Pular para o conteúdo principal
DICA DE DISCO

"Destemida" (2016)
Artista: Bande Dessinée.


Falar que uma banda hoje em dia é pop virou quase uma ofensa. Não que não tivéssemos ótimos representantes da música popular no Brasil em outras épocas (de Luiz Gonzada, passando por Raul Seixas, até Secos e Molhados, chegando num Novos Baianos), mas, é que a qualidade do pop atual está tão lá embaixo, que é tarefa hercúlea achar algo que preste nesse gênero. Por isso, este disco da Bande Dessinée é reconfortante: tem músicas pra cantar junto, e ainda assim, é um trabalho bem elaborado, descendo redondo.

Tudo chega a ser muito simples no som do grupo aqui. As letras vão na mesma pegada. E, apesar disso, funciona (e, muito). Claro que contribuiu o fato de ter havido mudanças na formação da banda: saíram o baixista Bruno Vitorino e o tecladista André Sette, permitindo assim que o tecladista Ed Staudinger contribuísse mais nas composições, ao lado do guitarrista Barro. O resultado é uma bem-vinda mescla de ritmos e texturas, muitas vezes dançantes e melódicas, mas, que não apelam para soluções fáceis. Pop com conteúdo.


Isso tudo é facilmente perceptível na ótima trinca que abre o disco. Primeiro, temos a canção que dá título ao trabalho, que, ao lado de uma letra esperta ("Eu vou pra rua, saio destemida, de mim não abro mão") é um agradável cartão de visitas. "Satisfaz" tem corpo e alma de Jorge Ben, e de outros grandes nomes do samba rock. A Letra ("Levo vida assim, nesse leva e traz, beijo sem amor não me satisfaz") é mais um óbvio, porém, eficiente recado de que a temática que vai permear o álbum é o empoderamento feminino. E, o melhor: com um discurso bastante consistente, de auto-estima para a mulher.

A terceira faixa, "Perdizes", é o que toda banda de tecno-brega deveria fazer caso tivessem conteúdo. Sim, o som é pra dançar em festinhas, bailes e outros inferninhos, mas, ao mesmo tempo, o arranjo é super bem feito. Ah, e a letra é mais um desdém a quem quiser enquadrar as mulheres em qualquer rótulo: "Sou santa, sou solta na vida, sou diva de mim". No entanto, chega a canção seguinte ("Pé na Estrada"), e com ela, o primeiro bola fora do álbum. Não é ruim, mas, no contexto das músicas anteriores, é bem menos trabalhada e pouco inspirada.


Não tem problema, pois, temos agora, a melhor composição do disco, "Sossega o Coração", que começa com um pequeno som de violinos, para começarmos a ouvir o guitarrista Barro num timbre de voz que lembra muito Lenine. A melodia é linda, e a letra é muito poética: "Dava pra ver o céu, o mar e a noite se acender, dava pra ir, a luz no olho e o rosto a reluzir." A futurista "Brise" remonta às canções "francesas" da banda, com clima e ritmo adequados . Música mais introspectiva, mas, agradável.

"Isabelle" é o "soul" da Bande Dessinée. E, é nela que vemos a diferença do grupo para outros artistas alternativos querendo, mais ou menos, fazer o mesmo som, como Céu e Johnny Hooker: aqui, o som é mais orgânico, mais natural, mais desavergonhadamente pop. Pronto. A próxima música, "Estelita", tem novamente a participação de Barro nos vocais. O ritmo cadenciado funciona que é uma beleza; parece até que dá pra vislumbrar aqueles shows descompromissados e undergrounds de um tranquilo final de tarde de sábado.


"Arrefecer" acaba sendo o segundo bola fora do álbum. Excessivamente minimalista, acaba quebrando muito o ritmo do trabalho. A letra, claramente exige uma melodia pouco inspirada. E, o disco se encerra com a boa "Todo Canto é Mar". Mesmo tendo coisas bem melhores aqui, a canção proporciona um desfecho dançante, contagiante e carismático. Outro defeito que o trabalho possui é a postura vocal da cantora Clarice Mendes. Não chega a incomodar, mas, a voz um pouco infantil dela causa certa estranheza (algo facilmente passável com sucessivas audições, diga-se).

No final das contas, estamos diante de um disco pop, e dos bons. Arranjos bem construídos e letras interessantes tornam tudo acessível, sem faltar qualidade. E, sim, podemos dizer que é um álbum, em essência, feminista pela temática que encontramos aqui e acolá; até mais feminista do que o fake "Selvática", da mais fake ainda Karina Buhr. Em tempos de tantas coisas esquecíveis e descartáveis, ouvir "Destemida" é um bálsamo para dançar e pensar (não, necessariamente, nessa ordem).

Site oficial da banda: www.bandedessinee.com.br


Nota: 8/10.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…
Dica de Disco

"Shade"
2017
Artista: Living Colour


BANDA CLÁSSICA DOS ANOS 80 CONTINUA NA ATIVA, E ACABA DE LANÇAR UM DISCAÇO DE ROCK QUE VALE A PENA SER OUVIDO ATÉ O ÚLTIMO SEGUNDO
O Living Colour foi um dos melhores grupos de rock surgidos nos anos 80, e que continuaram a ter relativo sucesso no início da década de 90. Entre idas e vindas, a banda já não lançava material inédito desde 2009, com o bom "The Chair in the Doorway". Eis que, em 2017, surge "Shade", 6º álbum de estúdio deles, e que comprova que o som do Living Colour não se tornou nem um pouco datado, visto que aqui vamos encontrar todos os elementos que tornaram a banda mundialmente conhecida, e que, ao mesmo tempo, ainda soa moderno e contagiante.



"Primos" de som do Red Hot Chilli Peppers e do Faith no More, o Living Colour, ao contrário destes, continua, ainda nos dias de hoje, com uma regularidade muito bacana em sua música, mesmo depois de mais de 30 anos de carreira. Isso se deve a…