Pular para o conteúdo principal
Dica de Filme

"A Hora da Zona Morta" (1983)
Direção: David Cronenberg.


Ah, os anos oitenta... Excelentes tempos do bom cinema hollywoodiano, aonde as grandes produções não agrediam nossa inteligência, e as histórias eram, de fato, fascinantes. Claro, leva pontos a favor termos aqui dois mestres do gênero "horror" em suas melhores formas: o diretor Cronenberg e o escritor Stephen King. Interessante notar, no entanto, que "A Hora da Zona Morta" não é, necessariamente, um filme de horror, apesar de ser genuinamente assustador. Só que não temos monstros ou fantasmas assombrando pessoas, e sim, a velha maldade humana colocada em alegorias muito boas ao longo do enredo.

Começamos conhecendo o professor Johnny Smith, que leva uma vida comum, pacata, inclusive, até alheio ao que está à sua volta. Tem um bom emprego e nutre uma paixão pela sua companheira de profissão Sarah Bracknell. Tudo muda quando sofre um acidente de carro, e passa inacreditáveis cinco anos em coma. Ao acordar, tudo muda. Sarah já está casada e com um filho, por exemplo, o que é a causa de um de seus maiores sofrimentos. Além disso, precisa passar por incontáveis terapias para voltar a andar, e depois, tentar recuperar o pouco da carreira de professor que lhe restou.




Por acaso, enquanto está no quarto da clínica aonde está internado, uma enfermeira aperta sua mão, e ele tem uma visão aterradora: a casa da enfermeira está em chamas com a filha dela dentro. Ele avisa o que viu, e ela, desesperada, realmente, encontra sua casa pegando fogo, mas, sua filha sendo salva pelos bombeiros. É então que Johnny descobre que adquiriu um dom peculiar: ao tocar nas pessoas ou em objetos que elas pegaram, ele pode prever o futuro ou visualizar o passado delas. É assim, por exemplo, que ele descobre a localização da mãe de seu médico, perdida desde a sua infância, no período da guerra.

O filme vai, então, mostrando o drama de Johnny, em sua inadequação social quanto a esta habilidade que adquiriu. Vemos desde o assédio da imprensa para fazer de Johnny uma "atração de circo", até os momentos em que ele se vê num dilema em ajudar ou não a descobrir o responsável por uma série de assassinatos. A história mostra, a partir daí, um de seus maiores trunfos: ao focar nas indecisões do protagonista perante sua nova realidade, a produção escapa de ser uma mera ficção científica com toques de terror rasteira e sem propósito.




Não que aqui não tenhamos cenas que causem certo medo. Ao contrário. Só que o medo retratado em "A Hora da Zona Morta" é aquele mais real, mais palpável numa sociedade cada vez mais fria, e menos preocupada com quem está ao seu lado. Esse sentimento altruísta é bem caracterizado no personagem principal, que mesmo se sentido cada vez mais sozinho, continua a receber cartas de pessoas precisando de ajuda, às vezes, de uma simples palavra de conforto. Encontrar isso numa produção como essa é realmente algo especial.

Bom salientar que o filme não atropela nenhum de seus temas. Desde a solidão de Johnny, passando até por críticas políticas e religiosas, o enredo é redondo, enxuto, e a direção de Cronenberg é bastante competente. E, cada um dos atores encarnou muito bem seus respectivos papéis, em especial, Christopher Walken, que faz um Johnny ora indeciso diante de sua condição, ora triste por ter um dom que poderia até ajudar as pessoas, mas, que está sugando sua vida. Uma interpretação digna de um ator que sempre foi meio subestimado.




"A Hora da Zona Morta" pode ser colocado como um dos melhores filmes dos anos 80, e um dos mais interessantes da carreira de Cronenberg, o que não é pouco. Abordando temas dos mais variados de maneira simples, mas, muito direta e eficiente, ele coloca no chinelo muitas dessas produções atuais, que querem dizer mais do que podem, e são claramente vazias de conteúdo. Uma pequena obra-prima para ver e rever quantas vezes forem necessárias.


Nota: 9/10.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…
Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Disco

"Shade"
2017
Artista: Living Colour


BANDA CLÁSSICA DOS ANOS 80 CONTINUA NA ATIVA, E ACABA DE LANÇAR UM DISCAÇO DE ROCK QUE VALE A PENA SER OUVIDO ATÉ O ÚLTIMO SEGUNDO
O Living Colour foi um dos melhores grupos de rock surgidos nos anos 80, e que continuaram a ter relativo sucesso no início da década de 90. Entre idas e vindas, a banda já não lançava material inédito desde 2009, com o bom "The Chair in the Doorway". Eis que, em 2017, surge "Shade", 6º álbum de estúdio deles, e que comprova que o som do Living Colour não se tornou nem um pouco datado, visto que aqui vamos encontrar todos os elementos que tornaram a banda mundialmente conhecida, e que, ao mesmo tempo, ainda soa moderno e contagiante.



"Primos" de som do Red Hot Chilli Peppers e do Faith no More, o Living Colour, ao contrário destes, continua, ainda nos dias de hoje, com uma regularidade muito bacana em sua música, mesmo depois de mais de 30 anos de carreira. Isso se deve a…