Pular para o conteúdo principal
Dica de Filme

"Whiplash - Em Busca da Perfeição" (2014)
Direção: Damien Chazelle.


Estórias de superação são recorrentes no cinema. Tão recorrentes que todas parecem ter a mesma estrutura: um mestre, mais experiente, que, não raro, assemelha-se a um verdadeiro carrasco, e seu pupilo, geralmente, uma pessoa ingênua, que vai aprender aos poucos, apanhando muito de seu mestre, até vencer no final. Sim, "Whiplash" segue exatamente à risca essa cartilha, e, mesmo repleto de obviedades, é um filme que funciona bem.

Pra falar a verdade, o que mais incomoda nesse filme é o antagonismo claro entre o tal mestre e o tal pupilo. Esteriótipos não faltam. Terence Fletcher, professor de música do renomado conservatório de Shaffer, é mostrado como alguém, propositalmente, repugnante, impiedoso, mal caráter. Não adianta de nada o roteiro forçar a barra num determinado momento mostrando Fletcher chorando devido à morte de um de seus ex-alunos. Sua figura é carregada e bastante forçada para demonstrar a dureza de um mestre em ação.




Já, Andrew, seu pupilo, é o típico garoto tímido, sem amigos, que é, inclusive, hostilizado pela família por seguir a carreira de músico. Uma cena, em especial, é muito boa, quando ele está reunido com seus parentes à mesa do jantar, e cada um vai contando suas vantagens. Mas, nesse ambiente, Andrew é sumariamente ignorado, e, perdendo a paciência, descarrega algumas verdades inconvenientes que ninguém quer ouvir.

Como o foco de Andrew sempre foi a música, mais precisamente, a bateria, ele não consegue se socializar. Até tenta formar um par romântico, mas, é bem claro: ela só atrapalharia sua carreira. Pelo menos, ele não é mostrado como um garoto perfeito, que sofre para se tornar o melhor. Na realidade, ele acaba nem sendo uma espécie de herói na estória, já que em menor grau é tão arrogante quanto Fletcher. Mesmo forçadas, e um tanto excessivamente caricaturais, são os embates entre ambos que resultam nas melhores cenas.




Como não se chocar com a primeira vez em que Andrew toca bateria na banda comandada por Fletcher, e este choca uma cadeira em seu novo aluno por este não acertar o tom de uma música? E, quando o rapaz treina até sangrar para conseguir alcançar um nível de excelência adequando? Sim, admitamos, são clichês essas demonstrações de superação, mas, compensa o fato de serem filmadas com intensidade e paixão, unidas, é claro, às ótimas atuações dos atores principais.

O problema é que todo esse sangue e suor acaba gerando a pior cena do filme, envolvendo um acidente de carro. Tudo bem que num determinado momento somos capazes de tudo para conseguirmos nossos objetivos, mas, diretor e roteirista, aqui, pesaram a mão feio, deixando a sequência pouco crível, e até ridícula. Para o bem da produção, algumas atitudes tomadas pelos protagonistas após isso estão mais próximos da realidade, tornado a estória, aí sim, mais interessante.

Claro que a parte musical é o grande carro-chefe de "Whiplash". Pra quem gosta de jazz, ou, simplesmente, de boa música, não tem do que reclamar. As sequências com a banda tocando, principalmente, na parte final, são de cair o queixo, principalmente, porque é adicionado um tempero dramático a elas. E, ainda há referências diretas a gênios incontestáveis, como Charlie Parker, entre outros.




As atuações são competentes, mas, nesse aspecto, o maior destaque do filme é J. K. Simmons. Mesmo que o roteiro exagere na dose ao retratar o seu personagem, ele consegue passar todo o poder e a fúria de Fletcher. Seus acessos de raiva contra os alunos e sua expressão concentrada enquanto rege sua banda são dignas dos melhores vilões do cinema, apesar dele não ser, necessariamente, um vilão, e até mesmo chegamos a tender os motivos pelos quais ele trata seus pupilos de maneira tão ríspida.

Entre verdadeiras catarses sonoras, muita forçação de barra, mas, uma condução correta, e bastante carisma na estória, "Whiplash" é um bom filme. Em muitos pontos, tão igual quanto outras estórias de superação por aí. Mas, compensa com algumas outras tantas qualidades que não podem ser ignoradas. Merece ser visto (e, ouvido).


Nota: 7,5/10.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Debate Sócio-Político
Porto Digital Ocupado!
O número de ocupações contra a PEC 55 (que propõe, entre outras coisas, uma profunda reforma no Ensino Médio) cresce a cada dia, e apesar de algumas dificuldades, a maioria mostra que está no caminho certo. No Recife, a mais recente instituição a ser ocupada foi a Escola em Referência de Ensino Médio (o EREM), pertencente ao Porto Digital, e localizada no bairro do Recife Antigo. Tudo começou durante a manhã de quinta (17), após as aulas serem suspensas para a realização de uma assembleia. A decisão pela ocupação do prédio foi feita como forma de antecipar o pior, já que muitos temiam que a direção da escola chamasse a polícia. 
De acordo com uma das integrantes do movimento, a organização do local está sendo feita aos poucos, para que, em breve, possam acontecer eventos, como palestras, exibição de produções audiovisuais, etc. "Ainda está tudo muito recente. Pretendemos, primeiro, limpar e reformar algumas coisas aqui dentro, para depo…
Lista

10 Melhores Discos Nacionais de 2017 (Até Agora)


Sim, meus caros, não está nada fácil. Achar os "10 melhores discos nacionais lançados em 2017 (ate agora)" demandou bastante tempo, mesmo porque, até no meio do cenário indie, anda rolando uma certa mesmice em termos de sons e atitudes, com bandas soando rigorosamente iguais umas as outras. Está faltando identidade e carisma até na nossa música alternativa, infelizmente. Mas, lamentações à parte, esta é uma pequena lista que se propõe a ser um guia atual para quem deseja saber o que anda acontecendo de bom por aí. 
Torcer, agora, para que os próximos meses sejam mais produtivos no sentido de termos mais lançamentos bons como estes.
🎵


10°
"Feeexta"
Camarones Orquestra Guitarrística


"Canções Para Depois do Ódio"
Marcelo Yuka


"Triinca" Triinca

"Galanga Livre" Rincon Sapiência

"Vênus" Tupimasala
Dica Cultural

Festival MIMO 2016
Programação Olinda


MIMO significa Mostra Internacional de Música em Olinda. E, também resistência de arte da melhor qualidade. Nasceu em 2004, na cidade pernambucana que leva seu nome, e que hoje é patrimônio histórico da humanidade. O que não significa que o festival não ocorra em outros lugares, como vem acontecendo há alguns anos. Este ano, por exemplo, em sua 13ª edição, a MIMO já desembarcou em Portugal, e nas cidades brasileiras de Ouro Preto, Tiradentes, Paraty e, nos próximos dias, no Rio de Janeiro. E, claro, haverá espaço para sua cidade natal, Olinda, que irá abarcar inúmeras atrações de peso entre os dias 18 e 20 de novembro próximos.
A seguir, a programação completa da MIMO em Olinda.


CONCERTOS

18 Novembro / Sexta-Feira

Zeca Baleiro - Violoncelo e Piano
18h - Mosteiro de São Bento / Palco Se Ligaê

João Fênix
19h - Igreja do Carmo

João Bosco & Hamilton d Holanda
19h30 - Mosteiro de São Bento / Palco Se Ligaê

Mário Laginha & Pedro Burmes…