Pular para o conteúdo principal
Dica de Filme

"Namorados Para Sempre" (2010)
Direção: Derek Cianfrance.


Algumas coisas enganam fácil. Alguém desavisado, ao pegar o título deste filme, logo pensaria estar diante de mais uma daquelas comédias românticas clichês, água com açúcar. Alguns minutos depois, o equívoco desaparece. Pouca coisa aqui é para rir ou se "encantar". Sim, "Namorados Pra Sempre" é um drama triste e carregado, com uma boa dose de melancolia. O que fez as distribuidoras brasileiras darem esse nome no lugar do original ("Blue Valentine"), só os deuses sabem.

Depois de esquecer a horrível tradução brasileira, podemos, então, acompanhar o relacionamento de Dean e Cindy.  Com uma filha, parecem formar uma família perfeita, sem problemas. Mas, logo um caso específico desencadeia uma crise: o desaparecimento do cão que criavam. Ao ser encontrado morto, na estrada, a situação é uma ótima desculpa para discussões, brigas. No entanto, trata-se apenas de uma faísca. O casamento de ambos já vinha mal há algum tempo.



Dean e Cindy pouco ou nada se falam. Conversar, então, é coisa rara. Tentativas de reaproximação surgem, como uma ida de final de semana a um motel, mas a situação parece se complicar. Aparentemente, os dois já não têm a mesma "química" de antes, a mesma empatia. Paralelo a isso, assistimos flashbacks do tempo em que se conheceram. Cindy já vinha com uma estima muito baixa devido ao relacionamento conturbado dos pais, e Dean sempre foi o garotão brincalhão.

Interessante notar que as características individuais deles não mudaram muito com o passar dos anos. Mesmo assim, o desgaste natural vem. E, de uma forma penosa, sofrida. O mais doloroso é saber que algo está bastante próximo do fim, apesar da certeza de que o amor, de alguma maneira, permanece. O esforço, contudo, é muito, e a disposição de um para com o outro é quase nula. Ele, porém, é o que mais tenta uma reconciliação, só que sem sucesso.



A estória, em si, tem algumas obviedades, e até um certo pieguismo. A valorização da cerimônia do casamento, por exemplo, talvez seja insignificante diante do que Dean e Cindy sintam, realmente, um pelo outro. Portanto, desnecessário apelar para uma cena assim. Mas, há outras que, mesmo óbvias, funcionam bem, como quando eles se veem pela primeira vez, ou quando Dean apanha do pretendente ciumento de Cindy. Ficou espontâneo, sem ser tão forçado quanto poderia ficar.

Porém, a estória ganha força quando os protagonistas mostram suas fragilidades como pessoas. Ela, por exemplo, quando tenta fazer sexo com ele, pede para apanhar, e ele, depois do "fracasso" de reconciliação da noite anterior, aparece bêbado no trabalho dela. São cenas muito fortes, pois demonstram o quando podemos machucar a quem gostamos. Não por acaso, na época em que se conheceram, Dean cantou para Cindy uma música que falava justamente disso.



Com um enredo assim, é evidente que os atores principais iriam se sobressair (para o bem ou para o mal). Só que, para a nossa sorte, Ryan Gosling e Michelle Willians estão ótimos em seus papéis. Parecem um casal cheio de problemas de verdade. Ponto para o diretor, que pediu a eles que improvisassem quase todas as cenas, o que deixou Willians tensa, mas agradou Gosling, que tem dificuldade de memorização. E, ainda moraram juntos um mês antes da gravações para desempenharem melhor suas atuações...


No final das contas, "Namorados Para Sempre" é, e não é, um romance. Sem florear uma relação a dois, expõe as dificuldades que qualquer casal enfrenta, principalmente quando ambos possuem personalidades tão distintas. Não é indicado assistí-lo quem se encontra num processo assim. Mas, é indicado para quem procura um bom e honesto filme, sem a obrigação de um "final feliz".


Nota: 8/10.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…
Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Disco

"Shade"
2017
Artista: Living Colour


BANDA CLÁSSICA DOS ANOS 80 CONTINUA NA ATIVA, E ACABA DE LANÇAR UM DISCAÇO DE ROCK QUE VALE A PENA SER OUVIDO ATÉ O ÚLTIMO SEGUNDO
O Living Colour foi um dos melhores grupos de rock surgidos nos anos 80, e que continuaram a ter relativo sucesso no início da década de 90. Entre idas e vindas, a banda já não lançava material inédito desde 2009, com o bom "The Chair in the Doorway". Eis que, em 2017, surge "Shade", 6º álbum de estúdio deles, e que comprova que o som do Living Colour não se tornou nem um pouco datado, visto que aqui vamos encontrar todos os elementos que tornaram a banda mundialmente conhecida, e que, ao mesmo tempo, ainda soa moderno e contagiante.



"Primos" de som do Red Hot Chilli Peppers e do Faith no More, o Living Colour, ao contrário destes, continua, ainda nos dias de hoje, com uma regularidade muito bacana em sua música, mesmo depois de mais de 30 anos de carreira. Isso se deve a…