Pular para o conteúdo principal
Dica de Filme

"Mãe só Há Uma" (2016)
Direção: Anna Muylaert.


Muitas vezes, o que o cinema nacional precisa são de histórias simples bem contadas. Sem clichês relacionados à favela, ao sertão ou à Ditadura Militar, e sem arroubos pseudocults de quem coloca mil e uma referências em seus filmes (da Nouvelle Vouge à Fellinni), mas, de sem nenhuma substância. A diretora Anna Muylaert está num seleto grupo de realizadores que se preocupam, apenas, em contarem um bom enredo de maneira correta. O que vier além disso, acaba sendo lucro, como foi o caso de "Que Horas Ela Volta?", filme anterior da cineasta, que falou a respeito de assuntos muito pertinentes para a época atual (a exploração das empregadas domésticas e a mesquinharia latente da nossa classe média). Sem dúvida, foi a melhor produção nacional de 2015.

Neste "Mãe só Há Uma", no entanto, temos um tema que não é tão facilmente identificável, sendo algo um pouco mais intimista: a luta por uma identidade. Baseada livremente numa história real ocorrida no Brasil há alguns anos, a trama tem como foco Pierre, um rapaz introspectivo, mas, de personalidade forte, que vê sua vida desmoronar quando descobre que sua mãe adotiva o sequestrou ainda muito novo. Nisso, seus pais biológicos aparecem, e tentam integrá-lo aos seus padrões de vida, deixando Pierre cada vez mais revoltado, e sentido que, definitivamente, não faz parte daquele mundo que agora precisa viver.




De cara, o que se percebe aqui, é a urgência com que a história é contada. E, isto não é, necessariamente, ruim, pois, dá um bom dinamismo ao enredo, e sua curta duração (82 minutos) só ajuda. No entanto, alguns momentos parecem ter ficado apressados demais, como a prisão da mãe adotiva de Pierre, e o aparecimento da família biológica de sua irmã, assim como ele, também sequestrada da maternidade. Apesar de um tanto "jogadas", tais sequências, incrivelmente, acabam funcionando, devido à naturalidade com que Muylaert dirige tais cenas, sem nada de muito arrojado, mas, mostrando o necessário, e apenas isso.

Pierre também é um personagem que divide opiniões, simplesmente, porque ele não tem carisma. Ele é retratado, isso sim, como um adolescente normal, às vezes, chato, às vezes, doce, que se revolta com facilidade, e está com os seus hormônios à flor da pele. Ou seja, é alguém que, facilmente, podemos encontrar na vida real, sem retoques, muito menos, forçação de barra. Por isso, em linhas gerais, o desenvolvimento do personagem é adequado e bastante crível. E, ainda há a questão da sua homossexualidade, que também é tratada de maneira natural, e nem um pouco caricata, e mesmo que não seja, aparentemente, levantada nenhuma bandeira, só o fato desse assunto ser tratado dessa forma, já é um grande avanço.




Até por ter tido, relativamente, pouco tempo para a realização deste longa, Anna Muylaert imprimiu um tom quase documental em muitos momentos, mas, sem deixar o lado humano de lado. As sequências em que os pais biológicos da irmã de Pierre vem buscá-la e da briga entre este e seus pais num campo de boliche são muito tocantes e envolventes, sem exageros de nenhuma espécie. O que fica claro é que Pierre, independente de julgamentos, não consegue se adequar aos padrões moralistas de sua nova família, que vê no jeito um tanto "excêntrico" de seu novo membro uma vergonha no ciclo social em que vivem. Tais conflitos são, iguais a outras tantas partes, bem construídas, passando, de forma clara, a mensagem que se quer.

A trilha sonora, quando aparece, é ótima, principalmente, pelo fato de Pierre fazer parte de uma banda de garagem, e, por isso, a música, com certeza, faz parte da vida do personagem. Já, as atuações não estão um primor, mas, podemos dizer que são competentes. O talentoso Naomi Nero entrega um Pierre cheio de nuances sem muito esforço, enquanto o resto do elenco também faz interpretações sólidas, com firmeza, a exemplo de Matheus Nachtergaele, que sempre se destaca, até nos seus "piores" momentos. E, por fim, temos uma edição simples e seca, condizente com a proposta do filme, não sendo nada marcante, mas, contribuindo para o resultado como um todo.




A expectativa do próximo trabalho de Anna Muylaert pós-"Que Horas Ela Volta?" foi enorme, e "Mãe só Há Uma" talvez fruste quem esperava críticas mais contundentes da nossa sociedade. Provavelmente, se a cineasta tivesse esperado um pouco mais, certamente, teríamos uma produção bem melhor. No entanto, mesmo com os seus defeitos, decorrentes, em grande parte, da pressa de sua diretora, este é um filme interessante, e nem um pouco descartável. Passa sua mensagem dignamente, e acaba servindo como um "aperitivo" do que esperar dos próximos projetos de Muylaert. Basta, apenas, que ela tenha um pouco mais de paciência.


Nota: 7/10.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…
Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Disco

"Shade"
2017
Artista: Living Colour


BANDA CLÁSSICA DOS ANOS 80 CONTINUA NA ATIVA, E ACABA DE LANÇAR UM DISCAÇO DE ROCK QUE VALE A PENA SER OUVIDO ATÉ O ÚLTIMO SEGUNDO
O Living Colour foi um dos melhores grupos de rock surgidos nos anos 80, e que continuaram a ter relativo sucesso no início da década de 90. Entre idas e vindas, a banda já não lançava material inédito desde 2009, com o bom "The Chair in the Doorway". Eis que, em 2017, surge "Shade", 6º álbum de estúdio deles, e que comprova que o som do Living Colour não se tornou nem um pouco datado, visto que aqui vamos encontrar todos os elementos que tornaram a banda mundialmente conhecida, e que, ao mesmo tempo, ainda soa moderno e contagiante.



"Primos" de som do Red Hot Chilli Peppers e do Faith no More, o Living Colour, ao contrário destes, continua, ainda nos dias de hoje, com uma regularidade muito bacana em sua música, mesmo depois de mais de 30 anos de carreira. Isso se deve a…