Pular para o conteúdo principal
Dica de Filme

"A Geração Maldita" (1995)
Direção: Gregg Araki.


1995 foi um ano muito forte em termos de filmes que retrataram os adolescentes daquela geração. Só pra citar dois exemplos dos mais emblemáticos: "Kids" e "Diários de um Adolescente". Já, este "A Geração Maldita" é um dos menos conhecidos dessa espécie de tendência em mostrar os jovens de maneira mais crua e incômoda, mas, nem por isso é desprovido de qualidades. Ao contrário: erra em alguns momentos, sim, mas, o faz com tanta paixão e furor, que muitos desses deslizes compensam.

Apelidado de o "Assassinos por Natureza para adolescentes", o filme não polpa em mostrar uma geração, de fato, perdida. Desesperança e tristeza acompanham cada um dos personagens principais. Amy Blue é uma jovem misteriosa, que pode ser mais do que aparenta. Junto com o seu ingênuo namorado, Jordan White, começam uma viagem sem rumo pelas estradas. No meio do caminho encontram o insano Xavier Red, que passa a acompanhar o casal. O que liga o trio é o sentimento de deslocamento, de marginalidade, de não-pertencimento aos padrões sociais.




Por trás da enxurrada de palavrões que eles desferem, em momentos oportunos, soltam suas inquietações. "Qual o sentido de existirmos?", pergunta Jordan em determinada passagem do filme. Xavier, por outro lado, representa a parte mais niilista, mais porraloca da juventude, e, não por coincidência, muitas vezes, mostra-se o mais coerente entre os três. O "equilíbrio" dessas duas polaridades, se é que podemos chamar assim, é Amy, que mesmo compartilhando a desilusão dos dois, ainda tenta encontrar alguma lógica em sua vida. 

Basicamente tendo a estrutura de um roadie movie, não à toa, ele é comparado a "Assassinos por Natureza". Cenas violentas são abundantes no decorrer da produção, mas, nunca se mostram apelativas. Algumas, beiram o nonsense, como que para demonstrar o nível de entorpecimento dos personagens, como se aquelas cenas não passassem de uma alucinação para nos tirar da letargia do cotidiano. E, outras sequências, como a do desfecho, mesmo rica em brutalidade, é uma bela crítica ao american way life, com direito à profanação da bandeira norte-americana e tudo.




Destaque primoroso vai para a estupenda trilha sonora, e o seu correto uso ao longo da projeção. Pegando, basicamente, aquele indie rock dos anos 90, do Nine Inch Nails ao Jesus and Mary Chain, as músicas depressivas e angustiadas combinam perfeitamente com o estado de espírito dos personagens, que, às vezes, têm nessas canções, o seu único refúgio. Não se trata, como se vê, de uma mera trilha sonora, mas, de uma parte importante para a trama, essencial para entender a personalidade dos protagonistas. Ressaltemos, igualmente, o trio de atores principais (James Duval, Rose McGowan e Johnathon Schaech), que entregam boas e naturais interpretações de seus personagens.

Obviamente, que numa produção assim, as críticas à sociedade aparecem aqui e acolá, porém, não com tanta frequência quanto se imagina. Há uma boa alfinetada na mídia, mais precisamente nos noticiários sensacionalistas, que exploram, ad infinitum, situações de carnificina para conseguirem audiência. E, há também a já mencionada sequência perto do final. No entanto, com a possibilidade de retratar nossa perdida juventude, faltou um pouco mais de ousadia e aprofundamento nesse mergulho ao universo violento dos personagens. As situações, geralmente, acabam naquelas cenas literais, e só. Nesse ponto, "Assassinos por Natureza" e "Diário de um Adolescente", ao menos, foram bem mais além na suas respectivas propostas.




Mesmo, por vezes, pecando por um excesso de simplismo e situações rasteiras, no geral, "A Geração Perdida" é um interessante retrato de uma sociedade que, cujos adolescentes são um reflexo dela. Nesse aspecto, felizmente, o filme não é moralista, e não coloca a culpa, necessariamente, nos jovens, apesar deles também sofrerem as consequências de seus próprios atos. Cruel e triste, não é, com certeza, uma produção agradável de se assistir. Mas, sem dúvida, faz refletir, e isso, pelo menos, já mostra que cumpriu o seu papel.


Nota: 7,5/10.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…
Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Disco

"Shade"
2017
Artista: Living Colour


BANDA CLÁSSICA DOS ANOS 80 CONTINUA NA ATIVA, E ACABA DE LANÇAR UM DISCAÇO DE ROCK QUE VALE A PENA SER OUVIDO ATÉ O ÚLTIMO SEGUNDO
O Living Colour foi um dos melhores grupos de rock surgidos nos anos 80, e que continuaram a ter relativo sucesso no início da década de 90. Entre idas e vindas, a banda já não lançava material inédito desde 2009, com o bom "The Chair in the Doorway". Eis que, em 2017, surge "Shade", 6º álbum de estúdio deles, e que comprova que o som do Living Colour não se tornou nem um pouco datado, visto que aqui vamos encontrar todos os elementos que tornaram a banda mundialmente conhecida, e que, ao mesmo tempo, ainda soa moderno e contagiante.



"Primos" de som do Red Hot Chilli Peppers e do Faith no More, o Living Colour, ao contrário destes, continua, ainda nos dias de hoje, com uma regularidade muito bacana em sua música, mesmo depois de mais de 30 anos de carreira. Isso se deve a…