Pular para o conteúdo principal
Dica de Filme

"Bastardos Inglórios" (2009)
Direção: Quentin Tarantino.


Ok, Segunda Guerra de novo. O cinema parece ter uma verdadeira tara pelo tema. Já foi feito praticamente de tudo com esse assunto, mas, vez ou outra, um novo filme sobre o conflito estréia em nossas salas. Por que, então, esta produção de Tarantino haveria de ser especial, e merecer a nossa atenção? Simples: o diretor conseguiu realizar uma impagável sátira com ares de clássico. Parece algo convencional ao gênero, mas, aqui e acolá, encontramos a marca registrada do cineasta (e, muito bem dosada).

O impacto já começa com uma das melhores sequências do cinema norte-americano recente. É quando conhecemos o temido Coronel Landa, simplesmente, um vilão excepcional por mérito e natureza. Seu diálogo com um homem que está escondendo judeus refugiados num porão é digna de nota. Apenas com palavras (e o olhar ameaçador de Landa), Tarantino construiu algo tenso e brutal (sem derramar uma gota de sangue sequer!). E, isso são só os 20 primeiros minutos de filme.




Depois, como é de praxe na obra do diretor, a produção é dividida em capítulos, mas, ao contrário de suas produções mais recentes, tem um roteiro que flui muito bem e se encaixa e se encaixa com cada cena e capítulo posterior. É quando conhecemos Shosanna, sobrevivente do massacre mostrado no início do longa, e sua jornada para vingar a morte dos pais. Paralelo a isso, ela administra um cinema que faz sucesso na cidade onde mora, e que será determinante para a trama, acreditem.

Finalmente, vemos também os tais bastardos, comandados pelo Tenente Aldo Raine, um grupo formado somente por soldados de origem judia, cuja único objetivo é matar o maior número possível de nazistas, e, depois, planejar um ataque em massa aos alemães (com Hitler junto!). A apresentação do grupo é a cara de Tarantino, cheio de cortes, frases de efeito, violência e muita ironia. Só não é mais marcante do que a primeira cena envolvendo o Coronel Landa.




A partir daí, o filme segue rumo, tendo, praticamente, três estórias em paralelo, que vão se cruzar posteriormente, envolvendo Landa, Shonanna e Aldo, cada um com um objetivo específico. O bom de "Bastardos Inglórios" é que mesmo tem o maior jeito de sátira, acaba fazendo críticas sérias sem que percebamos. A própria imagem de Hitler expõe isso, onde ele é mostrado como uma figura ridícula, assim como ridículos são todos os ditadores.

Talvez o único defeito do filme seja não explorar tanto os personagens que dão título à produção. Os chamados bastardos aparecem em poucas sequências, o que não se justifica, pois, uma duração de três horas dava para explorar melhor esses aspectos. Mesmo assim, os outros protagonistas compensam por serem muito bons. Landa é um personagem fenomenal, cínico e brutal como poucos (ponto para o ator Christoph Waltz). Já, Shosanna não é o clichê de garota fraca e amedrontada, mostrando muita inteligência e determinação.




O genial final do filme é uma ótima brincadeira, usando e abusando da liberdade criativa e do exercício de linguagem, até mesmo para explicar o próprio "Bastardos Inglórios". Um conjunto de obra e tanto do sr. Tarantino, que conseguiu colocar todas as suas qualidades em algo realmente marcante (algo que anda faltando em seus recentes trabalhos). Já aqui o diretor fez jus à sua fama como um cineasta ícone dos anos 90.


Nota: 9/10.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…
Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Disco

"Shade"
2017
Artista: Living Colour


BANDA CLÁSSICA DOS ANOS 80 CONTINUA NA ATIVA, E ACABA DE LANÇAR UM DISCAÇO DE ROCK QUE VALE A PENA SER OUVIDO ATÉ O ÚLTIMO SEGUNDO
O Living Colour foi um dos melhores grupos de rock surgidos nos anos 80, e que continuaram a ter relativo sucesso no início da década de 90. Entre idas e vindas, a banda já não lançava material inédito desde 2009, com o bom "The Chair in the Doorway". Eis que, em 2017, surge "Shade", 6º álbum de estúdio deles, e que comprova que o som do Living Colour não se tornou nem um pouco datado, visto que aqui vamos encontrar todos os elementos que tornaram a banda mundialmente conhecida, e que, ao mesmo tempo, ainda soa moderno e contagiante.



"Primos" de som do Red Hot Chilli Peppers e do Faith no More, o Living Colour, ao contrário destes, continua, ainda nos dias de hoje, com uma regularidade muito bacana em sua música, mesmo depois de mais de 30 anos de carreira. Isso se deve a…