Pular para o conteúdo principal
Dica de Filme

"Lemon Tree" (2008)
Direção: Eran Riklis.


As sutilezas, geralmente, conferem ótimo cinema, apesar de pouco praticadas. E, mais geralmente ainda, arroubos narrativos, jogos histéricos de câmera e muita pseudointelectualidade resultam em filmes pedantes, aplaudidos por muitos, é verdade, mas, sem a mínima substância para classificá-los como autêntico cinema. Simplicidade não significa descuido; é apenas um dos melhores jeitos de passar uma mensagem, e mesmo assim, ter algum verniz artístico. Algumas produções falam, por exemplo, da desapropriação de terras pelo governo ou por empresas privadas, mas, provavelmente, poucas têm o impacto de "Lemon Tree".

A história, por si, já dá margem para que se desenvolva algo muito bom a partir dela. Conta as agruras de Salma Zidane, uma viúva que mora na fronteira entre Israel e Cisjordânia. Sua vida passa a ter sérios problemas quando o Ministro da Defesa israelense vem morar em frente às sua plantação de limoeiros, e, de acordo com o Serviço Secreto de Israel, essa plantação oferece riscos ao ministro, já que terroristas podem usá-la para se esconderem e cometerem ataques de diversas formas. Salma, então, começa uma luta, aparentemente inglória, para permanecer com seus limoeiros, mesmo indo de encontro ao governo de Israel.




O bom do filme é que ele não se presta a muitos floreios, e, por isso mesmo, o resultado é bastante satisfatório. Não vemos em cena exagerados e forçados conflitos. Tudo é contido na medida certa, denunciando o que tem de ser denunciado, fazendo o espectador se indignar sem muito esforço. Basta ver a arrogância do Ministro da Defesa (muito bem construído pelo roteiro) em contrapartida à simplicidade de Salma, que, desesperada, encontra ajuda em Ziad Daud, um jovem advogado palestino, que, inclusive, é bem inserido na trama, e se torna uma peça primordial na luta da protagonista contra um sistema que produziu e sente medo da guerra, chegando ao ponto de enxergar o perigo em todos os lugares, até mesmo numa plantação de limões.

Por sinal, os limoeiros, na história, possuem também uma função metafórica. Representam a tradição de um passado que Salma ainda pretende preservar, já que ela não está interessada na indenização que o governo de Israel lhe oferece, e sim, em poder continuar cuidando de suas terras. Quando a plantação é cercada, vemos, em muitas cenas, vários limões caindo ao chão, o que representa outra figuração: a desilusão crescente de Salma por não estar conseguindo vencer uma batalha tão árdua, e também pode significar o passado dela indo embora para dar lugar a um novo presente.




Outra personagem otimamente construída é Mira Navon, esposa do Ministro da Defesa, e que, como o passar do tempo, nutre uma grande admiração por Salma e sua determinação em preservar seus limoeiros. Em nenhum momento, porém, as duas tem oportunidade para conversarem, apenas, olhando-se, esporadicamente, de longe. Enquanto Salma se sente cada vez mais firme em seu objetivo, Mira se sente numa prisão, uma casa extremamente protegida pelo governo, mas, sem liberdade, e ainda com um marido muito ausente e de pouco diálogo com ela. Vê em Salma, portanto, uma espécie de modela, a quem passa a admirar em segredo.

Com uma gama de personagens tão bons, e uma história verdadeiramente forte, seria até fácil a coisa descambar para o pieguismo, ou, simplesmente, para soluções fáceis. O diretor (que, inclusive, é israelense) Eran Riklis, contudo, sabe manejar muito bem um enredo que não é dos mais simples, construindo cada sequência com a paciência necessária para extrair todo o potencial dela. Exemplo disso é a relação entre Salma e Ziad, que, desde o início, percebemos que será despertada uma paixão entre dois. No entanto, não é porque, de antemão, já sabemos que será assim, que as cenas entre os dois precisariam ser mal-feitas. Ao contrário: tudo o que acontece entre os dois personagens é espontâneo e natural, nem um pouco fake.



Nisso, o filme se desenrola até um final muito bom (e condizente com a produção como um todo). Não esperem, porém, alguma grande catarse; não é essa a intenção de seus realizadores. O que se quer é mostrar um grande exemplo de resistência, que mesmo contra todos os prognósticos, continua a resistir. E, claro, iremos encontrar as óbvias críticas à guerra, mas, de maneira não tão óbvia assim. "Lemon Tree" faz, praticamente, tudo certo, e acerta nos alvos que pretende. Uma forma até simples de se fazer cinema, e, por isso mesmo, talvez a melhor. Que os pseudocults de plantão aprendam, pois, como contar uma boa história. O resto, é consequência.


Nota: 9/10.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lista

10 Melhores Discos Nacionais de 2017 (Até Agora)


Sim, meus caros, não está nada fácil. Achar os "10 melhores discos nacionais lançados em 2017 (ate agora)" demandou bastante tempo, mesmo porque, até no meio do cenário indie, anda rolando uma certa mesmice em termos de sons e atitudes, com bandas soando rigorosamente iguais umas as outras. Está faltando identidade e carisma até na nossa música alternativa, infelizmente. Mas, lamentações à parte, esta é uma pequena lista que se propõe a ser um guia atual para quem deseja saber o que anda acontecendo de bom por aí. 
Torcer, agora, para que os próximos meses sejam mais produtivos no sentido de termos mais lançamentos bons como estes.
🎵


10°
"Feeexta"
Camarones Orquestra Guitarrística


"Canções Para Depois do Ódio"
Marcelo Yuka


"Triinca" Triinca

"Galanga Livre" Rincon Sapiência

"Vênus" Tupimasala
Debate Sócio-Político
Porto Digital Ocupado!
O número de ocupações contra a PEC 55 (que propõe, entre outras coisas, uma profunda reforma no Ensino Médio) cresce a cada dia, e apesar de algumas dificuldades, a maioria mostra que está no caminho certo. No Recife, a mais recente instituição a ser ocupada foi a Escola em Referência de Ensino Médio (o EREM), pertencente ao Porto Digital, e localizada no bairro do Recife Antigo. Tudo começou durante a manhã de quinta (17), após as aulas serem suspensas para a realização de uma assembleia. A decisão pela ocupação do prédio foi feita como forma de antecipar o pior, já que muitos temiam que a direção da escola chamasse a polícia. 
De acordo com uma das integrantes do movimento, a organização do local está sendo feita aos poucos, para que, em breve, possam acontecer eventos, como palestras, exibição de produções audiovisuais, etc. "Ainda está tudo muito recente. Pretendemos, primeiro, limpar e reformar algumas coisas aqui dentro, para depo…
Filme Mais ou Menos Recomendável

"Mulher Maravilha"
2017
Direção: Patty Jenkins


MAIS UM FILME DE SUPER-HERÓI GENÉRICO, "MULHER MARAVILHA" PECA, IRONICAMENTE, POR TER UM SUB-TEXTO MACHISTA EM SUAS ENTRELINHAS
Estamos diante de mais um filme de super-heróis, mais um do universo expandido da DC Comics no cinema, mais um com a enorme responsabilidade de entregar um material minimamente interessante, ao contrários dos pífios "Batman vs Superman" e "Esquadrão Suicida", sem dúvida, os dois piores filmes do gênero desses últimos anos, ao lado de "Quarteto Fantástico". Ou seja, "Mulher Maravilha" chega com uma tremenda carga a ser superada. A pergunta é: conseguiu cumprir a sua missão? Bem, digamos que sim e não. Ao mesmo tempo em que o filme acerta em alguns pontos que ficaram devendo em produções anteriores, ele também erra ao repetir alguns dos erros mais corriqueiros de longas do gênero, com um agravante que pode até causar certa polê…