Pular para o conteúdo principal
Dica de Filme

"O Direito do Mais Forte é a Liberdade" (1974)
Direção: Rainer Werner Fassbinder.


Há filmes, que pela sua premissa, poderiam ser uma coisa, mas, devido ao talento de seus realizadores, acabam sendo outra completamente diferente. No caso de Fassbinder, conhecido por suas obras bastante autorais, e um tanto peculiares, a história de um rapaz meio ignorante, que trabalha num circo, e depois de ganhar na loteria, envolve-se com um homem da alta classe média, que só faz lhe explorar, acaba servindo para o cineasta discorrer sobre a hipocrisia de uma burguesia arrogante. E, tudo tratado com uma maneira de filma diferenciada.

Antes de mais nada, conhecemos Franz, que trabalha com seu amigo, sendo uma "atração de circo", chamado apenas de "Fox, a Cabeça Falante". Depois que seu companheiro de trabalho é preso por sonegação de impostos, Franz, desempregado, conhece Max, por quem se envolve amorosamente, e passa a frequentar a alta roda da sociedade. Nesse meio tempo, ele ganha na loteria, mas, desde o início, percebe-se que ele não é cuidadoso com dinheiro, principalmente, depois que conhece Eugen, e passa a ter um romance com ele, aonde explorações e humilhações serão frequentes.  




O interessante é que, pra época, Fassbinder lida com a questão da homossexualidade com muita naturalidade. Nenhuma "bandeira" é levantada aqui, nesse sentido. As relações homoafetivas são retratadas como corriqueiras, e até os pais dos personagens principais tratam a questão de maneira tranquila. Na verdade, se existe algum preconceito retratado no filme é o de classes. A todo momento, Franz é lembrado por seu namorado que é bruto e ignorante, não tem cultura, nem vasto conhecimento, e que se quiser continuar entre a burguesia, precisará aprender boas maneiras.

Essa ótica do roteiro em retratar um preconceito em detrimento de outro é acertadíssima, pois, expõe, naturalmente, que até entre pessoas que sofrem da sociedade alguma forma de intolerância, também se mostram intolerantes em outros aspectos, não amenizando a crítica para nenhum lado. Chega a ser incômodo a forma como Franz é tratado em alguns momentos; uma pessoa muito ingênua, que está tão somente apaixonada, e, cujo destino pode ser uma queda sem precedentes. Nesse sentido, a produção, em alguns momentos, é dura, quase cruel.




O roteiro, ao longo do filme, também vai tratando de outros assuntos mais subjetivos, como a futilidade e a desesperança diante de mundo que você sabe que vai sempre lhe explorar, independente do que você faça. Nesse sentido, é muito emblemática a cena de uma festa, em que a irmã de Franz, bêbada, arma um escândalo, e fala verdades nuas e cruas para todos. É como uma válvula de escape, que funciona como nossa representação, aquilo que queríamos dizer, preso na garganta, mas, não conseguimos. O próprio Franz também tem esse momento de desabafo já no final da produção.

Não esperem um filme convencional. Tudo é filmado para dar a sensação de estranhamento, de incômodo, como se aquele ambiente da alta sociedade tivesse que ser desagradável tanto pra Franz, quanto pra nós, espectadores. Os atores que interpretam os personagens (incluindo o próprio Fassbinder, que faz o protagonista) também não são estereotipados, com a aparência diferenciada daquela que teríamos em mente de um empresário ou de alguém pertencente ao proletariado. Essa forma de subversão é ótima, pois, força quem assiste a questionar até mesmo seus preconceitos




Sendo um filme difícil de definir, mas, muito interessante em sua realização, "O Direito do Mias Forte é a Liberdade", questiona pontos do nosso preconceito, que até hoje fazem parte de nosso cotidiano. Com um desfecho triste, mas, necessário, o longa coloca o dedo na ferida a respeito de nossa incapacidade de altruísmo e da angústia de percebemos que podemos estar sozinhos em nossa dor. Um belo retrato de uma sociedade cada vez mais decadente.


Nota: 8,5/10.  

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lista

10 Melhores Discos Nacionais de 2017 (Até Agora)


Sim, meus caros, não está nada fácil. Achar os "10 melhores discos nacionais lançados em 2017 (ate agora)" demandou bastante tempo, mesmo porque, até no meio do cenário indie, anda rolando uma certa mesmice em termos de sons e atitudes, com bandas soando rigorosamente iguais umas as outras. Está faltando identidade e carisma até na nossa música alternativa, infelizmente. Mas, lamentações à parte, esta é uma pequena lista que se propõe a ser um guia atual para quem deseja saber o que anda acontecendo de bom por aí. 
Torcer, agora, para que os próximos meses sejam mais produtivos no sentido de termos mais lançamentos bons como estes.
🎵


10°
"Feeexta"
Camarones Orquestra Guitarrística


"Canções Para Depois do Ódio"
Marcelo Yuka


"Triinca" Triinca

"Galanga Livre" Rincon Sapiência

"Vênus" Tupimasala
Debate Sócio-Político
Porto Digital Ocupado!
O número de ocupações contra a PEC 55 (que propõe, entre outras coisas, uma profunda reforma no Ensino Médio) cresce a cada dia, e apesar de algumas dificuldades, a maioria mostra que está no caminho certo. No Recife, a mais recente instituição a ser ocupada foi a Escola em Referência de Ensino Médio (o EREM), pertencente ao Porto Digital, e localizada no bairro do Recife Antigo. Tudo começou durante a manhã de quinta (17), após as aulas serem suspensas para a realização de uma assembleia. A decisão pela ocupação do prédio foi feita como forma de antecipar o pior, já que muitos temiam que a direção da escola chamasse a polícia. 
De acordo com uma das integrantes do movimento, a organização do local está sendo feita aos poucos, para que, em breve, possam acontecer eventos, como palestras, exibição de produções audiovisuais, etc. "Ainda está tudo muito recente. Pretendemos, primeiro, limpar e reformar algumas coisas aqui dentro, para depo…
Filme Mais ou Menos Recomendável

"Mulher Maravilha"
2017
Direção: Patty Jenkins


MAIS UM FILME DE SUPER-HERÓI GENÉRICO, "MULHER MARAVILHA" PECA, IRONICAMENTE, POR TER UM SUB-TEXTO MACHISTA EM SUAS ENTRELINHAS
Estamos diante de mais um filme de super-heróis, mais um do universo expandido da DC Comics no cinema, mais um com a enorme responsabilidade de entregar um material minimamente interessante, ao contrários dos pífios "Batman vs Superman" e "Esquadrão Suicida", sem dúvida, os dois piores filmes do gênero desses últimos anos, ao lado de "Quarteto Fantástico". Ou seja, "Mulher Maravilha" chega com uma tremenda carga a ser superada. A pergunta é: conseguiu cumprir a sua missão? Bem, digamos que sim e não. Ao mesmo tempo em que o filme acerta em alguns pontos que ficaram devendo em produções anteriores, ele também erra ao repetir alguns dos erros mais corriqueiros de longas do gênero, com um agravante que pode até causar certa polê…