Pular para o conteúdo principal
Dica de Filme

"O Regresso" (2015)
Direção: Alejandro Gonzáles Iñarritu.


Depois do grande sucesso de público e crítica de "Birdman", o diretor Iñarritu virou uma incógnita. Será que conseguiria manter o ótimo padrão que os seus filmes sempre demonstraram, mesmo após um Oscar debaixo do braço? E, a resposta está aqui, em "O Regresso", um vigoroso exercício cinematográfico, que coloca muita superprodução badalada por aí no chinelo. Épico por natureza, este filme possui diversas cenas marcantes, e é um dos melhores do ano que passou.

Seus 15 primeiros minutos são tão tensos que me lembrou a sequência de abertura em "O Resgate do Soldado Ryan". A câmera de Iñarritu está melhor do que nunca, enquadrando cada cena no devido lugar, com pouquíssimos cortes. O olhar do cineasta, propositalmente, é de baixo pra cima, como que para dizer o quão somos pequenos perante tanto à natureza, quanto à uma real luta pela sobrevivência. Um começo de tirar o fôlego.




Mas, o filme não se limita a isso, e continua, inclusive, com uma ótima estória. É quando conhecemos Hugh Glass, que está numa expedição ao oeste norte-americano para ganhar dinheiro através da caça. Quem o acompanha é o seu filho, que ele teve num relacionamento com uma indígena. Isso, claro, gera desconfiança entre seus companheiros de viagem, principalmente, John Fitzgerald, que, claramente, tem preconceito contra os chamados "vermelhos".

É quando, sem pausa para respirar, Iñarritu nos brinda com outra sequência marcante: o ataque de um urso. O realismo da cena é impressionante. A brutalidade na luta entre homem e natureza é bastante elevada, e demonstra um excelente domínio narrativo do cineasta. Mais uma vez, a câmera está, perigosamente, perto demais, colocando o espectador no olho do furacão, quase sentido a respiração do urso e do homem.




E, no final das contas, esse é o grande mote de "O Regresso": a eterna luta travado pelo homem, seja contra força naturais, seja com o próprio homem. É aí que surge outro aspecto interessante na produção, que é o lado crítico. Fitzgeraldo, que é o que mais vive falando de Deus, também é o que comete os piores atos. Há críticas, igualmente, ao preconceito contra os indígenas, sempre taxados de selvagens, mas, cujos algozes mostram-se até mais selvagens.

O filme, no entanto, gira mesmo em torno de Glass e sua via crucis. É, então, que vemos o quanto Leonardo di Caprio é, e sempre foi, um excelente ator. A dor do personagem é muito pungente, e di Caprio nos passa a dimensão exata desse sofrimento, colocando a lama em cena. Tom Hardy, que interpreta Fitzgerald, também se mostra um exímio antagonista, repulsivo, hipócrita e sem o mínimo de caráter. Um baita vilão.




Só que "O Regresso" tem um defeito um tanto sério: o seu desfecho. Quando, finalmente, o tal regresso acontece, o filme perde a força e o vigor que ninha, bravamente, mostrando até então, até culminar numa conclusão um tanto óbvia para a trama. Pelo menos, essa sequência final, é, mais uma vez, perfeita tecnicamente, lembrando um pouco até mesmo a primorosa cena da sauna de "Senhores do Crime", de Cronenberg.

Mesmo assim, os predicados da produção estão bem acima de seus eventuais defeitos. Apesar de ter se alongado um pouco mais do que devia, o filme é a prova de que Iñarritu ainda é um diretor confiável, orquestrando estórias que colocam seus personagens no limite de tudo, e falando do sofrimento humano de uma maneira bem poética e intensa. Felizmente, após "Birdman" e uma estatueta dourada, o homem não se acomodou.


Nota: 8,5/10.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lista

10 Melhores Discos Nacionais de 2017 (Até Agora)


Sim, meus caros, não está nada fácil. Achar os "10 melhores discos nacionais lançados em 2017 (ate agora)" demandou bastante tempo, mesmo porque, até no meio do cenário indie, anda rolando uma certa mesmice em termos de sons e atitudes, com bandas soando rigorosamente iguais umas as outras. Está faltando identidade e carisma até na nossa música alternativa, infelizmente. Mas, lamentações à parte, esta é uma pequena lista que se propõe a ser um guia atual para quem deseja saber o que anda acontecendo de bom por aí. 
Torcer, agora, para que os próximos meses sejam mais produtivos no sentido de termos mais lançamentos bons como estes.
🎵


10°
"Feeexta"
Camarones Orquestra Guitarrística


"Canções Para Depois do Ódio"
Marcelo Yuka


"Triinca" Triinca

"Galanga Livre" Rincon Sapiência

"Vênus" Tupimasala
Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…