Pular para o conteúdo principal
Dica de Filme

"Zazie no Metrô" (1960)
Direção: Louis Malle.


Como definir algo, aparentemente, indefinível? "Zazie no Metrô" não se parece com nada do que já tenha visto no cinema, e, ao mesmo tempo, é parecido com tudo. Entenderam? Vou explicar melhor: o filme do polêmico e, muitas vezes, visceral diretor Louis Malle, faz referências a muito do que já foi feito na sétima arte. Não se trata apenas de homenagem, é, antes de mais nada, uma incrível vitalidade em contar uma estória da forma mais inusitada possível, usando diversos artifícios.

É muito nonsense, é muito surreal, é muito envolvente. E, percebam que tudo gira em torno de uma menina de 12 anos e sua rápida estadia por Paris. Apenas isso. Sim, é também leve e divertido. Porém, em suas entrelinhas, há muitos de satírico, bastante de irônico ao falar da sociedade parisiense da época. Propositalmente, Zazie é mais esperta do que uma criança normal, e, por isso, ela tem uma língua ferina, falando sempre alguma inconveniente verdade.



Mas, o tom crítico não abafa o que o filme tem de melhor: o seu ritmo. Misturando câmera acelerada à lá Chaplin, recursos de desenhos animados, como efeitos sonoros e uma visão lúdica e mágica do mundo, o longa é extremamente rápido e versátil. As imagens mais parecem pinturas em movimento, e o principal de tudo em se tratando de uma comédia: é muito engraçado. Só os muito chatos, mesmo, não rirão com as situações absurdas que vão se desenrolando na tela.

Os personagens à margem de Zazie são igualmente fascinantes, desde o seu tio até um inspetor de polícia que vive a perseguí-la, para, no final, mostrar-se um completamente fascista. Insano, não? Uma das sequências perto do final demonstra muito bem isso, como se o diretor quisesse dizer que tudo precisa ser destruído para um novo e necessário começo. Mas, tudo sem pesar a mão, de forma bem descontraída e interessante.




Lembrando que "Zazie no Metrô" é uma adaptação do livro homônimo do escritor Raymond Queneau. Talvez o único porém do filme seja um certo cansaço com o passar do tempo. O ritmo é tão alucinante que o envolvimento do espectador acaba ficando disperso lá próximo do final. O que é até lógico, pois, dificilmente, uma narrativa de uma hora e meia conseguiria, com essa proposta, manter a atenção 100% do tempo. Mesmo assim, o cansaço é só passageiro, e, logo após, vem o encerramento.




Partindo de uma estética pouco usual, Louis Malle conseguiu realizar um trabalho que possui uma menina como protagonista, flerta com o universo infantil, mas, que não é indicado, necessariamente, para as crianças. É, antes, um recado aos mais velhos, que se esqueceram que a imaginação, o encanto e a poesia são as melhores armas contra um mundo doente e vazio. No fim, Zazie diz que cresceu, mas, com um sorriso maroto nos lábios. Não é preciso dizer mais nada.


Nota:9/10.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…
Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Disco

"Shade"
2017
Artista: Living Colour


BANDA CLÁSSICA DOS ANOS 80 CONTINUA NA ATIVA, E ACABA DE LANÇAR UM DISCAÇO DE ROCK QUE VALE A PENA SER OUVIDO ATÉ O ÚLTIMO SEGUNDO
O Living Colour foi um dos melhores grupos de rock surgidos nos anos 80, e que continuaram a ter relativo sucesso no início da década de 90. Entre idas e vindas, a banda já não lançava material inédito desde 2009, com o bom "The Chair in the Doorway". Eis que, em 2017, surge "Shade", 6º álbum de estúdio deles, e que comprova que o som do Living Colour não se tornou nem um pouco datado, visto que aqui vamos encontrar todos os elementos que tornaram a banda mundialmente conhecida, e que, ao mesmo tempo, ainda soa moderno e contagiante.



"Primos" de som do Red Hot Chilli Peppers e do Faith no More, o Living Colour, ao contrário destes, continua, ainda nos dias de hoje, com uma regularidade muito bacana em sua música, mesmo depois de mais de 30 anos de carreira. Isso se deve a…