Pular para o conteúdo principal
Dica de Filme

"Dois Dias, Uma Noite" (2014)
Direção: Jean-Pierre Dardenne.


Simplicidade funciona que é uma beleza, como diria o filósofo, mas, é difícil de conseguir. O cinema, em alguns momentos atuais, parece ter entrado naquela obrigação de ter que ser rebuscado. E, olhem que isso vale tanto para os blockbusters de super-heróis, quanto para as produções cults, que acham que dialogam com a Nouvelle Vougue, o Expressionismo Alemão... Contar uma boa estória, de forma direta, virou uma espécie de sacrilégio. Porém, temos boas exceções à regra, como o brasileiro "Que Horas Ela Volta?" e este "Dois Dias, Uma Noite".

Não que a estória, em si, precisasse de algum esforço sobre-humano para ser contada, mas, é gratificante ver uma produção dedicada a colocar os pingos nos "i"s, sem tantas coisas supérfluas O enredo? Trata da trajetória, um tanto injusta, de Sandra, que, na iminência de perder o emprego, resolve, em dois dias, convencer seus colegas de trabalho a desistirem de um bônus de mil euros em favor da sua permanência na empresa. Ressalte-se que Sandra ficou um tempo afastada do serviço devido a uma forte depressão.



Nesse meio tempo, ela vai descobrindo o caráter de cada um dos seus companheiros de trabalho. Falsidades vão se mostrando, mesquinharias vão se sobrepondo, porém, ela também encontrará muita solidariedade à sua situação. Falando assim, o filme parece ser presunçoso, manipulando a opinião do espectador. Mas, não é. Alguns que se recusam a votar em favor de Sandra têm realmente motivos sérios para isso. Outros, nem tanto. E, para o restante, ela encontrará algum conforto, alguma inspiração para continuar seguindo.

Ao colocar em evidência as necessidades (e o egoísmo também) de cada um, o roteiro toma a liberdade de debater assuntos como as relações familiares, a questão da amizade, da gratidão e do altruísmo. E, sem nunca soar piegas ou pedante. Excluindo ao máximo cenas desnecessárias, o que vemos é um tour de fource quase em tempo real de alguém que coloca o orgulho de lado para pedir algo que, no frigir dos ovos, não deveria ser nada demais. Nós nos tornamos cúmplices e torcedores de sua jornada.



Uma dessas "sequências econômicas" merece destaque: é quando Sandra, no auge de sua recaída da depressão, tome uma caixa inteira de comprimidos. Quando conta ao marido o que fez, ele pede a uma amiga que traga uma ambulância, e, logo em seguida, ela está no hospital sendo medicada. Ponto. Sem histrionismo, sem melodramas, sem nada que atrapalhe o andamento da estória. Infelizmente, dá pra imaginar como uma produção hollywoodiana mostraria essa sequência, e, obviamente, sem ter a mesma força.

Marion Cotillard, que esteve formidável em "Piaf", estrega uma Sandra cativante. Sem fazer dela uma pessoa digna de pena, a atriz consegue mostrar suas fraquezas, mas também seu poder e superação. Mas, tudo natural, sem pesar a mão. Fabrizio Rongione, que interpreta o marido de Sandra, também está muito bem. Convincente, também empresta um senso de humanidade muito coeso ao personagem, ao mesmo tempo que também demonstra muito carinho pela esposa, sendo um de seus alicerces.



O roteiro narra tudo de forma clara, mas com sensibilidade. A direção, quase documental, de Jean-Pierre Dardenne ajuda muito nesse aspecto. Vale dizer que o filme mal tem trilha sonora (com uma música acidental aqui e acolá). O impacto das emoções ficando a cargo do julgamento do espectador. Pequenos detalhes que fazem a diferença.


"Dois Dias, Uma Noite" foi o representante belga do Oscar esse ano. Merecido. Ao lado de "Tangerinas" e "Leviatã", foi uma das melhores produções estrangeiras a figurar nessa premiação em 2015. Como cinema, pode não ser o tipo de produção "arrojada" que está virando regra por aí, mas, conseguiu passar o seu recado com leveza, sem agredir a nossa inteligência. E, assim está ótimo.


NOTA: 8,5/10. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…
Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Disco

"Shade"
2017
Artista: Living Colour


BANDA CLÁSSICA DOS ANOS 80 CONTINUA NA ATIVA, E ACABA DE LANÇAR UM DISCAÇO DE ROCK QUE VALE A PENA SER OUVIDO ATÉ O ÚLTIMO SEGUNDO
O Living Colour foi um dos melhores grupos de rock surgidos nos anos 80, e que continuaram a ter relativo sucesso no início da década de 90. Entre idas e vindas, a banda já não lançava material inédito desde 2009, com o bom "The Chair in the Doorway". Eis que, em 2017, surge "Shade", 6º álbum de estúdio deles, e que comprova que o som do Living Colour não se tornou nem um pouco datado, visto que aqui vamos encontrar todos os elementos que tornaram a banda mundialmente conhecida, e que, ao mesmo tempo, ainda soa moderno e contagiante.



"Primos" de som do Red Hot Chilli Peppers e do Faith no More, o Living Colour, ao contrário destes, continua, ainda nos dias de hoje, com uma regularidade muito bacana em sua música, mesmo depois de mais de 30 anos de carreira. Isso se deve a…