Pular para o conteúdo principal
Dica de Filme

"Ave, César" (2016)
Direção: Joel e Ethan Coen

Quanto mais o tempo passa, mais fica a impressão de que o cinema norte-americano perdeu a capacidade de fazer boas comédias. Reparem: 95% das que surgem, anualmente, são tão apelativas, que constrangem mais do que fazem rir. Geralmente, são produções com piadas de mau gosto, palavrões e todo o tipo de escatologia. Fica cada vez mais difícil encontrar um roteiro inteligente, que saia do lugar comum, e, ao mesmo tempo, seja realmente engraçado, como uma comédia tem que ser. "Ave, César", mais recente filme dos irmãos Coen, é essa exceção, a chamada gota no oceano.

E, percebam que, pra isso, nem precisaram muito. A história, em si, aparenta não ter grandes atrativos ou mesmo novidades. Estamos na Hollywood dos anos 50, e nela, conhecemos Edward Mannix, que tem um serviço um tanto inusitado na Capitol Pictures, estúdio do qual trabalha: proteger suas estrela de cinema de grandes escândalos e polêmicas. Eis que o astro Baird Whitlock, que está filmando uma das mais ambiciosa produções do estúdio ("Ave, César"), é sequestrado por (acreditem!) comunistas, fazendo com que Mannix passe um verdadeiro dia de cão para tentar encontrar Whitlock, e salvar a todos de um escândalo de grandes proporções.




São as situações geradas a partir desse roteiro meio nonsense que residem os grandes momentos de "Ave, César". Por exemplo: as interações de Whitlock com os seus sequestradores são hilárias, fazendo delas as melhores partes do longa. Ajuda muito George Clooney, que interpreta o ator sequestrado, estar aqui com um feeling cômico perfeito, arrancando boas risadas só com suas caras e bocas. Outros momentos de destaque envolvem o ator canastrão Hobbie Doyle. Sua tentativa de interpretação no filme do perfeccionista diretor Laurence Laurentz é de dar altas gargalhadas. E, mais uma vez, ponto pros atores Alden Ehrenreich e Ralph Fiennes, ótimos em seus personagens.

Mas, o filme tem mesmo como personagem principal Edward Mannix (interpretado de forma convincente por Josh Brolin), e suas tentativas de tentar domar o ego de grandes estrelas de cinema e, ao mesmo tempo, abafar todo e qualquer caso que possa gerar polêmica para o seu estúdio. Num dos arcos da história, só pra exemplificar, ele tenta de todas as formas esconder a gravidez da atriz DeeAnna Moran, já que ela é solteira. A forma encontrada para esconder esse fato é absurda, mas, não tão distante assim da realidade, o que também mostra a preocupação dos Coen em escreverem bem as críticas que querem passar em seus sub-textos.




E, claro, para uma produção com esses temas, "Ave, César" presta ótimas homenagens ao cinema, em especial, à era de ouro dos musicais, Um deles, em particular, é de cair o queixo: música, coreografia, jogo de câmeras, tudo sincronizado para proporcionar uma sequência fascinante para os amantes da sétima arte. Sem contar que os diálogos afiados (característica sempre marcante nos trabalhos dos irmãos Coen) estão lá, ora proporcionando uma cena meramente (mas, muito) engraçada, ora fazendo críticas bem sarcásticas ao cinema em si, à política, à religião, e também à mídia. Num determinado momento Mannix diz a uma repórter sensacionalista: "O público não quer a verdade; quer a sensação de saber a verdade, e só."

No entanto, mesmo com tão boas qualidades, o filme perde fôlego no seu ato final, quando deixa a comédia um pouco de lado, para apostar em algo mais intimista, mais precisamente às inquietações de Mannix do que as desventuras de Whitlock, o que torna a narrativa um pouco arrastada. Não compromete pelo todo, mas, se mantivesse o mesmo ritmo, teríamos uma das melhores comédias dos últimos tempos, e um dos melhores trabalhos dos Coen. Infelizmente, não é essa a sensação que temos ao término da produção.




Mesmo assim, "Ave, César" é um filme bastante competente, divertido, espirituoso, e (melhor de tudo) é uma comédia engraçada de verdade, sem apelações ou baixarias. E, ainda nos brinda com um texto inteligente, que questiona assuntos abordados até hoje, não polpando críticas a diversos setores do cinema. Num tempo em que os filmes hollywoodianos estão tão fracos, assistir à mais nova empreitada dos irmãos Coen pode não ser a melhor coisa dos últimos tempos, mas, ainda consegue ser um bálsamo, um alívio em meio a tanta mediocridade.


Nota: 8/10.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…
Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Disco

"Shade"
2017
Artista: Living Colour


BANDA CLÁSSICA DOS ANOS 80 CONTINUA NA ATIVA, E ACABA DE LANÇAR UM DISCAÇO DE ROCK QUE VALE A PENA SER OUVIDO ATÉ O ÚLTIMO SEGUNDO
O Living Colour foi um dos melhores grupos de rock surgidos nos anos 80, e que continuaram a ter relativo sucesso no início da década de 90. Entre idas e vindas, a banda já não lançava material inédito desde 2009, com o bom "The Chair in the Doorway". Eis que, em 2017, surge "Shade", 6º álbum de estúdio deles, e que comprova que o som do Living Colour não se tornou nem um pouco datado, visto que aqui vamos encontrar todos os elementos que tornaram a banda mundialmente conhecida, e que, ao mesmo tempo, ainda soa moderno e contagiante.



"Primos" de som do Red Hot Chilli Peppers e do Faith no More, o Living Colour, ao contrário destes, continua, ainda nos dias de hoje, com uma regularidade muito bacana em sua música, mesmo depois de mais de 30 anos de carreira. Isso se deve a…