Pular para o conteúdo principal
Dica de Filme

"Born to be Blue" (2015)
Direção: Robert Budreau.


Cinebiografias são sempre um terreno muito nebuloso. Ou, elas são esquemáticas, e, por isso, pouco interessantes (a não ser para os fãs do biografado, ou elas são mais ou menos arrojadas em sua proposta, tirando o gênero do lugar comum. "Born to be Blue", baseada na vida e obra do grande trompetista Chet Baker, consegue fluir pelas qualidades de ambas as vertentes. Mesmo não investindo no óbvio, consegue retratar momentos importantes da vida de Baker de uma maneira competente, mas, sem soar tão clichê.

Muito contribuiu a forma como o filme começa, em preto e branco, mostrando um pequeno recorte da vida de Baker, para depois descobrirmos que aquelas sequências estavam sendo encenadas para um filme sobre a vida dele, e a produção passa a mostrar os "momentos reais" em cores. Um artifício muito bom, visto que, ao longo do filme, ele voltará a ser utilizado, mas, para compor as lembranças do trompetista, que passou boa parte da vida lutando contra o vício da heroína. É quando conhece Jane, uma atriz que estava participando de seu filme, e os dos passam a ter um romance, o que faz com Baker fique "limpo" por algum tempo.




Mas, como o próprio título da produção deixa a entender ("Nascido pra ser Triste"), Baker sempre se via às voltas com suas inquietações, com as pressões sociais, com o desdém dos pais, e com a "obrigatoriedade" de continua sendo um dos melhores trompetistas de sua geração. À primeira vista, alguém apenas vaidoso. Mas, com o passar do tempo, passamos a perceber um Chet Baker doce, sentimental, apenas querendo poder fazer aquilo que gosta: tocar. Mesmo gostando dele, Jane e seu empresário Dick não conseguem compreendê-lo, e o sofrimento, como toda boa canção de jazz, acaba sendo inevitável.

Mesmo não expondo muito do passado do protagonista, e já o mostrando na fase adulta, o roteiro consegue construir, na nossa mente, uma imagem de Baker que, talvez, seja, de fato, aquilo que ele foi. Com ritmo e feeling, o estreante diretor Robert Budreau consegue não só fazer uma bela cinebiografia de um dos maiores gênios da música do século 20, como também um bom drama a respeito de alguém que, simplesmente, não consegue se adequar aos padrões que lhe são impostos, como ter um emprego fixo, por exemplo, já que na época retratada no filme, Baker estava na condicional.




Por ser uma cinebiografia calcada no mundo da música, "Born to be Blue" também nos presenteia com momentos marcantes ao som de jazz. Até os ensaios de Chet Baker são emocionantes, provando que ele realmente levava a música a outros patamares. E, pra quem gosta do estilo, algumas figuras carimbadas dão as caras, como Dizzy Gillespie e Miles Davis, muito bem retratados, principalmente, devido à rivalidade que este último nutria com Baker, e vice-e-versa. Um período, por sinal, em que as rivalidades impunham ao artista se superar cada vez mais. Bons tempos.

E, claro, nada disso surtiria efeito se o elenco não fosse competente o suficiente. Callum Keith Rennie (como Dick) e Carmen Ejogo (como Jane) nos entregam atuações muito firmes, e como eles são os pilares de sustentação de Chet Baker em muitos momentos, suas ótimas performances ficam ainda mais evidentes. Mas, o filme é mesmo de Ethan Hawke, que, aqui, tem uma atuação além de qualquer expectativa, fazendo deste, talvez, o seu melhor trabalho no cinema. Toda a tristeza e angústia do personagem são canalizados em pequenos gestos, e, com um único olhar, temos certeza: ali é Chet Baker!




Apesar de alguns escorregões em sua condução (como certas cenas que mais parecem alguma vídeo motivacional - vício eterno de Hollywood), "Born to be Blue" é uma cinebiografia de respeito, ao nível de um "Ray", por exemplo, e que, mais uma vez, mostra como a música é bela quando a arte sangra. Apesar de tudo e de todos, Baker viveu como quis, e pagou seu preço. Quis que fosse assim. E, de uma certa maneira, ele estava certo.


Nota: 8,5/10.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Debate Sócio-Político
Porto Digital Ocupado!
O número de ocupações contra a PEC 55 (que propõe, entre outras coisas, uma profunda reforma no Ensino Médio) cresce a cada dia, e apesar de algumas dificuldades, a maioria mostra que está no caminho certo. No Recife, a mais recente instituição a ser ocupada foi a Escola em Referência de Ensino Médio (o EREM), pertencente ao Porto Digital, e localizada no bairro do Recife Antigo. Tudo começou durante a manhã de quinta (17), após as aulas serem suspensas para a realização de uma assembleia. A decisão pela ocupação do prédio foi feita como forma de antecipar o pior, já que muitos temiam que a direção da escola chamasse a polícia. 
De acordo com uma das integrantes do movimento, a organização do local está sendo feita aos poucos, para que, em breve, possam acontecer eventos, como palestras, exibição de produções audiovisuais, etc. "Ainda está tudo muito recente. Pretendemos, primeiro, limpar e reformar algumas coisas aqui dentro, para depo…
Lista

10 Melhores Discos Nacionais de 2017 (Até Agora)


Sim, meus caros, não está nada fácil. Achar os "10 melhores discos nacionais lançados em 2017 (ate agora)" demandou bastante tempo, mesmo porque, até no meio do cenário indie, anda rolando uma certa mesmice em termos de sons e atitudes, com bandas soando rigorosamente iguais umas as outras. Está faltando identidade e carisma até na nossa música alternativa, infelizmente. Mas, lamentações à parte, esta é uma pequena lista que se propõe a ser um guia atual para quem deseja saber o que anda acontecendo de bom por aí. 
Torcer, agora, para que os próximos meses sejam mais produtivos no sentido de termos mais lançamentos bons como estes.
🎵


10°
"Feeexta"
Camarones Orquestra Guitarrística


"Canções Para Depois do Ódio"
Marcelo Yuka


"Triinca" Triinca

"Galanga Livre" Rincon Sapiência

"Vênus" Tupimasala
Dica Cultural

Festival MIMO 2016
Programação Olinda


MIMO significa Mostra Internacional de Música em Olinda. E, também resistência de arte da melhor qualidade. Nasceu em 2004, na cidade pernambucana que leva seu nome, e que hoje é patrimônio histórico da humanidade. O que não significa que o festival não ocorra em outros lugares, como vem acontecendo há alguns anos. Este ano, por exemplo, em sua 13ª edição, a MIMO já desembarcou em Portugal, e nas cidades brasileiras de Ouro Preto, Tiradentes, Paraty e, nos próximos dias, no Rio de Janeiro. E, claro, haverá espaço para sua cidade natal, Olinda, que irá abarcar inúmeras atrações de peso entre os dias 18 e 20 de novembro próximos.
A seguir, a programação completa da MIMO em Olinda.


CONCERTOS

18 Novembro / Sexta-Feira

Zeca Baleiro - Violoncelo e Piano
18h - Mosteiro de São Bento / Palco Se Ligaê

João Fênix
19h - Igreja do Carmo

João Bosco & Hamilton d Holanda
19h30 - Mosteiro de São Bento / Palco Se Ligaê

Mário Laginha & Pedro Burmes…