Pular para o conteúdo principal
Filme Mais ou Menos Recomendável

"Kingsman: Serviço Secreto" (2014)
Direção: Matthew Vaughn


Deixando qualquer preconceito de lado: não há nada de errado com cinema de escapismo. Sim, em tempos tão complicados como os nossos, o ideal é que toda arte tentasse, ao menos, ser minimamente engajada. Mas, se for da vontade da plateia, que haja também diversão descompromissada, passageira, do tipo "desligue o cérebro", e divirta-se. O problema é que, às vezes, nem mesmo os realizadores desse tipo de produção acreditam fielmente nessa lógica, e o que poderia ser um filme totalmente anárquico, descerebrado, alucinante e  avacalhado, acaba sendo apenas uma produção que tem os seus momentos de subversão, mas, na maioria do tempo, apela para clichês baratos e se leva a sério demais. Esse foi o principal problema de "Deadpool". E, é o que acomete este "Kingsman: Serviço Secreto", não de maneira tão negativa quanto no filme do mercenário tagarela, mas, que quase estragou o filme de Matthew Vaughn.

Baseado numa insana HQ de Mark Millar e Dave Gibbons, o filme pega todo aquele universo dos espiões secretos, estilo James Bond, e tenta fazer muita graça e ironia em cima dos clichês do gênero, e, verdade seja dita, algumas vezes consegue. Começando de maneira bem peculiar, ao som de Dire Straits, somos apresentados aos kingsmen, agentes não-governamentais encarregados de missões quase  impossíveis. Após a morte de um deles, o seu companheiro Harry vai visitar a viúva e o filho do agente. Numa rápida passada no tempo, 17 anos depois, Harry procura alguém para treinar na organização do Kingsman, e é aí que surge a oportunidade para Eggsy, o filho do agente morto em serviço anos atrás.




A grande sacada do roteiro é parodiar os filmes de espionagem, com, cenas pra lá de exageradas, e até algumas quebras de convenções, dando um bom frescor à trama. O agente Harry, por exemplo,é um verdadeiro gentleman, mas, passa longe de ser o galanteador que é James Bond. Não à toa, o personagem de "Kingsman" é mais sarcástico e mordaz, além de ser mais engraçado do que p tão famoso 007. Outro ponto positivo do roteiro foi em não colocar Eggsy como um simples aprendiz de Harry, mas, como alguém que tem que ganhar a vaga na corporação dos kingsmen, e o seu treinamento é empolgante e divertido, apesar de soar um tanto óbvio, visto que desconfiamos, de antemão qual o resultado final, mesmo que, a princípio, tudo dê errado para Eggsy.

E, é aí que está o grande defeito do filme: não ousar mais. Em determinados momentos, ele deixa de ser divertido e empolgante para se tornar sacal e previsível. Mas, ora, se a intenção era subverter por completo os filmes de espionagem, por que não deixar tudo menos clichê, menos com cara de deja vú. Quem já assistiu a produções similares, sabe muito bem como tudo termina, o que vai acontecer com o herói e o vilão, etc. É o velho produto com aparência de novo, mas, com os mesmos defeitos, usando os mesmos artifícios batidos. O terceiro ato, por exemplo, mesmo parecendo provocativo em algumas cenas (e, é também), possui as mesma soluções fáceis, as mesmas lutas coreografadas, o mesmo ritmo frenético de sempre. Ou seja,  mais do mesmo. O que é uma pena, pois os personagens são muito bons (vide o vilão Richmond Valentine), e não mereciam estarem numa história que se arrasta para a mesmice.




Isoladamente, porém, algumas cenas salvam o filme com uma bem-vinda transgressão. É o caso da violenta sequência que ocorre na Igreja, tudo ao som de "Free Bird", do Lynyrd Skynyrd. Sim, a cena pode ser acusada de ser gratuitamente sangrenta e transformar a violência em diversão, mas, com um pouco de atenção, podemos interpretar o motivo daquela carnificina, e até tecer umas boas críticas à sociedade. Por sinal, algumas críticas dessas são bem pontuais e interessantes, como a questão que gira em torno da corrupção dos políticos ou da simples exclusão social. Parecem assuntos meio inusitados para um filme assim, mas, acreditem, funcionam dentro da trama. 

As atuações não chegam a sere primorosas, mas, não comprometem. Samuel L. Jackson e Michael Caine estão se divertindo muito aqui, ao passo que Colin Firth faz um agente Harry com a elegância necessária. Só Taron Egerton, como Eggsy, que parece um pouco travado em suas ações, somente se soltando um pouco mais lá pro final do filme. O diretor Matthew Vaughn, que já havia passado para as telas de cinema outra obra de Mark Millar, "Kickass", faz, basicamente, o mesmo trabalho em "Kingsman": em alguns momentos empolga, e, em outros, não vai além disso. Fica a impressão que, no cinema, os realizados se auto-censuram para não passarem dos limites e serem  só um pouco mais ousados. Nos quadrinhos, tudo pode. Na tela grande, pouca coisa pode. E, isso tolhe muito as possibilidades de "Kingsman".




Quem quer um filme divertido, violento e alucinado em alguns momentos, e com alguma crítica pertinente aqui e acolá, certamente, vai gostar bastante de "Kingsman: Serviço Secreto". No entanto, pra quem não só conhece a obra original, mas, também espera mais no quesito cinema, vai sentir que está faltando muita coisa. Entra ano e sai ano, e os realizados não conseguem ir além do que o mero escapismo propõe, e é por isso, justamente, que esse escapismo é tão criticado, principalmente, se formos comparar com os filmes pipoca de décadas atrás. O sarcasmo e a ironia exigem mais do que meia dúzia de ideias requentadas. Ou se ousa, ou se avacalha de vez, ou, fica-se no mais do mesmo. 


Nota: 6/10


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…
Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Disco

"Shade"
2017
Artista: Living Colour


BANDA CLÁSSICA DOS ANOS 80 CONTINUA NA ATIVA, E ACABA DE LANÇAR UM DISCAÇO DE ROCK QUE VALE A PENA SER OUVIDO ATÉ O ÚLTIMO SEGUNDO
O Living Colour foi um dos melhores grupos de rock surgidos nos anos 80, e que continuaram a ter relativo sucesso no início da década de 90. Entre idas e vindas, a banda já não lançava material inédito desde 2009, com o bom "The Chair in the Doorway". Eis que, em 2017, surge "Shade", 6º álbum de estúdio deles, e que comprova que o som do Living Colour não se tornou nem um pouco datado, visto que aqui vamos encontrar todos os elementos que tornaram a banda mundialmente conhecida, e que, ao mesmo tempo, ainda soa moderno e contagiante.



"Primos" de som do Red Hot Chilli Peppers e do Faith no More, o Living Colour, ao contrário destes, continua, ainda nos dias de hoje, com uma regularidade muito bacana em sua música, mesmo depois de mais de 30 anos de carreira. Isso se deve a…