Pular para o conteúdo principal
DICA DE FILME

"VIOLÊNCIA GRATUITA" (2007)




Haneke é o tipo de cineasta que gosta de fazer o espactador sofrer tanto quanto os personagens de seus filmes. Às vezes, o efeito é brilhante ("Amor"); em outras, bastante pedante ("A Professora de Piano"). Em "Violência Gratuita", refilmagem norte-americana de um filme do próprio cineasta, feito em sua terra natal (Áustria), o resultado é dos melhores.

Todavia, até hoje, ele é mais lembrado como uma produção chocante, do que algo com uma mensagem crítica. Isso porque Haneke consegue manipular os sentimentos de quem assiste. Geralmente, temos a impressão de estarmos imersos na estória, o que é muito incômodo.




Na realidade, é uma sensação desagradável. Somos obrigados a reconhecer ou que somos tão sádicos quanto os protagonistas do filme, ou que somos tão impotentes quanto a família que eles passam a atormentar.

Pelo menos, aqui, tentamos ver o sofrimento alheio como uma forma de indignação. Só que o diretor não deixa. Ele tira de cena as sequências mais explícitas, como se dissesse que, quase sempre, fechamos os olhos para as barbaridades do cotidiano.




A violência, de forma hipócrita até, é debatida todos os dias, porém, quantos fazem algo para evitá-la? Por isso, ela se torna tão banal e (inevitavelmente) gratuita. E, com esse filme, Haneke tenta tirar um pouco da letargia das pessoas em relação a esse problema.

De maneira proposital, "Violência Gratuita" mexe com esteriótipos. Os vilões são rapazes bonitos, limpos, brancos, educados e eruditos. Acima de qualquer suspeita. Quando passam a molestar a família da casa que invadem, questionamos não só suas atitudes cruéis, mas de toda uma sociedade que é omissa.




Em paralelo, temos a metalinguagem (a arte indagando a própria arte). Constantemente, os tais rapazes "falam" com o espectador, interagindo e constrangendo com suas colocações. A narrativa também se mostra criativa, como quando uma cena é "rebobinada", pois não era favorável aos algozes da família.

O roteiro não trata do sofrimento como espetáculo. Não temos aqui um "Jogos Mortais" ou um "Albergue". A violência não precisa ser, necessariamente, fruto de um ambiente doente. Pode ser sem propósito, onde muitos apenas aproveitam seu status social para extravasá-la.




Nesse momento, cabe lembrar o caso verídico daqueles rapazes de classe alta em Brasília que atearam fogo num índio que dormia em praça pública, e acharam que se tratava de um mendigo. Assim como os protagonistas deste filme, eles eram pessoas aparentemente normais e inofensivas, e que ficaram impunes pelo crime que cometeram.

"Violência Gratuita" é de difícil digestão. Mostra o quanto podemos ter simpatia pelos mais terríveis bandidos, e também como podemos ser coniventes enquanto sociedade.




Para o senso comum, foi um filme apelativo. Mas, caso seja visto de forma mais ampla, veremos um sinal de alerta bem crítico a respeito do que estamos nos tornando.

Haneke foi longe demais. No entanto, era preciso.


NOTA: 9/10.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Debate Sócio-Político
Porto Digital Ocupado!
O número de ocupações contra a PEC 55 (que propõe, entre outras coisas, uma profunda reforma no Ensino Médio) cresce a cada dia, e apesar de algumas dificuldades, a maioria mostra que está no caminho certo. No Recife, a mais recente instituição a ser ocupada foi a Escola em Referência de Ensino Médio (o EREM), pertencente ao Porto Digital, e localizada no bairro do Recife Antigo. Tudo começou durante a manhã de quinta (17), após as aulas serem suspensas para a realização de uma assembleia. A decisão pela ocupação do prédio foi feita como forma de antecipar o pior, já que muitos temiam que a direção da escola chamasse a polícia. 
De acordo com uma das integrantes do movimento, a organização do local está sendo feita aos poucos, para que, em breve, possam acontecer eventos, como palestras, exibição de produções audiovisuais, etc. "Ainda está tudo muito recente. Pretendemos, primeiro, limpar e reformar algumas coisas aqui dentro, para depo…
Lista

10 Melhores Discos Nacionais de 2017 (Até Agora)


Sim, meus caros, não está nada fácil. Achar os "10 melhores discos nacionais lançados em 2017 (ate agora)" demandou bastante tempo, mesmo porque, até no meio do cenário indie, anda rolando uma certa mesmice em termos de sons e atitudes, com bandas soando rigorosamente iguais umas as outras. Está faltando identidade e carisma até na nossa música alternativa, infelizmente. Mas, lamentações à parte, esta é uma pequena lista que se propõe a ser um guia atual para quem deseja saber o que anda acontecendo de bom por aí. 
Torcer, agora, para que os próximos meses sejam mais produtivos no sentido de termos mais lançamentos bons como estes.
🎵


10°
"Feeexta"
Camarones Orquestra Guitarrística


"Canções Para Depois do Ódio"
Marcelo Yuka


"Triinca" Triinca

"Galanga Livre" Rincon Sapiência

"Vênus" Tupimasala
Dica Cultural

Festival MIMO 2016
Programação Olinda


MIMO significa Mostra Internacional de Música em Olinda. E, também resistência de arte da melhor qualidade. Nasceu em 2004, na cidade pernambucana que leva seu nome, e que hoje é patrimônio histórico da humanidade. O que não significa que o festival não ocorra em outros lugares, como vem acontecendo há alguns anos. Este ano, por exemplo, em sua 13ª edição, a MIMO já desembarcou em Portugal, e nas cidades brasileiras de Ouro Preto, Tiradentes, Paraty e, nos próximos dias, no Rio de Janeiro. E, claro, haverá espaço para sua cidade natal, Olinda, que irá abarcar inúmeras atrações de peso entre os dias 18 e 20 de novembro próximos.
A seguir, a programação completa da MIMO em Olinda.


CONCERTOS

18 Novembro / Sexta-Feira

Zeca Baleiro - Violoncelo e Piano
18h - Mosteiro de São Bento / Palco Se Ligaê

João Fênix
19h - Igreja do Carmo

João Bosco & Hamilton d Holanda
19h30 - Mosteiro de São Bento / Palco Se Ligaê

Mário Laginha & Pedro Burmes…