Pular para o conteúdo principal
Dica de Filme

"Palombella Rossa" (1989)
Direção: Nanni Moretti.


Há filmes, por assim dizer, inclassificáveis. É o tipo de produção que mexe com o espectador. perturbando-o de tal forma, que que este não sabe se ri, chora, reflete, ou qualquer outra coisa. Mas, dificilmente, ele fica indiferente ao que vê. E, há aqueles cineastas que são inclassificáveis, profissionais que sempre (repito: SEMPRE!) nos proporciona experiências interessantíssimas com seus trabalhos, e, por isso mesmo, são, às vezes, de difícil assimilação pelo público médio. O italiano Nanni Moretti pode, sem maiores problemas, ser colocado nesse rol privilegiado de diretores em que cada um dos seus filmes nos proporciona momentos únicos.

Este "Palombella Rossa", por exemplo, é um filme de descrição um tanto complicada. Como classificá-lo? Uma drama? Uma comédia? Os dois juntos? Ou, algo mais? É preciso, como se vê, ter certa paciência e atenção para "pegar" sua história. No decorrer das cenas, vamos assimilando o que, de fato, está acontecendo. Em primeiro lugar, o protagonista (interpretado pelo próprio Moretti) sofre um acidente de carro, e perdendo a memória. Corta para cenas dele sendo "levado" por uma equipe de pólo aquático para um campeonato importante. No decorrer do percurso, e enquanto se prepara para o jogo, lembra-se, vagamente, quem era: um comunista!




A partir do momento em que sua memórias vão regressando, o personagem principal passa a fazer diversos questionamentos, e, muitas vezes, no meio do jogo, no instante em que o treinador começa a dar instruções à sua equipe, etc. E, são essas partes o ponto-chave do filme. Ao fazer esses questionamentos naqueles momentos mais, digamos, "inoportunos", ele traça um paralelo interessante com o jogo de pólo aquático que está acontecendo com suas crises de identidade, criticando não somente os métodos do Partido Comunista, mas, da sociedade, como um todo.

É providencial que muitas dessas memórias mostrem cenas antigas, de um Nanni Moretti jovem, que, mesmo no ápice de sua militância política, não deixa de questionar a tudo e a todos (inclusive, o próprio fato de ser comunista). Há cenas também que relembram sua infância, e como uma única decisão que ele tomou nessa época, reverbera até hoje em sua vida. E, há outros momentos bem fortes, quando, no presente, ele não suporta mais as pessoas ao seu redor, soltando frases de pura revolta (e, todas com bastante consciência):

"As pessoas estão mais preocupadas com um mero jogo de pólo aquático do que com a vida ao redor delas!"

"As palavras são importantes. Tenham cuidado com o que dizem!"

"O mundo, hoje, está povoado por parasitas canalhas, o que nos força a sermos melhores do que eles!"

 



A inquietação de Nanni Moretti chega ao ponto dele quebrar a quarta barreira, e "falar" diretamente com o espectador. É como se fosse um Woody Allen mais ingênuo e inconformado. O que temos, basicamente, em "Palombella Rossa" é um estudo muito crítico e convincente da crise da Esquerda nos dias atuais, em especial, na Itália. Moretti, não polpando ninguém de suas ironias, constrói um roteiro engenhoso, que mesmo sendo tão mordaz em seus questionamentos, ainda assim, consegue divertir. Não são poucos os momentos em que rimos de forma natural de situações muito nonsenses e absurdas, mas, nunca apelativas ou idiotas.

Moretti consegue driblar todo o histrionismo das comédias italianas com um texto bem amarrado, e que também é uma aula de amor ao cinema, com diversas cenas de "Doutor Jivago" sendo mostradas numa pequena televisão. Mas, as grandes catarses são mesmo as indiretas que o cineasta dá em tudo e em todos, sem jamais perder o foco: a reafirmação e a reinvenção de seus ideais com o passar dos anos, para que você continue sendo coerente com aquilo em que acredita. Longe do pedantismo, "Palombella Rossa" nos oferece um bela e necessária reflexão, que, passados 28 anos, não perdeu sua força.




E, quanto mais filmes assistimos de Nanni Moretti, mais percebemos o quanto ele não é só um artista único, mas, também uma pessoa fascinante, que consegue passar toda a sua integridade como ser humano em sua obra. Seja como pessoa ou como cineasta, é muito bom saber que, com o tempo, ele continua nos dizendo coisas relevantes (vide o recente "Mia Madre"). E, ao final de "Palombella Rossa", o temos? Revolta. Inquietação. Desilusão. Nostalgia. E, sobretudo, esperança. Uma arte que vai muito além do que se propôs no início.


Nota: 9/10.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…
Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Disco

"Shade"
2017
Artista: Living Colour


BANDA CLÁSSICA DOS ANOS 80 CONTINUA NA ATIVA, E ACABA DE LANÇAR UM DISCAÇO DE ROCK QUE VALE A PENA SER OUVIDO ATÉ O ÚLTIMO SEGUNDO
O Living Colour foi um dos melhores grupos de rock surgidos nos anos 80, e que continuaram a ter relativo sucesso no início da década de 90. Entre idas e vindas, a banda já não lançava material inédito desde 2009, com o bom "The Chair in the Doorway". Eis que, em 2017, surge "Shade", 6º álbum de estúdio deles, e que comprova que o som do Living Colour não se tornou nem um pouco datado, visto que aqui vamos encontrar todos os elementos que tornaram a banda mundialmente conhecida, e que, ao mesmo tempo, ainda soa moderno e contagiante.



"Primos" de som do Red Hot Chilli Peppers e do Faith no More, o Living Colour, ao contrário destes, continua, ainda nos dias de hoje, com uma regularidade muito bacana em sua música, mesmo depois de mais de 30 anos de carreira. Isso se deve a…