Pular para o conteúdo principal
Curta não Recomendável

"Eletrodoméstica" 
Direção: Kléber Mendonça Filho.


Não basta você ter uma grande ideia nas mãos, é preciso saber como executá-la de maneira satisfatória. Caso contrário, a premissa ficará apenas na promessa de ter entrega algo verdadeiramente marcante. Este curta de Kléber Mendonça é um bom exemplo disso. A princípio, temos, a partir do título, um trocadilho interessante com o termo eletrodoméstico (o aparelho, a máquina), aonde é mudado para eletrodomésticA, o que pode denotar, de cara, que se trata de uma crítica à mecanização das pessoas, cada vez mais parecidas com os objetos que usa no dia a dia.

Porém, o curta já começa de forma péssima, situando o espectador nos bairros do Recife, mas, alongando-se demais nessas cenas, pontuadas por uma péssima música da banda Paulo Francis vai pro Céu ("Eu Queria Morar em Bervelly Hills"), que apela mais para as notórias gracinhas, pra fazer os pseudocults rirem mesmo, do que para fazer refletir ou algo do tipo. Corta pra personagem principal fumando na sacada de sua janela, e mais uma vez, Kléber Mendonça demonstra não ter o mínimo time para filmar qualquer tipo de cena.



Quando "Eletrodoméstica", enfim, "começa", somos apresentados a uma família, aparentemente típica das grandes cidades, uma mãe e seus dos filhos pequenos, e ela se desdobrando para fazer as tarefas domésticas, tudo cronometrado. O problema é que o jogo de câmeras, ora lento demais, ora rápido demais, não confere naturalidade às ações, e tudo parece ser fake, demais, fabricado demais. A partir do momento em que há falta de energia, e os eletrodomésticos param, a protagonista também para seu cronômetro, e aí, pensamos: "É isso aí, o roteiro teve o insight da ideia principal, pois, estamos tão mecanizados, que só 'funcionamos' quando as nossas máquinas funcionam."

Mas, aí, o que era pra ser uma crítica mordaz e certeira, vira algo sem nexo. A partir desse momento, existiriam inúmeras possibilidades para a narrativa, como a protagonista, literalmente, "parar" após a falta de energia. Mas, o que temos são situações um tanto inverossímeis, e que deixam tudo muito pasteurizado. Um homem, por exemplo, ir pedir água num conjunto de apartamentos, e só a protagonista se prontificar a fazer isso, soa forçado demais, bem como os diálogos entre eles. Fica, realmente, a sensação de possibilidades perdidas ante uma premissa realmente boa.




É, então, que os eletrodomésticos voltam a funcionar, e, consequentemente, o cronômetro da personagem. Tudo volta ao "normal", mas, ainda reside o pensamento de que muitas coisas estão faltando na narrativa. Chegamos ao final com uma cena que pretende ser uma catarse (fora da mecanização do dia a dia, tentamos buscar alguma forma de prazer), mas, fica mais como uma sequência pretensamente ousada, mas, que não consegue, ainda, passar o que a premissa propõe. Caso as ideias tivessem sido melhor trabalhadas ao longo do curta, esse final teria sido, sim, condizente com o conjunto. Do jeito que foi filmado, ficou algo deslocado. Bom ressaltar com os atores também não parecem estar à vontade em seus papéis, o que torna tudo ainda menos plausível aos nossos olhos.

É triste ver uma ideia inicial tão boa sendo desperdiçada assim. Sem tantos maneirismos (câmeras contemplativas e cortes sem muita função na narrativa) e uma coragem maior de criticar a nossa inércia cotidiana através de situações mais críveis, teríamos aqui um interessante panorama da sociedade brasileira atual. Pra quem ainda quiser ver uma crítica realmente boa nesse aspecto, tendo como base mulheres domésticas, cabe indicar o ótimo "Domésticas", de Fernando Meirelles e "Que Horas Ela Volta?", da Anna Muylaert, esses, sim, fazendo um panorama sem filtros de uma sociedade caótica e mesquinha, e com real ousadia de falar o que tem que ser dito. Da parte de Kléber Mendonça, ele ainda está nos devendo algo, realmente, marcante.


Nota: 3/10.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lista

10 Melhores Discos Nacionais de 2017 (Até Agora)


Sim, meus caros, não está nada fácil. Achar os "10 melhores discos nacionais lançados em 2017 (ate agora)" demandou bastante tempo, mesmo porque, até no meio do cenário indie, anda rolando uma certa mesmice em termos de sons e atitudes, com bandas soando rigorosamente iguais umas as outras. Está faltando identidade e carisma até na nossa música alternativa, infelizmente. Mas, lamentações à parte, esta é uma pequena lista que se propõe a ser um guia atual para quem deseja saber o que anda acontecendo de bom por aí. 
Torcer, agora, para que os próximos meses sejam mais produtivos no sentido de termos mais lançamentos bons como estes.
🎵


10°
"Feeexta"
Camarones Orquestra Guitarrística


"Canções Para Depois do Ódio"
Marcelo Yuka


"Triinca" Triinca

"Galanga Livre" Rincon Sapiência

"Vênus" Tupimasala
Debate Sócio-Político
Porto Digital Ocupado!
O número de ocupações contra a PEC 55 (que propõe, entre outras coisas, uma profunda reforma no Ensino Médio) cresce a cada dia, e apesar de algumas dificuldades, a maioria mostra que está no caminho certo. No Recife, a mais recente instituição a ser ocupada foi a Escola em Referência de Ensino Médio (o EREM), pertencente ao Porto Digital, e localizada no bairro do Recife Antigo. Tudo começou durante a manhã de quinta (17), após as aulas serem suspensas para a realização de uma assembleia. A decisão pela ocupação do prédio foi feita como forma de antecipar o pior, já que muitos temiam que a direção da escola chamasse a polícia. 
De acordo com uma das integrantes do movimento, a organização do local está sendo feita aos poucos, para que, em breve, possam acontecer eventos, como palestras, exibição de produções audiovisuais, etc. "Ainda está tudo muito recente. Pretendemos, primeiro, limpar e reformar algumas coisas aqui dentro, para depo…
Filme Mais ou Menos Recomendável

"Mulher Maravilha"
2017
Direção: Patty Jenkins


MAIS UM FILME DE SUPER-HERÓI GENÉRICO, "MULHER MARAVILHA" PECA, IRONICAMENTE, POR TER UM SUB-TEXTO MACHISTA EM SUAS ENTRELINHAS
Estamos diante de mais um filme de super-heróis, mais um do universo expandido da DC Comics no cinema, mais um com a enorme responsabilidade de entregar um material minimamente interessante, ao contrários dos pífios "Batman vs Superman" e "Esquadrão Suicida", sem dúvida, os dois piores filmes do gênero desses últimos anos, ao lado de "Quarteto Fantástico". Ou seja, "Mulher Maravilha" chega com uma tremenda carga a ser superada. A pergunta é: conseguiu cumprir a sua missão? Bem, digamos que sim e não. Ao mesmo tempo em que o filme acerta em alguns pontos que ficaram devendo em produções anteriores, ele também erra ao repetir alguns dos erros mais corriqueiros de longas do gênero, com um agravante que pode até causar certa polê…