Pular para o conteúdo principal
Dica de Filme

"Lemon Tree" (2008)
Direção: Eran Riklis.


As sutilezas, geralmente, conferem ótimo cinema, apesar de pouco praticadas. E, mais geralmente ainda, arroubos narrativos, jogos histéricos de câmera e muita pseudointelectualidade resultam em filmes pedantes, aplaudidos por muitos, é verdade, mas, sem a mínima substância para classificá-los como autêntico cinema. Simplicidade não significa descuido; é apenas um dos melhores jeitos de passar uma mensagem, e mesmo assim, ter algum verniz artístico. Algumas produções falam, por exemplo, da desapropriação de terras pelo governo ou por empresas privadas, mas, provavelmente, poucas têm o impacto de "Lemon Tree".

A história, por si, já dá margem para que se desenvolva algo muito bom a partir dela. Conta as agruras de Salma Zidane, uma viúva que mora na fronteira entre Israel e Cisjordânia. Sua vida passa a ter sérios problemas quando o Ministro da Defesa israelense vem morar em frente às sua plantação de limoeiros, e, de acordo com o Serviço Secreto de Israel, essa plantação oferece riscos ao ministro, já que terroristas podem usá-la para se esconderem e cometerem ataques de diversas formas. Salma, então, começa uma luta, aparentemente inglória, para permanecer com seus limoeiros, mesmo indo de encontro ao governo de Israel.




O bom do filme é que ele não se presta a muitos floreios, e, por isso mesmo, o resultado é bastante satisfatório. Não vemos em cena exagerados e forçados conflitos. Tudo é contido na medida certa, denunciando o que tem de ser denunciado, fazendo o espectador se indignar sem muito esforço. Basta ver a arrogância do Ministro da Defesa (muito bem construído pelo roteiro) em contrapartida à simplicidade de Salma, que, desesperada, encontra ajuda em Ziad Daud, um jovem advogado palestino, que, inclusive, é bem inserido na trama, e se torna uma peça primordial na luta da protagonista contra um sistema que produziu e sente medo da guerra, chegando ao ponto de enxergar o perigo em todos os lugares, até mesmo numa plantação de limões.

Por sinal, os limoeiros, na história, possuem também uma função metafórica. Representam a tradição de um passado que Salma ainda pretende preservar, já que ela não está interessada na indenização que o governo de Israel lhe oferece, e sim, em poder continuar cuidando de suas terras. Quando a plantação é cercada, vemos, em muitas cenas, vários limões caindo ao chão, o que representa outra figuração: a desilusão crescente de Salma por não estar conseguindo vencer uma batalha tão árdua, e também pode significar o passado dela indo embora para dar lugar a um novo presente.




Outra personagem otimamente construída é Mira Navon, esposa do Ministro da Defesa, e que, como o passar do tempo, nutre uma grande admiração por Salma e sua determinação em preservar seus limoeiros. Em nenhum momento, porém, as duas tem oportunidade para conversarem, apenas, olhando-se, esporadicamente, de longe. Enquanto Salma se sente cada vez mais firme em seu objetivo, Mira se sente numa prisão, uma casa extremamente protegida pelo governo, mas, sem liberdade, e ainda com um marido muito ausente e de pouco diálogo com ela. Vê em Salma, portanto, uma espécie de modela, a quem passa a admirar em segredo.

Com uma gama de personagens tão bons, e uma história verdadeiramente forte, seria até fácil a coisa descambar para o pieguismo, ou, simplesmente, para soluções fáceis. O diretor (que, inclusive, é israelense) Eran Riklis, contudo, sabe manejar muito bem um enredo que não é dos mais simples, construindo cada sequência com a paciência necessária para extrair todo o potencial dela. Exemplo disso é a relação entre Salma e Ziad, que, desde o início, percebemos que será despertada uma paixão entre dois. No entanto, não é porque, de antemão, já sabemos que será assim, que as cenas entre os dois precisariam ser mal-feitas. Ao contrário: tudo o que acontece entre os dois personagens é espontâneo e natural, nem um pouco fake.



Nisso, o filme se desenrola até um final muito bom (e condizente com a produção como um todo). Não esperem, porém, alguma grande catarse; não é essa a intenção de seus realizadores. O que se quer é mostrar um grande exemplo de resistência, que mesmo contra todos os prognósticos, continua a resistir. E, claro, iremos encontrar as óbvias críticas à guerra, mas, de maneira não tão óbvia assim. "Lemon Tree" faz, praticamente, tudo certo, e acerta nos alvos que pretende. Uma forma até simples de se fazer cinema, e, por isso mesmo, talvez a melhor. Que os pseudocults de plantão aprendam, pois, como contar uma boa história. O resto, é consequência.


Nota: 9/10.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…
Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Disco

"Shade"
2017
Artista: Living Colour


BANDA CLÁSSICA DOS ANOS 80 CONTINUA NA ATIVA, E ACABA DE LANÇAR UM DISCAÇO DE ROCK QUE VALE A PENA SER OUVIDO ATÉ O ÚLTIMO SEGUNDO
O Living Colour foi um dos melhores grupos de rock surgidos nos anos 80, e que continuaram a ter relativo sucesso no início da década de 90. Entre idas e vindas, a banda já não lançava material inédito desde 2009, com o bom "The Chair in the Doorway". Eis que, em 2017, surge "Shade", 6º álbum de estúdio deles, e que comprova que o som do Living Colour não se tornou nem um pouco datado, visto que aqui vamos encontrar todos os elementos que tornaram a banda mundialmente conhecida, e que, ao mesmo tempo, ainda soa moderno e contagiante.



"Primos" de som do Red Hot Chilli Peppers e do Faith no More, o Living Colour, ao contrário destes, continua, ainda nos dias de hoje, com uma regularidade muito bacana em sua música, mesmo depois de mais de 30 anos de carreira. Isso se deve a…