Pular para o conteúdo principal
DICA DE FILME

"O GRANDE DITADOR" (1940)




Pra que serve a comédia? Pra fazer rir? Sim, esse é uma das suas funções. Mas, para alguns, fazer rir não é o suficiente. Ao contrário, limita sua arte. Chaplin foi um dos que pensavam assim.

Muitos de seus filmes, como "Luzes da Cidade" e "Tempos Modernos", e até mesmo seus curtas, excediam a ideia da comédia em si, sempre dizendo mais do que o óbvio. Mas, com "O Grande Ditador", ele foi além.

Precisamos lembrar de um detalhe: essa produção data de 1940, auge da Segunda Guerra e da figura de Hitler como uma grande ameaça. Seria loucura fazer um filme satirizando tudo isso? Não para um gênio como Chaplin.




Mesmo com o receio do estúdio United Artists, "O Grande Ditador" foi lançado e cumpriu o seu papel. Fez rir e refletir em doses iguais. O mérito está no fato de que aqui não é uma mera sátira. Temos um enredo bem construído, personagens cativantes e atuações fantásticas. Ou seja, como cinema, o nível é alto.

Chaplin faz o que provavelmente é o seu melhor papel: Adenoid Hynkel, ditador da Tomânia. Seus trejeitos e tiques, principalmente nos discursos inflamados são hilários. É um personagem moralmente ambíguo, pois, ao mesmo tempo que mostra desenvoltura para comandar as massas, demostra fraquezas como inveja e medo.

Além dele, Chaplin também interpreta um cadete do exécito que, após perder a memória durante a Primeira Guerra, volta para o gueto onde vivia e era barbeiro. Igualmente, é uma figura bem construída na trama.




Ainda podemos citar Paulette Goddard (esposa de Chaplin na vida real), como Hannah, e Jack Oakie, que faz Benzino Napaloni, numa evidente paródia a Mussollini, e que protagoniza algumas das melhores cenas de "O Grande Ditador".

As situações mesclam piadas com momentos mais reflexivos. Às vezes, ambas as características se unem, como na clássica cena em que Hynkel brinca com um globo terrestre.

E, mesmo fazendo graça com assuntos tão sérios, é clara a intenção de Chaplin em mostrar o quão absurda é uma guerra e suas consequências, onde vidas são tiradas por capricho de quem detém alguma espécie de poder.




Apesar de engraçado, Hynkel é o vilão, e ficamos cientes disso a todo momento. Na realidade, muito do que mostrado nesse filme é para demonstrar o quanto todo e qualquer regime ditatorial é ridículo e dantesco.

Não por acaso, "O Grande Ditador" foi o primeiro filme falado do diretor. Isso porque, ao final, ele revela seu objetivo. Na frente de uma fictícia platéia, o barbeiro judeu, fazendo-se passar pelo ditador, mas sendo o próprio Chaplin, profere um dos discursos mais fortes presente na sétima arte até hoje.

É um recado de seu realizador para o rumo que o mundo estava tomando com aquela guerra, como se fosse um aviso; quase uma súplica para que paressem e refletissem. Simplesmente, soberbo.




"O Grande Ditador" tem todos os elementos do melhor do cinema, e vai além na sua realização. Um filme feito no olho do furacão, que mexeu com o perigo, ridicularizando terríveis inimigos, e passou o seu recado que queria (e deveria).

Se existe um atestado de genialidade artística, é este.


NOTA: 10/10. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Debate Sócio-Político
Porto Digital Ocupado!
O número de ocupações contra a PEC 55 (que propõe, entre outras coisas, uma profunda reforma no Ensino Médio) cresce a cada dia, e apesar de algumas dificuldades, a maioria mostra que está no caminho certo. No Recife, a mais recente instituição a ser ocupada foi a Escola em Referência de Ensino Médio (o EREM), pertencente ao Porto Digital, e localizada no bairro do Recife Antigo. Tudo começou durante a manhã de quinta (17), após as aulas serem suspensas para a realização de uma assembleia. A decisão pela ocupação do prédio foi feita como forma de antecipar o pior, já que muitos temiam que a direção da escola chamasse a polícia. 
De acordo com uma das integrantes do movimento, a organização do local está sendo feita aos poucos, para que, em breve, possam acontecer eventos, como palestras, exibição de produções audiovisuais, etc. "Ainda está tudo muito recente. Pretendemos, primeiro, limpar e reformar algumas coisas aqui dentro, para depo…
Lista

10 Melhores Discos Nacionais de 2017 (Até Agora)


Sim, meus caros, não está nada fácil. Achar os "10 melhores discos nacionais lançados em 2017 (ate agora)" demandou bastante tempo, mesmo porque, até no meio do cenário indie, anda rolando uma certa mesmice em termos de sons e atitudes, com bandas soando rigorosamente iguais umas as outras. Está faltando identidade e carisma até na nossa música alternativa, infelizmente. Mas, lamentações à parte, esta é uma pequena lista que se propõe a ser um guia atual para quem deseja saber o que anda acontecendo de bom por aí. 
Torcer, agora, para que os próximos meses sejam mais produtivos no sentido de termos mais lançamentos bons como estes.
🎵


10°
"Feeexta"
Camarones Orquestra Guitarrística


"Canções Para Depois do Ódio"
Marcelo Yuka


"Triinca" Triinca

"Galanga Livre" Rincon Sapiência

"Vênus" Tupimasala
Dica Cultural

Festival MIMO 2016
Programação Olinda


MIMO significa Mostra Internacional de Música em Olinda. E, também resistência de arte da melhor qualidade. Nasceu em 2004, na cidade pernambucana que leva seu nome, e que hoje é patrimônio histórico da humanidade. O que não significa que o festival não ocorra em outros lugares, como vem acontecendo há alguns anos. Este ano, por exemplo, em sua 13ª edição, a MIMO já desembarcou em Portugal, e nas cidades brasileiras de Ouro Preto, Tiradentes, Paraty e, nos próximos dias, no Rio de Janeiro. E, claro, haverá espaço para sua cidade natal, Olinda, que irá abarcar inúmeras atrações de peso entre os dias 18 e 20 de novembro próximos.
A seguir, a programação completa da MIMO em Olinda.


CONCERTOS

18 Novembro / Sexta-Feira

Zeca Baleiro - Violoncelo e Piano
18h - Mosteiro de São Bento / Palco Se Ligaê

João Fênix
19h - Igreja do Carmo

João Bosco & Hamilton d Holanda
19h30 - Mosteiro de São Bento / Palco Se Ligaê

Mário Laginha & Pedro Burmes…