Pular para o conteúdo principal
Dica de Documentário

"O Ódio na Internet" (2014)
Direção: Rokhaya Diallo e Mélanie Gallard.


Infelizmente, nos últimos tempos, a Internet vem se transformado numa plataforma muito eficiente para disseminar o ódio e a intolerância. Uma das vítimas dessa recente "modalidade" na Rede foi a jornalista francesa Rokkaya Diallo. Muito ativa nas redes sociais, ela sempre expôs muito de sua opinião nelas, e isso sempre gerava discursos enraivecidos contra sua pessoa. A gota d'água foi quando recebeu, via Twitter, uma ameaça de estupro: "Alguém tem que estuprar a idiota da Rokhaya. Assim, o racismo acaba." Em ataques anteriores, Rokhaya ignorou as ofensas. Desta vez, no entanto, decidiu revidar, e foi daí que surgiu a ideia deste documentário.

Primeiro, procurou um advogado para saber que atitude tomar. Surpresa, viu que os trâmites para se denunciar um crime virtual é mais complicado do que se imagina, principalmente, devido à empresa que controla determinada plataforma na Rede (nesse caso, o Twitter), que usa de suas políticas de liberdade de expressão para não divulgar a identidade dos usuários que disseminam discurso de ódio na Internet. Em paralelo à sua busca por justiça, Rakhaya encontra outras pessoas, sejam anônimas, sejam celebridades, que também forma vítimas desse tipo de discurso.



Um dos casos mais emblemáticos é da jovem Marlard, que, viciada em games e toda a cultura geek, de uma forma geral, viu sua vida virar do avesso quando publicou um artigo a respeito do machismo no mundo dos videogames, criticando o sexismo, a violência misógina e a dificuldade das mulheres serem aceitas nesse meio. Houveram respostas positivas ao texto dela, mas, as reações negativas não poderiam ter sido mais estúpidas: "Vamos enfiar um pepino na bunda dela!", "Por mim, essas vadias já teriam sido esterilizadas!", "Feministas idiotas. Sempre acham defeito nas coisas!", "É solteira, lésbica e feia, mas, não precisa encher o nosso saco!", "Vou comer a bunda dela com uma furadeira!"

Para o sociólogo e especialista em Internet, Dominique Cardon, também entrevistado nesse documentário, "o que aconteceu com a Internet foi que modificamos as regras de expressão pública, autorizamos o relaxamento delas e permitimos o anonimato, que é uma das condições da desinibição das pessoas. Isso permite que elas se aproveitem do véu do anonimato para dizer xingamentos, frases racistas, antissemitas e delirantes de todo o tipo". Marlard também diz o seguinte: "É difícil explicar pra quem não vivei isso. Como é permanente e massivo. Sempre de pessoas diferentes. Parece um jogo, mas, o objetivo é calar você."



O documentário também aproveita a oportunidade para expôr como as autoridades de lá estão reagindo a essa questão, mostrando uma agência do governo francês que investiga esses casos, e também como alguns setores da mídia estão combatendo o discurso de ódio que, quase sempre, aparece em suas plataformas virtuais. Outro caso de destaque de ódio na Internet retratado aqui é o que sofreu Claude Mathieu, que cuida de um filho com necessidades especiais, e resolveu publicar seu dia a dia nas redes sociais. Não demorou muito para que Mathieu recebesse mensagens absurdas, como: "Tudo o que é raro é caro. Vocês têm sorte. Ele deve valer uma fortuna em sites pedófilos!", "Quero que ele morra! A mãe é árabe, o pai é gordo e ele é deficiente. A temporada de caça ao lixo da sociedade está aberta!", e por aí vai.

Bom lembrar que, até pela França ter enfrentado protestos a respeito de imigrações recentes no país por parte de setores da extrema-direita, muito desse discurso de ódio tem como base a xenofobia. E, não à toa, de acordo com dados levantados pela equipe do documentário, os franceses respondem por 87% das reclamações desse tipo de crime do Twitter, sendo que o país possui menos de 1% da população mundial. Cabe, portanto, aprofundar-se melhor se, na verdade, a França é a nação que mais sofre com esse tipo de ataque, ou se é a população que é mais consciente, e denuncia mais, mesmo não obtendo os resultados desejados.



E, falando em resultado, ao final do documentário, Rakhaya, finalmente, encontra alguma forma de justiça, mas, reconhece que é uma privilegiada nesse sistema e que a justiça, realmente, não atingirá a todos. Questiona, pertinentemente, o que é ideal para impedir tanto ódio disseminado na Internet. Reconhece, por exemplo, que só proibir essas mensagens na Rede não adianta. É, então, que vem talvez aquela que seja a resposta mais adequada, de um dos entrevistados: "Acho que precisamos usar de forma mais razoável as vias legais. Não é só nos tribunais e nas prisões que podemos combater o ódio e a intolerância. O verdadeiro trabalho é exercer a pedagogia, explicar, lembrar a História, É pelo discurso que podemos mudar mentes."


Link para fazer o download do documentário legendado em português, via Torrent:


Nota: 8/10.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…
Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Disco

"Shade"
2017
Artista: Living Colour


BANDA CLÁSSICA DOS ANOS 80 CONTINUA NA ATIVA, E ACABA DE LANÇAR UM DISCAÇO DE ROCK QUE VALE A PENA SER OUVIDO ATÉ O ÚLTIMO SEGUNDO
O Living Colour foi um dos melhores grupos de rock surgidos nos anos 80, e que continuaram a ter relativo sucesso no início da década de 90. Entre idas e vindas, a banda já não lançava material inédito desde 2009, com o bom "The Chair in the Doorway". Eis que, em 2017, surge "Shade", 6º álbum de estúdio deles, e que comprova que o som do Living Colour não se tornou nem um pouco datado, visto que aqui vamos encontrar todos os elementos que tornaram a banda mundialmente conhecida, e que, ao mesmo tempo, ainda soa moderno e contagiante.



"Primos" de som do Red Hot Chilli Peppers e do Faith no More, o Living Colour, ao contrário destes, continua, ainda nos dias de hoje, com uma regularidade muito bacana em sua música, mesmo depois de mais de 30 anos de carreira. Isso se deve a…