Pular para o conteúdo principal
Dica de Disco

"Heaven and Hell" (1980)
Artista: Black Sabbatah.


Algumas obras, realmente, estão "fadadas" a serem clássicas, não importando as circunstâncias. Em se tratando de uma banda como o Black Sabbath, não deveria ser algo surpreendente. Mas, no final dos anos 70, não era bem assim. Um dos frontmen mais carismáticos da história do rock tinha acabado de sair do grupo: Ozzy Osbourne. Substituir o eterno madman à altura parecia algo impossível. Só mesmo um milagre dos desuses!

Eis que surge o baixinho Ronnie James Dio, e o seu vozeirão dos infernos. Já fazendo um razoável sucesso com o Rainbow, banda do Ritchie Blackmore, Dio se integrou ao Sabbath, e algo inusitado aconteceu. Normalmente, quando um grupo muda de vocalista este se adapta ao som dela. Aqui, não! Foi a banda que se adequou ao seu novo cantor. Se antes o Sabbath tinha um som mais arrastado e soturno, agora, as músicas eram mais rápidas, pesadas e cadenciadas, aproximando-se mais do heavy metal do que antes.


Mas, não só! Se antes as letras giravam em torno de temas ora macabros, ora que faziam menção a crises existenciais, a banda passou a abordar assuntos mais ligados ao mundo fantástico, como lendas medievais, Tolkien e essas coisas que adoramos! Com tantas mudanças, o Black Sabbath se prepara, então, para lançar o seu novo disco. Lançado oficialmente em 24 de abril de 1980, "Heaven and Hell" trazia um material espetacular, e se existiam temores quanto à qualidade do grupo com a entrada de Dio, esses foram dissipados rapidamente já no primeiro acorde que abre o trabalho.

"Neon Knights" é o protótipo da perfeita música de rock pesado. Baixo dando o tom veloz, a guitarra ensandecida e vozes realmente épicas. Que início! Não obstante, continuam com a belíssima "Children of the Sea", quase uma balada (aos moldes do Sabbath, claro). Perdoe-me os fãs de Ozzy, mas essas duas canções fazem esquecer o antigo vocalista da banda bem fácil. Ele, de fato, tinha carisma (e, ainda tem, diga-se!), mas Dio, em termos de técnica, era superior, e muito.


Tal técnica se confirma na música-título do álbum. O riff onipotente de Tommy Iommi, o baixo forte de Geezer Butler, a bateria seca de Bill Ward e a interpretação de Dio fazem dela uma das melhores composições da banda (até hoje!). O final apoteótico fazia tremer os shows da banda. Outras canções menos conhecidas, mas que merecem destaque, são as maravilhosas "Lady Evil" e "Wishing Well" (que som de guitarra soberbo de ambas!), e a linda "Lonely is the World", com um solo emocionante.

No final, mesmo algumas músicas sendo melhores do que outras, todas as 8 canções presentes em "Heaven and Hell" são intocáveis. Essa maestria se refletiu no sucesso da época. O álbum foi disco de platina duplo no Reino Unido, platina nos EUA e ouro no Canadá. Chegaram até a relançarem o antigo álbum "Paranoid" (o 2º da banda, ainda com Ozzy nos vocais), que chegou a figurar no 14º lugar nas paradas.


"Heaven and Hell" pode não apenas ser considerado como um divisor de águas na carreira do Sabbath, como também foi o responsável pela sua sobrevivência , que dura até os dias atuais. Infelizmente, Dio não está mais neste plano (ele nos deixou em 2010), mas, com certeza, este é uma de suas melhores contribuições na música, algo de que ele tanto gostava.

Em resumo: clássico é clássico! E, fim de papo!


NOTA: 10/10. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lista

10 Melhores Discos Nacionais de 2017 (Até Agora)


Sim, meus caros, não está nada fácil. Achar os "10 melhores discos nacionais lançados em 2017 (ate agora)" demandou bastante tempo, mesmo porque, até no meio do cenário indie, anda rolando uma certa mesmice em termos de sons e atitudes, com bandas soando rigorosamente iguais umas as outras. Está faltando identidade e carisma até na nossa música alternativa, infelizmente. Mas, lamentações à parte, esta é uma pequena lista que se propõe a ser um guia atual para quem deseja saber o que anda acontecendo de bom por aí. 
Torcer, agora, para que os próximos meses sejam mais produtivos no sentido de termos mais lançamentos bons como estes.
🎵


10°
"Feeexta"
Camarones Orquestra Guitarrística


"Canções Para Depois do Ódio"
Marcelo Yuka


"Triinca" Triinca

"Galanga Livre" Rincon Sapiência

"Vênus" Tupimasala
Debate Sócio-Político
Porto Digital Ocupado!
O número de ocupações contra a PEC 55 (que propõe, entre outras coisas, uma profunda reforma no Ensino Médio) cresce a cada dia, e apesar de algumas dificuldades, a maioria mostra que está no caminho certo. No Recife, a mais recente instituição a ser ocupada foi a Escola em Referência de Ensino Médio (o EREM), pertencente ao Porto Digital, e localizada no bairro do Recife Antigo. Tudo começou durante a manhã de quinta (17), após as aulas serem suspensas para a realização de uma assembleia. A decisão pela ocupação do prédio foi feita como forma de antecipar o pior, já que muitos temiam que a direção da escola chamasse a polícia. 
De acordo com uma das integrantes do movimento, a organização do local está sendo feita aos poucos, para que, em breve, possam acontecer eventos, como palestras, exibição de produções audiovisuais, etc. "Ainda está tudo muito recente. Pretendemos, primeiro, limpar e reformar algumas coisas aqui dentro, para depo…
Filme Mais ou Menos Recomendável

"Mulher Maravilha"
2017
Direção: Patty Jenkins


MAIS UM FILME DE SUPER-HERÓI GENÉRICO, "MULHER MARAVILHA" PECA, IRONICAMENTE, POR TER UM SUB-TEXTO MACHISTA EM SUAS ENTRELINHAS
Estamos diante de mais um filme de super-heróis, mais um do universo expandido da DC Comics no cinema, mais um com a enorme responsabilidade de entregar um material minimamente interessante, ao contrários dos pífios "Batman vs Superman" e "Esquadrão Suicida", sem dúvida, os dois piores filmes do gênero desses últimos anos, ao lado de "Quarteto Fantástico". Ou seja, "Mulher Maravilha" chega com uma tremenda carga a ser superada. A pergunta é: conseguiu cumprir a sua missão? Bem, digamos que sim e não. Ao mesmo tempo em que o filme acerta em alguns pontos que ficaram devendo em produções anteriores, ele também erra ao repetir alguns dos erros mais corriqueiros de longas do gênero, com um agravante que pode até causar certa polê…