Pular para o conteúdo principal
DICA DE DISCO

"Destemida" (2016)
Artista: Bande Dessinée.


Falar que uma banda hoje em dia é pop virou quase uma ofensa. Não que não tivéssemos ótimos representantes da música popular no Brasil em outras épocas (de Luiz Gonzada, passando por Raul Seixas, até Secos e Molhados, chegando num Novos Baianos), mas, é que a qualidade do pop atual está tão lá embaixo, que é tarefa hercúlea achar algo que preste nesse gênero. Por isso, este disco da Bande Dessinée é reconfortante: tem músicas pra cantar junto, e ainda assim, é um trabalho bem elaborado, descendo redondo.

Tudo chega a ser muito simples no som do grupo aqui. As letras vão na mesma pegada. E, apesar disso, funciona (e, muito). Claro que contribuiu o fato de ter havido mudanças na formação da banda: saíram o baixista Bruno Vitorino e o tecladista André Sette, permitindo assim que o tecladista Ed Staudinger contribuísse mais nas composições, ao lado do guitarrista Barro. O resultado é uma bem-vinda mescla de ritmos e texturas, muitas vezes dançantes e melódicas, mas, que não apelam para soluções fáceis. Pop com conteúdo.


Isso tudo é facilmente perceptível na ótima trinca que abre o disco. Primeiro, temos a canção que dá título ao trabalho, que, ao lado de uma letra esperta ("Eu vou pra rua, saio destemida, de mim não abro mão") é um agradável cartão de visitas. "Satisfaz" tem corpo e alma de Jorge Ben, e de outros grandes nomes do samba rock. A Letra ("Levo vida assim, nesse leva e traz, beijo sem amor não me satisfaz") é mais um óbvio, porém, eficiente recado de que a temática que vai permear o álbum é o empoderamento feminino. E, o melhor: com um discurso bastante consistente, de auto-estima para a mulher.

A terceira faixa, "Perdizes", é o que toda banda de tecno-brega deveria fazer caso tivessem conteúdo. Sim, o som é pra dançar em festinhas, bailes e outros inferninhos, mas, ao mesmo tempo, o arranjo é super bem feito. Ah, e a letra é mais um desdém a quem quiser enquadrar as mulheres em qualquer rótulo: "Sou santa, sou solta na vida, sou diva de mim". No entanto, chega a canção seguinte ("Pé na Estrada"), e com ela, o primeiro bola fora do álbum. Não é ruim, mas, no contexto das músicas anteriores, é bem menos trabalhada e pouco inspirada.


Não tem problema, pois, temos agora, a melhor composição do disco, "Sossega o Coração", que começa com um pequeno som de violinos, para começarmos a ouvir o guitarrista Barro num timbre de voz que lembra muito Lenine. A melodia é linda, e a letra é muito poética: "Dava pra ver o céu, o mar e a noite se acender, dava pra ir, a luz no olho e o rosto a reluzir." A futurista "Brise" remonta às canções "francesas" da banda, com clima e ritmo adequados . Música mais introspectiva, mas, agradável.

"Isabelle" é o "soul" da Bande Dessinée. E, é nela que vemos a diferença do grupo para outros artistas alternativos querendo, mais ou menos, fazer o mesmo som, como Céu e Johnny Hooker: aqui, o som é mais orgânico, mais natural, mais desavergonhadamente pop. Pronto. A próxima música, "Estelita", tem novamente a participação de Barro nos vocais. O ritmo cadenciado funciona que é uma beleza; parece até que dá pra vislumbrar aqueles shows descompromissados e undergrounds de um tranquilo final de tarde de sábado.


"Arrefecer" acaba sendo o segundo bola fora do álbum. Excessivamente minimalista, acaba quebrando muito o ritmo do trabalho. A letra, claramente exige uma melodia pouco inspirada. E, o disco se encerra com a boa "Todo Canto é Mar". Mesmo tendo coisas bem melhores aqui, a canção proporciona um desfecho dançante, contagiante e carismático. Outro defeito que o trabalho possui é a postura vocal da cantora Clarice Mendes. Não chega a incomodar, mas, a voz um pouco infantil dela causa certa estranheza (algo facilmente passável com sucessivas audições, diga-se).

No final das contas, estamos diante de um disco pop, e dos bons. Arranjos bem construídos e letras interessantes tornam tudo acessível, sem faltar qualidade. E, sim, podemos dizer que é um álbum, em essência, feminista pela temática que encontramos aqui e acolá; até mais feminista do que o fake "Selvática", da mais fake ainda Karina Buhr. Em tempos de tantas coisas esquecíveis e descartáveis, ouvir "Destemida" é um bálsamo para dançar e pensar (não, necessariamente, nessa ordem).

Site oficial da banda: www.bandedessinee.com.br


Nota: 8/10.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lista

10 Melhores Discos Nacionais de 2017 (Até Agora)


Sim, meus caros, não está nada fácil. Achar os "10 melhores discos nacionais lançados em 2017 (ate agora)" demandou bastante tempo, mesmo porque, até no meio do cenário indie, anda rolando uma certa mesmice em termos de sons e atitudes, com bandas soando rigorosamente iguais umas as outras. Está faltando identidade e carisma até na nossa música alternativa, infelizmente. Mas, lamentações à parte, esta é uma pequena lista que se propõe a ser um guia atual para quem deseja saber o que anda acontecendo de bom por aí. 
Torcer, agora, para que os próximos meses sejam mais produtivos no sentido de termos mais lançamentos bons como estes.
🎵


10°
"Feeexta"
Camarones Orquestra Guitarrística


"Canções Para Depois do Ódio"
Marcelo Yuka


"Triinca" Triinca

"Galanga Livre" Rincon Sapiência

"Vênus" Tupimasala
Debate Sócio-Político
Porto Digital Ocupado!
O número de ocupações contra a PEC 55 (que propõe, entre outras coisas, uma profunda reforma no Ensino Médio) cresce a cada dia, e apesar de algumas dificuldades, a maioria mostra que está no caminho certo. No Recife, a mais recente instituição a ser ocupada foi a Escola em Referência de Ensino Médio (o EREM), pertencente ao Porto Digital, e localizada no bairro do Recife Antigo. Tudo começou durante a manhã de quinta (17), após as aulas serem suspensas para a realização de uma assembleia. A decisão pela ocupação do prédio foi feita como forma de antecipar o pior, já que muitos temiam que a direção da escola chamasse a polícia. 
De acordo com uma das integrantes do movimento, a organização do local está sendo feita aos poucos, para que, em breve, possam acontecer eventos, como palestras, exibição de produções audiovisuais, etc. "Ainda está tudo muito recente. Pretendemos, primeiro, limpar e reformar algumas coisas aqui dentro, para depo…
Filme Mais ou Menos Recomendável

"Mulher Maravilha"
2017
Direção: Patty Jenkins


MAIS UM FILME DE SUPER-HERÓI GENÉRICO, "MULHER MARAVILHA" PECA, IRONICAMENTE, POR TER UM SUB-TEXTO MACHISTA EM SUAS ENTRELINHAS
Estamos diante de mais um filme de super-heróis, mais um do universo expandido da DC Comics no cinema, mais um com a enorme responsabilidade de entregar um material minimamente interessante, ao contrários dos pífios "Batman vs Superman" e "Esquadrão Suicida", sem dúvida, os dois piores filmes do gênero desses últimos anos, ao lado de "Quarteto Fantástico". Ou seja, "Mulher Maravilha" chega com uma tremenda carga a ser superada. A pergunta é: conseguiu cumprir a sua missão? Bem, digamos que sim e não. Ao mesmo tempo em que o filme acerta em alguns pontos que ficaram devendo em produções anteriores, ele também erra ao repetir alguns dos erros mais corriqueiros de longas do gênero, com um agravante que pode até causar certa polê…