Pular para o conteúdo principal
Dica de Disco

"Cortes Curtos" (2017)
Artista: Kiko Dinucci


Uma coisa não falta aos apreciadores de música: reclamações. É quase sempre a mesma lamentação: "hoje em dia, não tem nada que preste na música"; "antigamente, era melhor"; "atualmente, é tudo igual", etc, etc, etc. Mas, o "x" da questão é até que ponto isso procede, e em que momento começa a nossa culpa. Sim, pois, será que reclamamos da mesmice porque apenas procuramos no mainstream, e não buscamos algo de mais diferente no meio alternativo? Há grande possibilidade disso ser verdadeiro, já que, nos últimos anos, temos tido uma boa quantidade de gente talentosa fazendo música de qualidade, só que, fora do eixo comercial. 

O músico paulista Kiko Dinucci é, facilmente, agregado a essa turma que está, há muito tempo, por merecer um espaço bem maior no meio fonográfico. Isso porque, além de outros atributos, ele tem um ótimo gosto para escolher seus parceiros de profissão, entre eles, Thiago França e Juçara Marçal, que, juntos, formam uma das melhores bandas do circuito underground atual, o Metá Metá. Também foram responsáveis por um dos melhores discos brasileiros dos últimos anos: o seminal "Encarnado", primeiro trabalho solo da Juçara Marçal. E, agora, Dinucci vem com disco próprio, intitulado "Cortes Curtos", também com a participação do Thiago e da Juçara.



Pra quem conhece os trabalhos de toda essa turma, não haverá surpresas aqui: uma música com garra, carisma, graça, crítica e, acima de tudo, urgência. Os sons são, propositalmente, desconexos, como numa colagem caótica de referências, mas, que fazem sentido quando se ouve o disco todo, na sequência das canções. E, por isso mesmo, talvez, seja preciso escutar esse disco uma, duas ou até três vezes para se familiarizar com a sua aparente loucura estética. Mas, quando "Cortes Curtos", finalmente, pega na cabeça do ouvinte, não há quem tire mais (exatamente como aconteceu com "Encarnado", da Juçara Marçal).

As letras, em geral, são simples, muitas vezes, com uma frase só, mas, que constituem uma poética única dentro da proposta do álbum, de fazer pequenos recortes do cotidiano, desde coisas mais absurdamente escancaradas do dia a dia ("Uma Hora da Manhã") até a coisas mais intimistas, passando pela falta de empatia e de tempo para reflexão na sociedade atual ("No Escuro"). Mas, felizmente, o disco é multitemático, e, ao mesmo tempo em que encontramos músicas de amor um tanto "inusitadas" ("Inferno Particular"), também encontramos um bom escracho debochado anti-machista ("Quem te Come").


Outro aspecto muito positivo nesse lançamento são as participações especiais. Exemplo é a bela voz de Juçara Marçal, que deixa "Chorei" ainda mais intensa e bonita. Já, Tulipa Ruiz empresta o seu jeito histérico do bem para deixar "O Inferno tem Sede" ainda mais interessante. Na provocativa "Quem te Come", o cinismo na entonação de Suzana Salles deixa a canção ainda mais visceral. E, completando o time dessas cantoras maravilhosas, Ná Ozzetti oferece grande personalidade a "Inferno Particular" e "A Gente Se Fode Bem Pra Caramba", composições, por si só, excelentes.

E, o que dizer da sonoridade do disco? Bem, digamos que se os Los Hermanos e o Sonic Youth fossem a banda de apoio de um dueto com Tom Zé e Arrigo Barnabé, acho que daria uma boa amostra do que é "Cortes Curtos". De incursões circenses colocadas nos momentos certos ao mais puro punk indie barulhento distorcido de guitarras rasgantes, o som é o que podemos chamar de eclético. Sim, tem samba, rock, reggae, ska, MPB, e o que mais Dinucci achar que deve, e tudo soa muito bem, sendo incrivelmente harmonioso, mesmo que, como já dito, seja preciso escutar certas músicas mais de uma vez, e, assim, conseguir pegar  suas nuances.

O que tudo isso significa? Que estamos diante de um ótimo disco, candidato a ser um dos melhores de 2017. Um álbum, que ao contrário de muitos "alternativos famosos" por aí, não se prende a rótulos, nem apela para soluções fáceis, nem as difíceis que nunca "chegam lá". Multifacetado desde a superfície até o conteúdo, "Cortes Curtos" exala bom humor, revolta e reflexão. Não à toa, a capa do disco é uma foto que foi tirada no momento em que Dinucci era enquadrado por um policial durante um show em apoio ao Movimento Passe Livre. A arte imitando a vida... E, nada mais.

Onde baixar:


Nota: 9/10


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…
Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Disco

"Shade"
2017
Artista: Living Colour


BANDA CLÁSSICA DOS ANOS 80 CONTINUA NA ATIVA, E ACABA DE LANÇAR UM DISCAÇO DE ROCK QUE VALE A PENA SER OUVIDO ATÉ O ÚLTIMO SEGUNDO
O Living Colour foi um dos melhores grupos de rock surgidos nos anos 80, e que continuaram a ter relativo sucesso no início da década de 90. Entre idas e vindas, a banda já não lançava material inédito desde 2009, com o bom "The Chair in the Doorway". Eis que, em 2017, surge "Shade", 6º álbum de estúdio deles, e que comprova que o som do Living Colour não se tornou nem um pouco datado, visto que aqui vamos encontrar todos os elementos que tornaram a banda mundialmente conhecida, e que, ao mesmo tempo, ainda soa moderno e contagiante.



"Primos" de som do Red Hot Chilli Peppers e do Faith no More, o Living Colour, ao contrário destes, continua, ainda nos dias de hoje, com uma regularidade muito bacana em sua música, mesmo depois de mais de 30 anos de carreira. Isso se deve a…