Pular para o conteúdo principal
Dica de Disco

"Cortes Curtos" (2017)
Artista: Kiko Dinucci


Uma coisa não falta aos apreciadores de música: reclamações. É quase sempre a mesma lamentação: "hoje em dia, não tem nada que preste na música"; "antigamente, era melhor"; "atualmente, é tudo igual", etc, etc, etc. Mas, o "x" da questão é até que ponto isso procede, e em que momento começa a nossa culpa. Sim, pois, será que reclamamos da mesmice porque apenas procuramos no mainstream, e não buscamos algo de mais diferente no meio alternativo? Há grande possibilidade disso ser verdadeiro, já que, nos últimos anos, temos tido uma boa quantidade de gente talentosa fazendo música de qualidade, só que, fora do eixo comercial. 

O músico paulista Kiko Dinucci é, facilmente, agregado a essa turma que está, há muito tempo, por merecer um espaço bem maior no meio fonográfico. Isso porque, além de outros atributos, ele tem um ótimo gosto para escolher seus parceiros de profissão, entre eles, Thiago França e Juçara Marçal, que, juntos, formam uma das melhores bandas do circuito underground atual, o Metá Metá. Também foram responsáveis por um dos melhores discos brasileiros dos últimos anos: o seminal "Encarnado", primeiro trabalho solo da Juçara Marçal. E, agora, Dinucci vem com disco próprio, intitulado "Cortes Curtos", também com a participação do Thiago e da Juçara.



Pra quem conhece os trabalhos de toda essa turma, não haverá surpresas aqui: uma música com garra, carisma, graça, crítica e, acima de tudo, urgência. Os sons são, propositalmente, desconexos, como numa colagem caótica de referências, mas, que fazem sentido quando se ouve o disco todo, na sequência das canções. E, por isso mesmo, talvez, seja preciso escutar esse disco uma, duas ou até três vezes para se familiarizar com a sua aparente loucura estética. Mas, quando "Cortes Curtos", finalmente, pega na cabeça do ouvinte, não há quem tire mais (exatamente como aconteceu com "Encarnado", da Juçara Marçal).

As letras, em geral, são simples, muitas vezes, com uma frase só, mas, que constituem uma poética única dentro da proposta do álbum, de fazer pequenos recortes do cotidiano, desde coisas mais absurdamente escancaradas do dia a dia ("Uma Hora da Manhã") até a coisas mais intimistas, passando pela falta de empatia e de tempo para reflexão na sociedade atual ("No Escuro"). Mas, felizmente, o disco é multitemático, e, ao mesmo tempo em que encontramos músicas de amor um tanto "inusitadas" ("Inferno Particular"), também encontramos um bom escracho debochado anti-machista ("Quem te Come").


Outro aspecto muito positivo nesse lançamento são as participações especiais. Exemplo é a bela voz de Juçara Marçal, que deixa "Chorei" ainda mais intensa e bonita. Já, Tulipa Ruiz empresta o seu jeito histérico do bem para deixar "O Inferno tem Sede" ainda mais interessante. Na provocativa "Quem te Come", o cinismo na entonação de Suzana Salles deixa a canção ainda mais visceral. E, completando o time dessas cantoras maravilhosas, Ná Ozzetti oferece grande personalidade a "Inferno Particular" e "A Gente Se Fode Bem Pra Caramba", composições, por si só, excelentes.

E, o que dizer da sonoridade do disco? Bem, digamos que se os Los Hermanos e o Sonic Youth fossem a banda de apoio de um dueto com Tom Zé e Arrigo Barnabé, acho que daria uma boa amostra do que é "Cortes Curtos". De incursões circenses colocadas nos momentos certos ao mais puro punk indie barulhento distorcido de guitarras rasgantes, o som é o que podemos chamar de eclético. Sim, tem samba, rock, reggae, ska, MPB, e o que mais Dinucci achar que deve, e tudo soa muito bem, sendo incrivelmente harmonioso, mesmo que, como já dito, seja preciso escutar certas músicas mais de uma vez, e, assim, conseguir pegar  suas nuances.

O que tudo isso significa? Que estamos diante de um ótimo disco, candidato a ser um dos melhores de 2017. Um álbum, que ao contrário de muitos "alternativos famosos" por aí, não se prende a rótulos, nem apela para soluções fáceis, nem as difíceis que nunca "chegam lá". Multifacetado desde a superfície até o conteúdo, "Cortes Curtos" exala bom humor, revolta e reflexão. Não à toa, a capa do disco é uma foto que foi tirada no momento em que Dinucci era enquadrado por um policial durante um show em apoio ao Movimento Passe Livre. A arte imitando a vida... E, nada mais.

Onde baixar:


Nota: 9/10


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Debate Sócio-Político
Porto Digital Ocupado!
O número de ocupações contra a PEC 55 (que propõe, entre outras coisas, uma profunda reforma no Ensino Médio) cresce a cada dia, e apesar de algumas dificuldades, a maioria mostra que está no caminho certo. No Recife, a mais recente instituição a ser ocupada foi a Escola em Referência de Ensino Médio (o EREM), pertencente ao Porto Digital, e localizada no bairro do Recife Antigo. Tudo começou durante a manhã de quinta (17), após as aulas serem suspensas para a realização de uma assembleia. A decisão pela ocupação do prédio foi feita como forma de antecipar o pior, já que muitos temiam que a direção da escola chamasse a polícia. 
De acordo com uma das integrantes do movimento, a organização do local está sendo feita aos poucos, para que, em breve, possam acontecer eventos, como palestras, exibição de produções audiovisuais, etc. "Ainda está tudo muito recente. Pretendemos, primeiro, limpar e reformar algumas coisas aqui dentro, para depo…
Lista

10 Melhores Discos Nacionais de 2017 (Até Agora)


Sim, meus caros, não está nada fácil. Achar os "10 melhores discos nacionais lançados em 2017 (ate agora)" demandou bastante tempo, mesmo porque, até no meio do cenário indie, anda rolando uma certa mesmice em termos de sons e atitudes, com bandas soando rigorosamente iguais umas as outras. Está faltando identidade e carisma até na nossa música alternativa, infelizmente. Mas, lamentações à parte, esta é uma pequena lista que se propõe a ser um guia atual para quem deseja saber o que anda acontecendo de bom por aí. 
Torcer, agora, para que os próximos meses sejam mais produtivos no sentido de termos mais lançamentos bons como estes.
🎵


10°
"Feeexta"
Camarones Orquestra Guitarrística


"Canções Para Depois do Ódio"
Marcelo Yuka


"Triinca" Triinca

"Galanga Livre" Rincon Sapiência

"Vênus" Tupimasala
Dica Cultural

Festival MIMO 2016
Programação Olinda


MIMO significa Mostra Internacional de Música em Olinda. E, também resistência de arte da melhor qualidade. Nasceu em 2004, na cidade pernambucana que leva seu nome, e que hoje é patrimônio histórico da humanidade. O que não significa que o festival não ocorra em outros lugares, como vem acontecendo há alguns anos. Este ano, por exemplo, em sua 13ª edição, a MIMO já desembarcou em Portugal, e nas cidades brasileiras de Ouro Preto, Tiradentes, Paraty e, nos próximos dias, no Rio de Janeiro. E, claro, haverá espaço para sua cidade natal, Olinda, que irá abarcar inúmeras atrações de peso entre os dias 18 e 20 de novembro próximos.
A seguir, a programação completa da MIMO em Olinda.


CONCERTOS

18 Novembro / Sexta-Feira

Zeca Baleiro - Violoncelo e Piano
18h - Mosteiro de São Bento / Palco Se Ligaê

João Fênix
19h - Igreja do Carmo

João Bosco & Hamilton d Holanda
19h30 - Mosteiro de São Bento / Palco Se Ligaê

Mário Laginha & Pedro Burmes…