Pular para o conteúdo principal
Dica de Filme

"Mãe só Há Uma" (2016)
Direção: Anna Muylaert.


Muitas vezes, o que o cinema nacional precisa são de histórias simples bem contadas. Sem clichês relacionados à favela, ao sertão ou à Ditadura Militar, e sem arroubos pseudocults de quem coloca mil e uma referências em seus filmes (da Nouvelle Vouge à Fellinni), mas, de sem nenhuma substância. A diretora Anna Muylaert está num seleto grupo de realizadores que se preocupam, apenas, em contarem um bom enredo de maneira correta. O que vier além disso, acaba sendo lucro, como foi o caso de "Que Horas Ela Volta?", filme anterior da cineasta, que falou a respeito de assuntos muito pertinentes para a época atual (a exploração das empregadas domésticas e a mesquinharia latente da nossa classe média). Sem dúvida, foi a melhor produção nacional de 2015.

Neste "Mãe só Há Uma", no entanto, temos um tema que não é tão facilmente identificável, sendo algo um pouco mais intimista: a luta por uma identidade. Baseada livremente numa história real ocorrida no Brasil há alguns anos, a trama tem como foco Pierre, um rapaz introspectivo, mas, de personalidade forte, que vê sua vida desmoronar quando descobre que sua mãe adotiva o sequestrou ainda muito novo. Nisso, seus pais biológicos aparecem, e tentam integrá-lo aos seus padrões de vida, deixando Pierre cada vez mais revoltado, e sentido que, definitivamente, não faz parte daquele mundo que agora precisa viver.




De cara, o que se percebe aqui, é a urgência com que a história é contada. E, isto não é, necessariamente, ruim, pois, dá um bom dinamismo ao enredo, e sua curta duração (82 minutos) só ajuda. No entanto, alguns momentos parecem ter ficado apressados demais, como a prisão da mãe adotiva de Pierre, e o aparecimento da família biológica de sua irmã, assim como ele, também sequestrada da maternidade. Apesar de um tanto "jogadas", tais sequências, incrivelmente, acabam funcionando, devido à naturalidade com que Muylaert dirige tais cenas, sem nada de muito arrojado, mas, mostrando o necessário, e apenas isso.

Pierre também é um personagem que divide opiniões, simplesmente, porque ele não tem carisma. Ele é retratado, isso sim, como um adolescente normal, às vezes, chato, às vezes, doce, que se revolta com facilidade, e está com os seus hormônios à flor da pele. Ou seja, é alguém que, facilmente, podemos encontrar na vida real, sem retoques, muito menos, forçação de barra. Por isso, em linhas gerais, o desenvolvimento do personagem é adequado e bastante crível. E, ainda há a questão da sua homossexualidade, que também é tratada de maneira natural, e nem um pouco caricata, e mesmo que não seja, aparentemente, levantada nenhuma bandeira, só o fato desse assunto ser tratado dessa forma, já é um grande avanço.




Até por ter tido, relativamente, pouco tempo para a realização deste longa, Anna Muylaert imprimiu um tom quase documental em muitos momentos, mas, sem deixar o lado humano de lado. As sequências em que os pais biológicos da irmã de Pierre vem buscá-la e da briga entre este e seus pais num campo de boliche são muito tocantes e envolventes, sem exageros de nenhuma espécie. O que fica claro é que Pierre, independente de julgamentos, não consegue se adequar aos padrões moralistas de sua nova família, que vê no jeito um tanto "excêntrico" de seu novo membro uma vergonha no ciclo social em que vivem. Tais conflitos são, iguais a outras tantas partes, bem construídas, passando, de forma clara, a mensagem que se quer.

A trilha sonora, quando aparece, é ótima, principalmente, pelo fato de Pierre fazer parte de uma banda de garagem, e, por isso, a música, com certeza, faz parte da vida do personagem. Já, as atuações não estão um primor, mas, podemos dizer que são competentes. O talentoso Naomi Nero entrega um Pierre cheio de nuances sem muito esforço, enquanto o resto do elenco também faz interpretações sólidas, com firmeza, a exemplo de Matheus Nachtergaele, que sempre se destaca, até nos seus "piores" momentos. E, por fim, temos uma edição simples e seca, condizente com a proposta do filme, não sendo nada marcante, mas, contribuindo para o resultado como um todo.




A expectativa do próximo trabalho de Anna Muylaert pós-"Que Horas Ela Volta?" foi enorme, e "Mãe só Há Uma" talvez fruste quem esperava críticas mais contundentes da nossa sociedade. Provavelmente, se a cineasta tivesse esperado um pouco mais, certamente, teríamos uma produção bem melhor. No entanto, mesmo com os seus defeitos, decorrentes, em grande parte, da pressa de sua diretora, este é um filme interessante, e nem um pouco descartável. Passa sua mensagem dignamente, e acaba servindo como um "aperitivo" do que esperar dos próximos projetos de Muylaert. Basta, apenas, que ela tenha um pouco mais de paciência.


Nota: 7/10.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Debate Sócio-Político
Porto Digital Ocupado!
O número de ocupações contra a PEC 55 (que propõe, entre outras coisas, uma profunda reforma no Ensino Médio) cresce a cada dia, e apesar de algumas dificuldades, a maioria mostra que está no caminho certo. No Recife, a mais recente instituição a ser ocupada foi a Escola em Referência de Ensino Médio (o EREM), pertencente ao Porto Digital, e localizada no bairro do Recife Antigo. Tudo começou durante a manhã de quinta (17), após as aulas serem suspensas para a realização de uma assembleia. A decisão pela ocupação do prédio foi feita como forma de antecipar o pior, já que muitos temiam que a direção da escola chamasse a polícia. 
De acordo com uma das integrantes do movimento, a organização do local está sendo feita aos poucos, para que, em breve, possam acontecer eventos, como palestras, exibição de produções audiovisuais, etc. "Ainda está tudo muito recente. Pretendemos, primeiro, limpar e reformar algumas coisas aqui dentro, para depo…
Lista

10 Melhores Discos Nacionais de 2017 (Até Agora)


Sim, meus caros, não está nada fácil. Achar os "10 melhores discos nacionais lançados em 2017 (ate agora)" demandou bastante tempo, mesmo porque, até no meio do cenário indie, anda rolando uma certa mesmice em termos de sons e atitudes, com bandas soando rigorosamente iguais umas as outras. Está faltando identidade e carisma até na nossa música alternativa, infelizmente. Mas, lamentações à parte, esta é uma pequena lista que se propõe a ser um guia atual para quem deseja saber o que anda acontecendo de bom por aí. 
Torcer, agora, para que os próximos meses sejam mais produtivos no sentido de termos mais lançamentos bons como estes.
🎵


10°
"Feeexta"
Camarones Orquestra Guitarrística


"Canções Para Depois do Ódio"
Marcelo Yuka


"Triinca" Triinca

"Galanga Livre" Rincon Sapiência

"Vênus" Tupimasala
Dica Cultural

Festival MIMO 2016
Programação Olinda


MIMO significa Mostra Internacional de Música em Olinda. E, também resistência de arte da melhor qualidade. Nasceu em 2004, na cidade pernambucana que leva seu nome, e que hoje é patrimônio histórico da humanidade. O que não significa que o festival não ocorra em outros lugares, como vem acontecendo há alguns anos. Este ano, por exemplo, em sua 13ª edição, a MIMO já desembarcou em Portugal, e nas cidades brasileiras de Ouro Preto, Tiradentes, Paraty e, nos próximos dias, no Rio de Janeiro. E, claro, haverá espaço para sua cidade natal, Olinda, que irá abarcar inúmeras atrações de peso entre os dias 18 e 20 de novembro próximos.
A seguir, a programação completa da MIMO em Olinda.


CONCERTOS

18 Novembro / Sexta-Feira

Zeca Baleiro - Violoncelo e Piano
18h - Mosteiro de São Bento / Palco Se Ligaê

João Fênix
19h - Igreja do Carmo

João Bosco & Hamilton d Holanda
19h30 - Mosteiro de São Bento / Palco Se Ligaê

Mário Laginha & Pedro Burmes…