Pular para o conteúdo principal
Dica de Filme

"Zazie no Metrô" (1960)
Direção: Louis Malle.


Como definir algo, aparentemente, indefinível? "Zazie no Metrô" não se parece com nada do que já tenha visto no cinema, e, ao mesmo tempo, é parecido com tudo. Entenderam? Vou explicar melhor: o filme do polêmico e, muitas vezes, visceral diretor Louis Malle, faz referências a muito do que já foi feito na sétima arte. Não se trata apenas de homenagem, é, antes de mais nada, uma incrível vitalidade em contar uma estória da forma mais inusitada possível, usando diversos artifícios.

É muito nonsense, é muito surreal, é muito envolvente. E, percebam que tudo gira em torno de uma menina de 12 anos e sua rápida estadia por Paris. Apenas isso. Sim, é também leve e divertido. Porém, em suas entrelinhas, há muitos de satírico, bastante de irônico ao falar da sociedade parisiense da época. Propositalmente, Zazie é mais esperta do que uma criança normal, e, por isso, ela tem uma língua ferina, falando sempre alguma inconveniente verdade.



Mas, o tom crítico não abafa o que o filme tem de melhor: o seu ritmo. Misturando câmera acelerada à lá Chaplin, recursos de desenhos animados, como efeitos sonoros e uma visão lúdica e mágica do mundo, o longa é extremamente rápido e versátil. As imagens mais parecem pinturas em movimento, e o principal de tudo em se tratando de uma comédia: é muito engraçado. Só os muito chatos, mesmo, não rirão com as situações absurdas que vão se desenrolando na tela.

Os personagens à margem de Zazie são igualmente fascinantes, desde o seu tio até um inspetor de polícia que vive a perseguí-la, para, no final, mostrar-se um completamente fascista. Insano, não? Uma das sequências perto do final demonstra muito bem isso, como se o diretor quisesse dizer que tudo precisa ser destruído para um novo e necessário começo. Mas, tudo sem pesar a mão, de forma bem descontraída e interessante.




Lembrando que "Zazie no Metrô" é uma adaptação do livro homônimo do escritor Raymond Queneau. Talvez o único porém do filme seja um certo cansaço com o passar do tempo. O ritmo é tão alucinante que o envolvimento do espectador acaba ficando disperso lá próximo do final. O que é até lógico, pois, dificilmente, uma narrativa de uma hora e meia conseguiria, com essa proposta, manter a atenção 100% do tempo. Mesmo assim, o cansaço é só passageiro, e, logo após, vem o encerramento.




Partindo de uma estética pouco usual, Louis Malle conseguiu realizar um trabalho que possui uma menina como protagonista, flerta com o universo infantil, mas, que não é indicado, necessariamente, para as crianças. É, antes, um recado aos mais velhos, que se esqueceram que a imaginação, o encanto e a poesia são as melhores armas contra um mundo doente e vazio. No fim, Zazie diz que cresceu, mas, com um sorriso maroto nos lábios. Não é preciso dizer mais nada.


Nota:9/10.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lista

10 Melhores Discos Nacionais de 2017 (Até Agora)


Sim, meus caros, não está nada fácil. Achar os "10 melhores discos nacionais lançados em 2017 (ate agora)" demandou bastante tempo, mesmo porque, até no meio do cenário indie, anda rolando uma certa mesmice em termos de sons e atitudes, com bandas soando rigorosamente iguais umas as outras. Está faltando identidade e carisma até na nossa música alternativa, infelizmente. Mas, lamentações à parte, esta é uma pequena lista que se propõe a ser um guia atual para quem deseja saber o que anda acontecendo de bom por aí. 
Torcer, agora, para que os próximos meses sejam mais produtivos no sentido de termos mais lançamentos bons como estes.
🎵


10°
"Feeexta"
Camarones Orquestra Guitarrística


"Canções Para Depois do Ódio"
Marcelo Yuka


"Triinca" Triinca

"Galanga Livre" Rincon Sapiência

"Vênus" Tupimasala
Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Filme Mais ou Menos Recomendável

"Mulher Maravilha"
2017
Direção: Patty Jenkins


MAIS UM FILME DE SUPER-HERÓI GENÉRICO, "MULHER MARAVILHA" PECA, IRONICAMENTE, POR TER UM SUB-TEXTO MACHISTA EM SUAS ENTRELINHAS
Estamos diante de mais um filme de super-heróis, mais um do universo expandido da DC Comics no cinema, mais um com a enorme responsabilidade de entregar um material minimamente interessante, ao contrários dos pífios "Batman vs Superman" e "Esquadrão Suicida", sem dúvida, os dois piores filmes do gênero desses últimos anos, ao lado de "Quarteto Fantástico". Ou seja, "Mulher Maravilha" chega com uma tremenda carga a ser superada. A pergunta é: conseguiu cumprir a sua missão? Bem, digamos que sim e não. Ao mesmo tempo em que o filme acerta em alguns pontos que ficaram devendo em produções anteriores, ele também erra ao repetir alguns dos erros mais corriqueiros de longas do gênero, com um agravante que pode até causar certa polê…