Pular para o conteúdo principal
Dica de Disco

"Eletric Warrior" (1971)
Artista: T-Rex.


Quando se fala em glam rock, muito se lembra de David Bowie e até de Elton John (sim, meu caros, o titio Elton já foi rock'n roll, tocando um piano com a mesma pegada que uma guitarra!). Mas, na época, um cara chamado Marc Bolan, com um ego monumental, rivalizava com todos o posto de "rei do glam". Atributos não faltavam, desde as energéticas performances de sua banda, o T-Rex, até a sonoridade dançante e bastante sensual.

Vários foram os ótimos discos lançados por ele, porém, "Eletric Warrior" ganha o posto de clássico por conter todos os grandes elementos fizeram dele um grande sucesso na década de 70. Bolan já tinha um belo cartaz na Inglaterra, só que ele queria mais. Por isso, com os novos integrantes do T-Rex, o baixista Steve Currie e o baterista Bill Legend, viajou até os EUA, onde, na estrada, chegaram a editar algumas das faixas que comporiam o novo álbum deles. E, o resultado foi excelente.



O trabalho já começa com a super-canção "Mambo Sun", que, como o próprio título sugere, é quente! O tipo de música ideal para agitar aquela festa mais alternativa. As faixas seguintes, "Cosmic Dancer" e "Jeepster", não ficam para trás. Com ótimos refrões e uma exuberante e rica sonoridade, mostram o porquê Bolan era, de fato, rival direto de Bowie. Ah, se todas as disputas pessoais gerassem arte de qualidade...

 "Monolith" e "Lean Woman Blues" fecham a primeira metade do disco com muita categoria. Tratam-se de duas lindíssimas baladas, mas com certa distorção e sujeira. É, então, que surge o grande hit do disco, a fantástica "Get it On". Com um ritmo e uma batida contagiantes, ela é do tipo que vicia e não enjoa. A parte percussiva dela, inclusive, é coisa fina. Ao vivo era uma canção insuperável, sempre tocada com vigor. E, que refrão!


O álbum segue com "Planet Queen" (com ótimos backing vocals) e "Girl" (outra balada, essa um pouco mais tradicional). "The Motivator" retoma a veia rocker da banda, com um batuque muito bem colocado, e, claro, um ótimo refrão (quase uma marca registrada do sr. Bolan). A penúltima canção, "Life's a Gas" nos proporciona mais uma bonita balada (eles realmente sabiam como compor essas coisas sem serem piegas...). E, o encerramento vem com "Rip Off", energética com tem que ser. Fim.

Há de se destacar também a belíssima arte da capa, projetada pelo grupo de design britânico Hipgnosis. Segundo o grupo, a imagem resume a perigosa promessa de poder do rock, com Bolan empunhando a guitarra como se fosse uma arma, diante de um arsenal de amplificadores. Vale lembrar que em Novembro de 2001, na edição da Vanity Fair, o músico americano Beck a escolheu como uma das suas 50 capas de álbum preferidas. Justíssimo!


Depois de "Eletric Warrior", o T-Rex ainda lançaria mais alguns discos realmente bons. Isso até Marc Bolan morrer em 1977 num acidente automobilístico. Deixou, no entanto, um tremendo legado na música, um rock ao mesmo tempo refinado e potente. Coisas, enfim, que jamais desaparecem.

"Eu só quero me comunicar com a garotada. É isso que importa, meu contato com a platéia." (Marc Bolan, em 1973).


Nota: 9,5/10.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…
Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Disco

"Shade"
2017
Artista: Living Colour


BANDA CLÁSSICA DOS ANOS 80 CONTINUA NA ATIVA, E ACABA DE LANÇAR UM DISCAÇO DE ROCK QUE VALE A PENA SER OUVIDO ATÉ O ÚLTIMO SEGUNDO
O Living Colour foi um dos melhores grupos de rock surgidos nos anos 80, e que continuaram a ter relativo sucesso no início da década de 90. Entre idas e vindas, a banda já não lançava material inédito desde 2009, com o bom "The Chair in the Doorway". Eis que, em 2017, surge "Shade", 6º álbum de estúdio deles, e que comprova que o som do Living Colour não se tornou nem um pouco datado, visto que aqui vamos encontrar todos os elementos que tornaram a banda mundialmente conhecida, e que, ao mesmo tempo, ainda soa moderno e contagiante.



"Primos" de som do Red Hot Chilli Peppers e do Faith no More, o Living Colour, ao contrário destes, continua, ainda nos dias de hoje, com uma regularidade muito bacana em sua música, mesmo depois de mais de 30 anos de carreira. Isso se deve a…