Pular para o conteúdo principal
Dica de Filme

"Sinais" (2002)
Direção: M. Night Shyamalan


Num tempo em que o cinema está cada vez menos autoral, é sempre bom ver um cineasta como Shyamalan que sempre imprime uma assinatura bem particular em seus filmes (com exceção do horroroso "O Último Mestre do Ar"). Mesmo que a maioria de suas obras não sejam um primor em muitos aspectos, pelo menos, são diferenciadas em outros pontos, e isso, sem dúvida, já dá uma certa vantagem. O problema é que, às vezes, é um tipo de cinema tão peculiar, que acaba se perdendo no ego do diretor, fazendo com que ele dê muita importância a certas situações em suas histórias que não precisam de tanta atenção. Esse exagero, por exemplo, quase faz de "Sinais" um filme ruim.

Pra quem já conhece um pouco do diretor, não vai encontrar grandes surpresa aqui em termos temáticos. Como nos seus melhores momentos, Shyamalan aborda questões como fé e núcleos familiares problemáticos. E, isso se resume bem na persona do protagonista, Graham Hess. Ex-padre, Graham abandonou a batina após um terrível acidente que vitimou sua esposa. Após a perda, questionou seriamente a sua fé, mas, vez ou outra, ainda é chamado de "padre" pelos moradores da pequena cidade onde vive, e que sempre lhe pedem conselhos. Totalmente avesso a tudo que seja relacionado à espiritualidade, no entanto, ele se mostra seco e recluso até mesmo com os seus dois filhos pequenos e o irmão, sua única família agora.




Acontecimentos sinistros, no entanto, vão testar a fé de Graham ao longo da trama. Quando aparecem estranhos desenhos em seu milharal, ele pensa se tratar de alguma brincadeira. Só que esses mesmos "sinais" surgem em diversas partes do mundo, e as pessoas passam a ser questionar o que são e o que significam. Com o passar do tempo, a verdade vem à tona: esses desenhos foram feitos por extra-terrestres. A única maneira de Graham e sua família se informarem do que está acontecendo é pela TV. E, é através dela que, estarrecidos, eles veem não somente novos "sinais" aparecerem, mas, também luzes que parecem ser de espaçonaves ao redor do planeta. Com mais especulação do que fatos em si, todos, então, preparam-se para algum ataque desses seres.

O roteiro, mesmo pecando por alguns diálogos bobos e constrangedores, aborda bem assuntos como paranoia e como as relações entre as pessoas, inclusive, no seio familiar podem ficar abaladas em decorrência de algum perigo eminente. Mas, é também através desses conflitos que surge uma interessante redenção entre eles, principalmente, entre Graham e seu filho, Nesse aspecto, as emoções retratadas são muito comoventes e genuinamente bonitas. Pode parecer um tanto trivial e até ingênuo esse artifício de que, em decorrência de um mal externo, a família precise ficar unida para sobreviver, porém, tudo é construído de maneira correta, e até um puco lenta, como é de praxe de Shyamalan.




Não nos esqueçamos, porém, que "Sinais" é vendido como um filme de terror, e em certo aspecto, ele não decepciona nesse sentido. O diretor sabe muito bem como prender a atenção do espectador e deixá-lo tenso, às vezes, com uma mera sugestão de perigo ou com um som um pouco mais estranho vindo de algum lugar. Nisso, o silêncio é primordial pra algumas cenas, deixando uma sensação de angústia crescente. O problema é justamente o desfecho da história, e não digo nem pelo fato da fraqueza dos aliens ser algo tão banal, mas, sim o fato de que quando uma das criaturas, finalmente aparece o filme perde muito de suas qualidades. Primeiro, porque há enormes furos de roteiro (atitudes burras dos personagens) só para deixar a trama fluir. E, depois, porque o alien, em si, não é tão assustador como se pressupunha.

As atuações estão só ok. Mel Gibson está até convincente como o protagonista do filme, passando desespero e tristeza na medida certa, ao passo que o quase sempre fenomenal Joaquim Phoenix está meio que no piloto automático aqui, ao passo que os pequenos Abigail Breslin e Rory Culkin estão em interpretações bem melhores, e roubam a cena sempre que aparecem. Já, a direção de Shyamalan é aquela história: ame-a ou odei-a, não há meio termo. Só que em "Sinais", ela não está tão chamativa assim, o que é muito bom, e o que, de certa forma, estragou um pouco a experiência do seu filme anterior, "Corpo Fechado". Sabendo aqui, porém, trabalhar muito bem com jogos de câmera e luzes (ou, a falta delas), o cineasta consegue manipular a história de forma satisfatória e com mais naturalidade.




"Sinais" é, portanto um bom filme, e somente isso. Contudo, ele poderia ter sido bem melhor se Shyamalan tivesse tido um cuidado maior com o roteiro, evitando certos diálogos e cenas um tanto ridículas. Mesmo assim, é uma produção bem interessante, que utiliza a alegoria de uma invasão alienígena para falar de assuntos mais íntimos e delicados de uma maneira bem particular. É, portanto, um tipo de cinema cada vez mais escasso, e por isso mesmo, mais importante de prestigiá-lo, mesmo que o resultado final tenha ficado aquém de suas possibilidades. Ainda assim, válido.


Nota: 7/10


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…
Dica de Disco

"Shade"
2017
Artista: Living Colour


BANDA CLÁSSICA DOS ANOS 80 CONTINUA NA ATIVA, E ACABA DE LANÇAR UM DISCAÇO DE ROCK QUE VALE A PENA SER OUVIDO ATÉ O ÚLTIMO SEGUNDO
O Living Colour foi um dos melhores grupos de rock surgidos nos anos 80, e que continuaram a ter relativo sucesso no início da década de 90. Entre idas e vindas, a banda já não lançava material inédito desde 2009, com o bom "The Chair in the Doorway". Eis que, em 2017, surge "Shade", 6º álbum de estúdio deles, e que comprova que o som do Living Colour não se tornou nem um pouco datado, visto que aqui vamos encontrar todos os elementos que tornaram a banda mundialmente conhecida, e que, ao mesmo tempo, ainda soa moderno e contagiante.



"Primos" de som do Red Hot Chilli Peppers e do Faith no More, o Living Colour, ao contrário destes, continua, ainda nos dias de hoje, com uma regularidade muito bacana em sua música, mesmo depois de mais de 30 anos de carreira. Isso se deve a…