Pular para o conteúdo principal
Especial


Mas, Afinal, Quem Foi David Foster Wallace?

A morte não eleva os homens, torna-os apenas um pouco mais conhecidos. Quem se encarrega de transformar alguém em grande ou pequeno é o tempo, sempre ele, a moldar nossas vidas, com pequenas características que nos definem, aqui e acolá. Vejam o caso de David Foster Wallace, por exemplo. Passou exatos 46 anos aqui na Terra. Nesse curto espaço de tempo, conseguiu uma legião de fazer inveja a muitos romancistas (ditos) renomados. Mas, a fama, muito dela, póstuma, de Foster Wallace, justifica-se?

É certo que estamos carentes de excepcionais escritores (Valter Hugo Mãe é exceção, que fique claro). Comparado a outrora, parece que essa geração desaprendeu o dom da escrita poderosa. Entre best sellers e algo que realmente valha a pena, há um imenso abismo (e, uma diferença numérica gritante). Por isso, Foster Wallace se notabilizou como um clássico contemporâneo, não, necessariamente, devido à sua prematura morte, mas a todo um arcabouço que ele tinha, e que tanto falta aos novos escritores, principalmente seus questionamentos sobre o que é a vida.


Basta dizer que ele ficou impressionado ao ler as mais de 5 mil páginas da biografia de Dostoiévski, escrita por Joseph Frank. Que outro romancista moderno daria tanta importância ao autor russo? "A grande coisa que torna Dostoievski inestimável para os leitores e escritores norte-americanos é que ele parece possuir graus de paixão, convicção e engajamento com dilemas morais profundos que nós – aqui, hoje – não podemos ou não nos permitimos...” É de se imaginar o impacto que "Notas do Subterrâneo" ou "Crime e Castigo" teve no escritor norte-americano.

É claro que com essa percepção das coisas, Foster Wallace era inquieto, e parecia não se localizar no tempo e espaço em que vivia. Lee Konstantinou, professor de Literatura da University of Maryland, disse sobre ele: “David não aceitava uma nova ordem mundial que escolheu o cálculo econômico e a hegemonia tecnológica no lugar da coragem, da imaginação e do idealismo”. Seus livros refletem bem isso, em especial, o monumental "Graça Infinita", que com sua ironia e acidez vem ganhando cada vez mais admiradores. O livro, finalmente, foi lançado em versão nacional aqui no Brasil ano passado.


Se Foster Wallace cometeu algum erro em vida, digamos que foi se expor demais. Num mundo onde a frieza dos relacionamentos predomina, obviamente, alguém que tanto prezava pelas sentimentalidades como ele iria sofrer. Antes de se enforcar, ele enfrentava uma depressão há mais de 20 anos. Mesmo assim, mostrava-se amável com as pessoas, e, em todas as entrevistas que ele deu (inclusive, uma clássica realizada pela revista Rolling Stone), sempre mostrava latente lucidez. Refletida em sua obra, tal lucidez fez "Graça Infinita" ser considerado um dos mais importantes romances americanos do século 20.

Defeito humano, o culto pós-morte deveria ser compensado com um melhor apreciamento de sua arte, como fala o escritor Joca Reiners Terron: “Depois que ele morreu, a difusão de sua obra beira a evangelização. A morte precoce de um autor sempre dá mais prejuízo do que ganho – o autor morto que o diga (se pudesse). Não curto muito a parte da necrofilia, prefiro a obra. Sou daqueles que ficam imaginando e se lamentando pelo que poderia ter vindo e não veio devido às circunstâncias.” E, de fato, Foster Wallace parece ser mais conhecido do que li, o que se pode dizer lamentável.


Mas, o tempo, como dito no começo deste texto pode tudo consertar. Que ele coloque (e deixe) David Foster Wallace no seu devido lugar: um grande escritor, com uma incrível alma humana.


Algumas influências: Kafka e Dostoiévski.
Leia: "Graça Infinita", Companhia das Letras.
Veja: "O Final da Turnê", dirigido por James Ponsoldt.
Saiba mais:
http://lounge.obviousmag.org/ao_sul_de_lugar_nenhum/2014/03/um-pouco-sobre-david-foster-wallace.html

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…
Dica de Disco

"Shade"
2017
Artista: Living Colour


BANDA CLÁSSICA DOS ANOS 80 CONTINUA NA ATIVA, E ACABA DE LANÇAR UM DISCAÇO DE ROCK QUE VALE A PENA SER OUVIDO ATÉ O ÚLTIMO SEGUNDO
O Living Colour foi um dos melhores grupos de rock surgidos nos anos 80, e que continuaram a ter relativo sucesso no início da década de 90. Entre idas e vindas, a banda já não lançava material inédito desde 2009, com o bom "The Chair in the Doorway". Eis que, em 2017, surge "Shade", 6º álbum de estúdio deles, e que comprova que o som do Living Colour não se tornou nem um pouco datado, visto que aqui vamos encontrar todos os elementos que tornaram a banda mundialmente conhecida, e que, ao mesmo tempo, ainda soa moderno e contagiante.



"Primos" de som do Red Hot Chilli Peppers e do Faith no More, o Living Colour, ao contrário destes, continua, ainda nos dias de hoje, com uma regularidade muito bacana em sua música, mesmo depois de mais de 30 anos de carreira. Isso se deve a…