Pular para o conteúdo principal
Dica de Filme

"Santa Sangre" (1989)
Direção: Alejandro Jodorowsky.


A liberdade, sem dúvida, é um os bens mais preciosos do ser humano. Não uma mera liberdade que se fazer tudo o que quer, mas, sim, aquela que permite nossa autonomia, nossa capacidade de discernimento, enfim, o nosso caráter. E, esse é o tema central de "Santa Sangre". mesmo que, aparentemente, estejamos vendo aqui uma história mais "tradicional" do inquietante cineasta Alejandro Jodorowsky. Pra quem já conhece a filmografia do diretor, sabe muito bem que as suas produções são tudo, menos, convencionais.

Porém, enquanto o tema central desse filme é a liberdade, o seu universo é totalmente circense (lembrando que o próprio Jodorowski trabalhou no circo quando jovem). Por sinal, este talvez seja o filme onde mais se veja essa influência, não só porque o cenário do primeiro ato se passa, de fato, num circo, mas, devido às metáforas que versam sobre a representação de cada pessoa no palco que é a vida. Em princípio, vemos um rapaz, nu, completamente alucinado e internado num hospício, para depois, acompanharmos suas memórias e entendermos o que, realmente, aconteceu.




Nessa parte da história, aparece toda a sorte de personagens inusitados, característica fundamental na obra de Jodorowsky. Desde uma mulher totalmente tatuada a uma garota mímica, que, na verdade, é surda e muda, há uma gama de seres excêntricos, mas, não menos reais do que os que vemos no dia a dia, com suas qualidades e, principalmente, os seus defeitos. O rapaz do hospício no início do filme se chama Fênix, que, nessas memórias, aparece ainda criança, e e´filho do dono do circo e de uma das atrações dele, uma mulher que faz acrobacias pendurada em seus cabelos.

Não tarda muito, e o filme exibe outra grande característica das produções do diretor: a crítica à religião, mais precisamente, ao fanatismo. Essa sequência também é mordaz ao mostrar a intolerância do alto clero da Igreja, além dos eventuais abusos de autoridade por parte do exército. Bastante simbólicas, essas cenas são um primor de direção, envolvendo o espectador de tal forma, que chegamos até a embarcar na aura fanática de um grupo que construiu um templo em homenagem a uma garota assassinada que julgam ser santa.




A produção também não polpa críticas à exclusão social numa cena que é antecedida de algo, aos nossos olhos, absurdo: um funeral de um elefante. A conclusão da sequência é de uma revolta voraz contra a miséria e qualquer outra forma de exclusão, e só mostra o porquê alguém como Jodorowsky é tão reverenciado. Qualquer outro realizador teria filmado tais cenas apenas por serem inusitadas, e nada mais. O cineasta chileno, porém, quis concluir tudo de maneira crítica, alfinetando a sociedade do seu jeito, comprovando sua grande preocupação pelo ser humano, outra característica marcante sua.

A história de "Santa Sangre" segue, e vemos, finalmente, que tragédia se abateu sobre Fênix para ele ter ficado catatônico e ter ido parar num hospício. Nos dias atuais, quando ainda não apresenta sinais de melhora, é quando sua mãe vem resgatá-lo, e passam a fazer apresentações artísticas  juntos de uma um tanto peculiar: ela, por ter perdido os braços na tragédia já mencionada, "usa" os do filho como se fossem seus, mas, não somente para os espetáculos em que se apresentam, sim, também, em todas as tarefas do cotiano, como comer e se vestir. Extremamente possessiva, ela instiga o filho a matar qualquer mulher que tente afastá-lo dela.




É nesse ponto que reside a maioria das metáforas a respeito da liberdade, e também os momentos mais arrastados do longa. Ao contrário de "El Topo" e "A Montanha Sagrada" (suas maiores obras-primas), aqui não há histórias, necessariamente, mirabolantes ou repletas de referências que completem a narrativa no momento certo. Por ter um enredo mais convencional, às vezes (raramente, diga-se), "Santa Sangre" se perde na própria contemplação, e uma cena acaba ficando mais longa do que devia. Apesar disso, o incômodo não é tão grande, afinal, somos levados a um belíssimo desfecho, uma ode total à liberdade, à resistência, ao renascimento. 

De uma forma geral, "Santa Sangre" é um filme mais redondo, porém, "menor", dentre os grandes clássicos de Jodorowsky. Mesmo assim, até hoje, continua sendo uma produção de muita beleza e força narrativa, além de possuir mensagens das mais adequadas para essa geração.  E, como toda a obra do diretor, ele também não é de fácil digestão, precisando de certo cuidado e um pouco de esmero para ser assimilado por completo em suas propostas. No entanto, tal esforço terá valido a pena, sem dúvida alguma.


Nota: 8,5/10.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…
Dica de Disco

"Shade"
2017
Artista: Living Colour


BANDA CLÁSSICA DOS ANOS 80 CONTINUA NA ATIVA, E ACABA DE LANÇAR UM DISCAÇO DE ROCK QUE VALE A PENA SER OUVIDO ATÉ O ÚLTIMO SEGUNDO
O Living Colour foi um dos melhores grupos de rock surgidos nos anos 80, e que continuaram a ter relativo sucesso no início da década de 90. Entre idas e vindas, a banda já não lançava material inédito desde 2009, com o bom "The Chair in the Doorway". Eis que, em 2017, surge "Shade", 6º álbum de estúdio deles, e que comprova que o som do Living Colour não se tornou nem um pouco datado, visto que aqui vamos encontrar todos os elementos que tornaram a banda mundialmente conhecida, e que, ao mesmo tempo, ainda soa moderno e contagiante.



"Primos" de som do Red Hot Chilli Peppers e do Faith no More, o Living Colour, ao contrário destes, continua, ainda nos dias de hoje, com uma regularidade muito bacana em sua música, mesmo depois de mais de 30 anos de carreira. Isso se deve a…