Pular para o conteúdo principal
Dica de Filme

"A Geração Maldita" (1995)
Direção: Gregg Araki.


1995 foi um ano muito forte em termos de filmes que retrataram os adolescentes daquela geração. Só pra citar dois exemplos dos mais emblemáticos: "Kids" e "Diários de um Adolescente". Já, este "A Geração Maldita" é um dos menos conhecidos dessa espécie de tendência em mostrar os jovens de maneira mais crua e incômoda, mas, nem por isso é desprovido de qualidades. Ao contrário: erra em alguns momentos, sim, mas, o faz com tanta paixão e furor, que muitos desses deslizes compensam.

Apelidado de o "Assassinos por Natureza para adolescentes", o filme não polpa em mostrar uma geração, de fato, perdida. Desesperança e tristeza acompanham cada um dos personagens principais. Amy Blue é uma jovem misteriosa, que pode ser mais do que aparenta. Junto com o seu ingênuo namorado, Jordan White, começam uma viagem sem rumo pelas estradas. No meio do caminho encontram o insano Xavier Red, que passa a acompanhar o casal. O que liga o trio é o sentimento de deslocamento, de marginalidade, de não-pertencimento aos padrões sociais.




Por trás da enxurrada de palavrões que eles desferem, em momentos oportunos, soltam suas inquietações. "Qual o sentido de existirmos?", pergunta Jordan em determinada passagem do filme. Xavier, por outro lado, representa a parte mais niilista, mais porraloca da juventude, e, não por coincidência, muitas vezes, mostra-se o mais coerente entre os três. O "equilíbrio" dessas duas polaridades, se é que podemos chamar assim, é Amy, que mesmo compartilhando a desilusão dos dois, ainda tenta encontrar alguma lógica em sua vida. 

Basicamente tendo a estrutura de um roadie movie, não à toa, ele é comparado a "Assassinos por Natureza". Cenas violentas são abundantes no decorrer da produção, mas, nunca se mostram apelativas. Algumas, beiram o nonsense, como que para demonstrar o nível de entorpecimento dos personagens, como se aquelas cenas não passassem de uma alucinação para nos tirar da letargia do cotidiano. E, outras sequências, como a do desfecho, mesmo rica em brutalidade, é uma bela crítica ao american way life, com direito à profanação da bandeira norte-americana e tudo.




Destaque primoroso vai para a estupenda trilha sonora, e o seu correto uso ao longo da projeção. Pegando, basicamente, aquele indie rock dos anos 90, do Nine Inch Nails ao Jesus and Mary Chain, as músicas depressivas e angustiadas combinam perfeitamente com o estado de espírito dos personagens, que, às vezes, têm nessas canções, o seu único refúgio. Não se trata, como se vê, de uma mera trilha sonora, mas, de uma parte importante para a trama, essencial para entender a personalidade dos protagonistas. Ressaltemos, igualmente, o trio de atores principais (James Duval, Rose McGowan e Johnathon Schaech), que entregam boas e naturais interpretações de seus personagens.

Obviamente, que numa produção assim, as críticas à sociedade aparecem aqui e acolá, porém, não com tanta frequência quanto se imagina. Há uma boa alfinetada na mídia, mais precisamente nos noticiários sensacionalistas, que exploram, ad infinitum, situações de carnificina para conseguirem audiência. E, há também a já mencionada sequência perto do final. No entanto, com a possibilidade de retratar nossa perdida juventude, faltou um pouco mais de ousadia e aprofundamento nesse mergulho ao universo violento dos personagens. As situações, geralmente, acabam naquelas cenas literais, e só. Nesse ponto, "Assassinos por Natureza" e "Diário de um Adolescente", ao menos, foram bem mais além na suas respectivas propostas.




Mesmo, por vezes, pecando por um excesso de simplismo e situações rasteiras, no geral, "A Geração Perdida" é um interessante retrato de uma sociedade que, cujos adolescentes são um reflexo dela. Nesse aspecto, felizmente, o filme não é moralista, e não coloca a culpa, necessariamente, nos jovens, apesar deles também sofrerem as consequências de seus próprios atos. Cruel e triste, não é, com certeza, uma produção agradável de se assistir. Mas, sem dúvida, faz refletir, e isso, pelo menos, já mostra que cumpriu o seu papel.


Nota: 7,5/10.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lista

10 Melhores Discos Nacionais de 2017 (Até Agora)


Sim, meus caros, não está nada fácil. Achar os "10 melhores discos nacionais lançados em 2017 (ate agora)" demandou bastante tempo, mesmo porque, até no meio do cenário indie, anda rolando uma certa mesmice em termos de sons e atitudes, com bandas soando rigorosamente iguais umas as outras. Está faltando identidade e carisma até na nossa música alternativa, infelizmente. Mas, lamentações à parte, esta é uma pequena lista que se propõe a ser um guia atual para quem deseja saber o que anda acontecendo de bom por aí. 
Torcer, agora, para que os próximos meses sejam mais produtivos no sentido de termos mais lançamentos bons como estes.
🎵


10°
"Feeexta"
Camarones Orquestra Guitarrística


"Canções Para Depois do Ódio"
Marcelo Yuka


"Triinca" Triinca

"Galanga Livre" Rincon Sapiência

"Vênus" Tupimasala
Debate Sócio-Político
Porto Digital Ocupado!
O número de ocupações contra a PEC 55 (que propõe, entre outras coisas, uma profunda reforma no Ensino Médio) cresce a cada dia, e apesar de algumas dificuldades, a maioria mostra que está no caminho certo. No Recife, a mais recente instituição a ser ocupada foi a Escola em Referência de Ensino Médio (o EREM), pertencente ao Porto Digital, e localizada no bairro do Recife Antigo. Tudo começou durante a manhã de quinta (17), após as aulas serem suspensas para a realização de uma assembleia. A decisão pela ocupação do prédio foi feita como forma de antecipar o pior, já que muitos temiam que a direção da escola chamasse a polícia. 
De acordo com uma das integrantes do movimento, a organização do local está sendo feita aos poucos, para que, em breve, possam acontecer eventos, como palestras, exibição de produções audiovisuais, etc. "Ainda está tudo muito recente. Pretendemos, primeiro, limpar e reformar algumas coisas aqui dentro, para depo…
Filme Mais ou Menos Recomendável

"Mulher Maravilha"
2017
Direção: Patty Jenkins


MAIS UM FILME DE SUPER-HERÓI GENÉRICO, "MULHER MARAVILHA" PECA, IRONICAMENTE, POR TER UM SUB-TEXTO MACHISTA EM SUAS ENTRELINHAS
Estamos diante de mais um filme de super-heróis, mais um do universo expandido da DC Comics no cinema, mais um com a enorme responsabilidade de entregar um material minimamente interessante, ao contrários dos pífios "Batman vs Superman" e "Esquadrão Suicida", sem dúvida, os dois piores filmes do gênero desses últimos anos, ao lado de "Quarteto Fantástico". Ou seja, "Mulher Maravilha" chega com uma tremenda carga a ser superada. A pergunta é: conseguiu cumprir a sua missão? Bem, digamos que sim e não. Ao mesmo tempo em que o filme acerta em alguns pontos que ficaram devendo em produções anteriores, ele também erra ao repetir alguns dos erros mais corriqueiros de longas do gênero, com um agravante que pode até causar certa polê…