelizmente. Mas, lamentações à parte, esta é uma pequena lista que se propõe a ser um guia atual para quem deseja saber o que anda acontecendo de bom por aí. 
Torcer, agora, para que os próximos meses sejam mais produtivos no sentido de termos mais lançamentos bons como estes.
🎵


10°
"Feeexta"
Camarones Orquestra Guitarrística


"Canções Para Depois do Ódio"
Marcelo Yuka


"Triinca" Triinca

"Galanga Livre" Rincon Sapiência

"Vênus" Tupimasala
Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Filme Mais ou Menos Recomendável

"Mulher Maravilha"
2017
Direção: Patty Jenkins


MAIS UM FILME DE SUPER-HERÓI GENÉRICO, "MULHER MARAVILHA" PECA, IRONICAMENTE, POR TER UM SUB-TEXTO MACHISTA EM SUAS ENTRELINHAS
Estamos diante de mais um filme de super-heróis, mais um do universo expandido da DC Comics no cinema, mais um com a enorme responsabilidade de entregar um material minimamente interessante, ao contrários dos pífios "Batman vs Superman" e "Esquadrão Suicida", sem dúvida, os dois piores filmes do gênero desses últimos anos, ao lado de "Quarteto Fantástico". Ou seja, "Mulher Maravilha" chega com uma tremenda carga a ser superada. A pergunta é: conseguiu cumprir a sua missão? Bem, digamos que sim e não. Ao mesmo tempo em que o filme acerta em alguns pontos que ficaram devendo em produções anteriores, ele também erra ao repetir alguns dos erros mais corriqueiros de longas do gênero, com um agravante que pode até causar certa polê…