Pular para o conteúdo principal
Dica de Filme

"O Regresso" (2015)
Direção: Alejandro Gonzáles Iñarritu.


Depois do grande sucesso de público e crítica de "Birdman", o diretor Iñarritu virou uma incógnita. Será que conseguiria manter o ótimo padrão que os seus filmes sempre demonstraram, mesmo após um Oscar debaixo do braço? E, a resposta está aqui, em "O Regresso", um vigoroso exercício cinematográfico, que coloca muita superprodução badalada por aí no chinelo. Épico por natureza, este filme possui diversas cenas marcantes, e é um dos melhores do ano que passou.

Seus 15 primeiros minutos são tão tensos que me lembrou a sequência de abertura em "O Resgate do Soldado Ryan". A câmera de Iñarritu está melhor do que nunca, enquadrando cada cena no devido lugar, com pouquíssimos cortes. O olhar do cineasta, propositalmente, é de baixo pra cima, como que para dizer o quão somos pequenos perante tanto à natureza, quanto à uma real luta pela sobrevivência. Um começo de tirar o fôlego.




Mas, o filme não se limita a isso, e continua, inclusive, com uma ótima estória. É quando conhecemos Hugh Glass, que está numa expedição ao oeste norte-americano para ganhar dinheiro através da caça. Quem o acompanha é o seu filho, que ele teve num relacionamento com uma indígena. Isso, claro, gera desconfiança entre seus companheiros de viagem, principalmente, John Fitzgerald, que, claramente, tem preconceito contra os chamados "vermelhos".

É quando, sem pausa para respirar, Iñarritu nos brinda com outra sequência marcante: o ataque de um urso. O realismo da cena é impressionante. A brutalidade na luta entre homem e natureza é bastante elevada, e demonstra um excelente domínio narrativo do cineasta. Mais uma vez, a câmera está, perigosamente, perto demais, colocando o espectador no olho do furacão, quase sentido a respiração do urso e do homem.




E, no final das contas, esse é o grande mote de "O Regresso": a eterna luta travado pelo homem, seja contra força naturais, seja com o próprio homem. É aí que surge outro aspecto interessante na produção, que é o lado crítico. Fitzgeraldo, que é o que mais vive falando de Deus, também é o que comete os piores atos. Há críticas, igualmente, ao preconceito contra os indígenas, sempre taxados de selvagens, mas, cujos algozes mostram-se até mais selvagens.

O filme, no entanto, gira mesmo em torno de Glass e sua via crucis. É, então, que vemos o quanto Leonardo di Caprio é, e sempre foi, um excelente ator. A dor do personagem é muito pungente, e di Caprio nos passa a dimensão exata desse sofrimento, colocando a lama em cena. Tom Hardy, que interpreta Fitzgerald, também se mostra um exímio antagonista, repulsivo, hipócrita e sem o mínimo de caráter. Um baita vilão.




Só que "O Regresso" tem um defeito um tanto sério: o seu desfecho. Quando, finalmente, o tal regresso acontece, o filme perde a força e o vigor que ninha, bravamente, mostrando até então, até culminar numa conclusão um tanto óbvia para a trama. Pelo menos, essa sequência final, é, mais uma vez, perfeita tecnicamente, lembrando um pouco até mesmo a primorosa cena da sauna de "Senhores do Crime", de Cronenberg.

Mesmo assim, os predicados da produção estão bem acima de seus eventuais defeitos. Apesar de ter se alongado um pouco mais do que devia, o filme é a prova de que Iñarritu ainda é um diretor confiável, orquestrando estórias que colocam seus personagens no limite de tudo, e falando do sofrimento humano de uma maneira bem poética e intensa. Felizmente, após "Birdman" e uma estatueta dourada, o homem não se acomodou.


Nota: 8,5/10.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lista

10 Melhores Discos Nacionais de 2017 (Até Agora)


Sim, meus caros, não está nada fácil. Achar os "10 melhores discos nacionais lançados em 2017 (ate agora)" demandou bastante tempo, mesmo porque, até no meio do cenário indie, anda rolando uma certa mesmice em termos de sons e atitudes, com bandas soando rigorosamente iguais umas as outras. Está faltando identidade e carisma até na nossa música alternativa, infelizmente. Mas, lamentações à parte, esta é uma pequena lista que se propõe a ser um guia atual para quem deseja saber o que anda acontecendo de bom por aí. 
Torcer, agora, para que os próximos meses sejam mais produtivos no sentido de termos mais lançamentos bons como estes.
🎵


10°
"Feeexta"
Camarones Orquestra Guitarrística


"Canções Para Depois do Ódio"
Marcelo Yuka


"Triinca" Triinca

"Galanga Livre" Rincon Sapiência

"Vênus" Tupimasala
Debate Sócio-Político
Porto Digital Ocupado!
O número de ocupações contra a PEC 55 (que propõe, entre outras coisas, uma profunda reforma no Ensino Médio) cresce a cada dia, e apesar de algumas dificuldades, a maioria mostra que está no caminho certo. No Recife, a mais recente instituição a ser ocupada foi a Escola em Referência de Ensino Médio (o EREM), pertencente ao Porto Digital, e localizada no bairro do Recife Antigo. Tudo começou durante a manhã de quinta (17), após as aulas serem suspensas para a realização de uma assembleia. A decisão pela ocupação do prédio foi feita como forma de antecipar o pior, já que muitos temiam que a direção da escola chamasse a polícia. 
De acordo com uma das integrantes do movimento, a organização do local está sendo feita aos poucos, para que, em breve, possam acontecer eventos, como palestras, exibição de produções audiovisuais, etc. "Ainda está tudo muito recente. Pretendemos, primeiro, limpar e reformar algumas coisas aqui dentro, para depo…
Filme Mais ou Menos Recomendável

"Mulher Maravilha"
2017
Direção: Patty Jenkins


MAIS UM FILME DE SUPER-HERÓI GENÉRICO, "MULHER MARAVILHA" PECA, IRONICAMENTE, POR TER UM SUB-TEXTO MACHISTA EM SUAS ENTRELINHAS
Estamos diante de mais um filme de super-heróis, mais um do universo expandido da DC Comics no cinema, mais um com a enorme responsabilidade de entregar um material minimamente interessante, ao contrários dos pífios "Batman vs Superman" e "Esquadrão Suicida", sem dúvida, os dois piores filmes do gênero desses últimos anos, ao lado de "Quarteto Fantástico". Ou seja, "Mulher Maravilha" chega com uma tremenda carga a ser superada. A pergunta é: conseguiu cumprir a sua missão? Bem, digamos que sim e não. Ao mesmo tempo em que o filme acerta em alguns pontos que ficaram devendo em produções anteriores, ele também erra ao repetir alguns dos erros mais corriqueiros de longas do gênero, com um agravante que pode até causar certa polê…