Pular para o conteúdo principal
Dica de Documentário

"O Ódio na Internet" (2014)
Direção: Rokhaya Diallo e Mélanie Gallard.


Infelizmente, nos últimos tempos, a Internet vem se transformado numa plataforma muito eficiente para disseminar o ódio e a intolerância. Uma das vítimas dessa recente "modalidade" na Rede foi a jornalista francesa Rokkaya Diallo. Muito ativa nas redes sociais, ela sempre expôs muito de sua opinião nelas, e isso sempre gerava discursos enraivecidos contra sua pessoa. A gota d'água foi quando recebeu, via Twitter, uma ameaça de estupro: "Alguém tem que estuprar a idiota da Rokhaya. Assim, o racismo acaba." Em ataques anteriores, Rokhaya ignorou as ofensas. Desta vez, no entanto, decidiu revidar, e foi daí que surgiu a ideia deste documentário.

Primeiro, procurou um advogado para saber que atitude tomar. Surpresa, viu que os trâmites para se denunciar um crime virtual é mais complicado do que se imagina, principalmente, devido à empresa que controla determinada plataforma na Rede (nesse caso, o Twitter), que usa de suas políticas de liberdade de expressão para não divulgar a identidade dos usuários que disseminam discurso de ódio na Internet. Em paralelo à sua busca por justiça, Rakhaya encontra outras pessoas, sejam anônimas, sejam celebridades, que também forma vítimas desse tipo de discurso.



Um dos casos mais emblemáticos é da jovem Marlard, que, viciada em games e toda a cultura geek, de uma forma geral, viu sua vida virar do avesso quando publicou um artigo a respeito do machismo no mundo dos videogames, criticando o sexismo, a violência misógina e a dificuldade das mulheres serem aceitas nesse meio. Houveram respostas positivas ao texto dela, mas, as reações negativas não poderiam ter sido mais estúpidas: "Vamos enfiar um pepino na bunda dela!", "Por mim, essas vadias já teriam sido esterilizadas!", "Feministas idiotas. Sempre acham defeito nas coisas!", "É solteira, lésbica e feia, mas, não precisa encher o nosso saco!", "Vou comer a bunda dela com uma furadeira!"

Para o sociólogo e especialista em Internet, Dominique Cardon, também entrevistado nesse documentário, "o que aconteceu com a Internet foi que modificamos as regras de expressão pública, autorizamos o relaxamento delas e permitimos o anonimato, que é uma das condições da desinibição das pessoas. Isso permite que elas se aproveitem do véu do anonimato para dizer xingamentos, frases racistas, antissemitas e delirantes de todo o tipo". Marlard também diz o seguinte: "É difícil explicar pra quem não vivei isso. Como é permanente e massivo. Sempre de pessoas diferentes. Parece um jogo, mas, o objetivo é calar você."



O documentário também aproveita a oportunidade para expôr como as autoridades de lá estão reagindo a essa questão, mostrando uma agência do governo francês que investiga esses casos, e também como alguns setores da mídia estão combatendo o discurso de ódio que, quase sempre, aparece em suas plataformas virtuais. Outro caso de destaque de ódio na Internet retratado aqui é o que sofreu Claude Mathieu, que cuida de um filho com necessidades especiais, e resolveu publicar seu dia a dia nas redes sociais. Não demorou muito para que Mathieu recebesse mensagens absurdas, como: "Tudo o que é raro é caro. Vocês têm sorte. Ele deve valer uma fortuna em sites pedófilos!", "Quero que ele morra! A mãe é árabe, o pai é gordo e ele é deficiente. A temporada de caça ao lixo da sociedade está aberta!", e por aí vai.

Bom lembrar que, até pela França ter enfrentado protestos a respeito de imigrações recentes no país por parte de setores da extrema-direita, muito desse discurso de ódio tem como base a xenofobia. E, não à toa, de acordo com dados levantados pela equipe do documentário, os franceses respondem por 87% das reclamações desse tipo de crime do Twitter, sendo que o país possui menos de 1% da população mundial. Cabe, portanto, aprofundar-se melhor se, na verdade, a França é a nação que mais sofre com esse tipo de ataque, ou se é a população que é mais consciente, e denuncia mais, mesmo não obtendo os resultados desejados.



E, falando em resultado, ao final do documentário, Rakhaya, finalmente, encontra alguma forma de justiça, mas, reconhece que é uma privilegiada nesse sistema e que a justiça, realmente, não atingirá a todos. Questiona, pertinentemente, o que é ideal para impedir tanto ódio disseminado na Internet. Reconhece, por exemplo, que só proibir essas mensagens na Rede não adianta. É, então, que vem talvez aquela que seja a resposta mais adequada, de um dos entrevistados: "Acho que precisamos usar de forma mais razoável as vias legais. Não é só nos tribunais e nas prisões que podemos combater o ódio e a intolerância. O verdadeiro trabalho é exercer a pedagogia, explicar, lembrar a História, É pelo discurso que podemos mudar mentes."


Link para fazer o download do documentário legendado em português, via Torrent:


Nota: 8/10.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lista

10 Melhores Discos Nacionais de 2017 (Até Agora)


Sim, meus caros, não está nada fácil. Achar os "10 melhores discos nacionais lançados em 2017 (ate agora)" demandou bastante tempo, mesmo porque, até no meio do cenário indie, anda rolando uma certa mesmice em termos de sons e atitudes, com bandas soando rigorosamente iguais umas as outras. Está faltando identidade e carisma até na nossa música alternativa, infelizmente. Mas, lamentações à parte, esta é uma pequena lista que se propõe a ser um guia atual para quem deseja saber o que anda acontecendo de bom por aí. 
Torcer, agora, para que os próximos meses sejam mais produtivos no sentido de termos mais lançamentos bons como estes.
🎵


10°
"Feeexta"
Camarones Orquestra Guitarrística


"Canções Para Depois do Ódio"
Marcelo Yuka


"Triinca" Triinca

"Galanga Livre" Rincon Sapiência

"Vênus" Tupimasala
Debate Sócio-Político
Porto Digital Ocupado!
O número de ocupações contra a PEC 55 (que propõe, entre outras coisas, uma profunda reforma no Ensino Médio) cresce a cada dia, e apesar de algumas dificuldades, a maioria mostra que está no caminho certo. No Recife, a mais recente instituição a ser ocupada foi a Escola em Referência de Ensino Médio (o EREM), pertencente ao Porto Digital, e localizada no bairro do Recife Antigo. Tudo começou durante a manhã de quinta (17), após as aulas serem suspensas para a realização de uma assembleia. A decisão pela ocupação do prédio foi feita como forma de antecipar o pior, já que muitos temiam que a direção da escola chamasse a polícia. 
De acordo com uma das integrantes do movimento, a organização do local está sendo feita aos poucos, para que, em breve, possam acontecer eventos, como palestras, exibição de produções audiovisuais, etc. "Ainda está tudo muito recente. Pretendemos, primeiro, limpar e reformar algumas coisas aqui dentro, para depo…
Filme Mais ou Menos Recomendável

"Mulher Maravilha"
2017
Direção: Patty Jenkins


MAIS UM FILME DE SUPER-HERÓI GENÉRICO, "MULHER MARAVILHA" PECA, IRONICAMENTE, POR TER UM SUB-TEXTO MACHISTA EM SUAS ENTRELINHAS
Estamos diante de mais um filme de super-heróis, mais um do universo expandido da DC Comics no cinema, mais um com a enorme responsabilidade de entregar um material minimamente interessante, ao contrários dos pífios "Batman vs Superman" e "Esquadrão Suicida", sem dúvida, os dois piores filmes do gênero desses últimos anos, ao lado de "Quarteto Fantástico". Ou seja, "Mulher Maravilha" chega com uma tremenda carga a ser superada. A pergunta é: conseguiu cumprir a sua missão? Bem, digamos que sim e não. Ao mesmo tempo em que o filme acerta em alguns pontos que ficaram devendo em produções anteriores, ele também erra ao repetir alguns dos erros mais corriqueiros de longas do gênero, com um agravante que pode até causar certa polê…