Pular para o conteúdo principal
Dica de Filme

"O Direito do Mais Forte é a Liberdade" (1974)
Direção: Rainer Werner Fassbinder.


Há filmes, que pela sua premissa, poderiam ser uma coisa, mas, devido ao talento de seus realizadores, acabam sendo outra completamente diferente. No caso de Fassbinder, conhecido por suas obras bastante autorais, e um tanto peculiares, a história de um rapaz meio ignorante, que trabalha num circo, e depois de ganhar na loteria, envolve-se com um homem da alta classe média, que só faz lhe explorar, acaba servindo para o cineasta discorrer sobre a hipocrisia de uma burguesia arrogante. E, tudo tratado com uma maneira de filma diferenciada.

Antes de mais nada, conhecemos Franz, que trabalha com seu amigo, sendo uma "atração de circo", chamado apenas de "Fox, a Cabeça Falante". Depois que seu companheiro de trabalho é preso por sonegação de impostos, Franz, desempregado, conhece Max, por quem se envolve amorosamente, e passa a frequentar a alta roda da sociedade. Nesse meio tempo, ele ganha na loteria, mas, desde o início, percebe-se que ele não é cuidadoso com dinheiro, principalmente, depois que conhece Eugen, e passa a ter um romance com ele, aonde explorações e humilhações serão frequentes.  




O interessante é que, pra época, Fassbinder lida com a questão da homossexualidade com muita naturalidade. Nenhuma "bandeira" é levantada aqui, nesse sentido. As relações homoafetivas são retratadas como corriqueiras, e até os pais dos personagens principais tratam a questão de maneira tranquila. Na verdade, se existe algum preconceito retratado no filme é o de classes. A todo momento, Franz é lembrado por seu namorado que é bruto e ignorante, não tem cultura, nem vasto conhecimento, e que se quiser continuar entre a burguesia, precisará aprender boas maneiras.

Essa ótica do roteiro em retratar um preconceito em detrimento de outro é acertadíssima, pois, expõe, naturalmente, que até entre pessoas que sofrem da sociedade alguma forma de intolerância, também se mostram intolerantes em outros aspectos, não amenizando a crítica para nenhum lado. Chega a ser incômodo a forma como Franz é tratado em alguns momentos; uma pessoa muito ingênua, que está tão somente apaixonada, e, cujo destino pode ser uma queda sem precedentes. Nesse sentido, a produção, em alguns momentos, é dura, quase cruel.




O roteiro, ao longo do filme, também vai tratando de outros assuntos mais subjetivos, como a futilidade e a desesperança diante de mundo que você sabe que vai sempre lhe explorar, independente do que você faça. Nesse sentido, é muito emblemática a cena de uma festa, em que a irmã de Franz, bêbada, arma um escândalo, e fala verdades nuas e cruas para todos. É como uma válvula de escape, que funciona como nossa representação, aquilo que queríamos dizer, preso na garganta, mas, não conseguimos. O próprio Franz também tem esse momento de desabafo já no final da produção.

Não esperem um filme convencional. Tudo é filmado para dar a sensação de estranhamento, de incômodo, como se aquele ambiente da alta sociedade tivesse que ser desagradável tanto pra Franz, quanto pra nós, espectadores. Os atores que interpretam os personagens (incluindo o próprio Fassbinder, que faz o protagonista) também não são estereotipados, com a aparência diferenciada daquela que teríamos em mente de um empresário ou de alguém pertencente ao proletariado. Essa forma de subversão é ótima, pois, força quem assiste a questionar até mesmo seus preconceitos




Sendo um filme difícil de definir, mas, muito interessante em sua realização, "O Direito do Mias Forte é a Liberdade", questiona pontos do nosso preconceito, que até hoje fazem parte de nosso cotidiano. Com um desfecho triste, mas, necessário, o longa coloca o dedo na ferida a respeito de nossa incapacidade de altruísmo e da angústia de percebemos que podemos estar sozinhos em nossa dor. Um belo retrato de uma sociedade cada vez mais decadente.


Nota: 8,5/10.  

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…
Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Disco

"Shade"
2017
Artista: Living Colour


BANDA CLÁSSICA DOS ANOS 80 CONTINUA NA ATIVA, E ACABA DE LANÇAR UM DISCAÇO DE ROCK QUE VALE A PENA SER OUVIDO ATÉ O ÚLTIMO SEGUNDO
O Living Colour foi um dos melhores grupos de rock surgidos nos anos 80, e que continuaram a ter relativo sucesso no início da década de 90. Entre idas e vindas, a banda já não lançava material inédito desde 2009, com o bom "The Chair in the Doorway". Eis que, em 2017, surge "Shade", 6º álbum de estúdio deles, e que comprova que o som do Living Colour não se tornou nem um pouco datado, visto que aqui vamos encontrar todos os elementos que tornaram a banda mundialmente conhecida, e que, ao mesmo tempo, ainda soa moderno e contagiante.



"Primos" de som do Red Hot Chilli Peppers e do Faith no More, o Living Colour, ao contrário destes, continua, ainda nos dias de hoje, com uma regularidade muito bacana em sua música, mesmo depois de mais de 30 anos de carreira. Isso se deve a…