Pular para o conteúdo principal
Filme Mais ou Menos Recomendável

"Lion: Uma Jornada Para Casa" (2016)
Direção: Garth Davis


Teoricamente, um drama tem que fazer você se importar com os personagens, mesmo que, para isso, sejam usados artifícios batidos, clichês ou até bastante bregas. Caso se consiga o mínimo de empatia, ótimo. Mas, quando tudo é tão burocrático e forçado que causa mais tédio do que interesse? É, mais ou menos, esse o caso de "Lion: Uma Jornada Para Casa", que, numa direção bem mais criativa, poderia ter rendido uma tocante história sobre adoção e busca da identidade. Só que o que temos é aquele típico "filme de Oscar", onde cada cena é milimetricamente feita para arrancar lágrimas da plateia, mas, sem quase nunca conseguir.

A produção trata da história verídica de Saroo, que, quando tinha 5 anos, perdeu-se do irmão mais velho numa estação de trem em Calcutá. Perambulando pelas ruas, sem destino, é colocado num orfanato local, e, rapidamente, adotado por uma família australiana. 20 anos depois, decide ir em busca de sua família de sangue (sua mãe, sua irmã e o seu irmão), usando, para isso, a tecnologia do Google Maps para rastrear os seus passos, desde que se perdeu até ir parar num orfanato. O roteiro, em si, é simples, mesmo, mas, isso não impediria que o desenvolvimento da história fosse melhor trabalhado. Só que o que temos, em suas quase duas horas de duração, é um drama raso, de personagens mal explorados, e, pior, cheio de preconceitos.




A primeira metade do filme mostra Sarro ainda criança, e é, sem dúvida, a melhor parte dele, apesar de apresentar alguns de seus principais defeitos. Salta aos olhos a imagem estereotipada que a produção faz da Índia. Obviamente, e todos sabemos, é um lugar com graves problemas sociais, em especial, com relação à violência contra a mulher, porém, é tudo carregado demais. Quando Sarro se perde do irmão, por exemplo, todos os adultos, sem exceção, mostram-se indiferentes a ele, como se o país fosse um lugar onde todos fossem um bando de animais insensíveis, aonde uma criança inocente não teria a menor chance. 

Quando Saroo é adotado por um casal australiano, o tom da película muda completamente, e tanto o povo, quanto as paisagens naturais da Austrália são mostrados de maneira limpa, paradisíaca, como se todos fossem pessoas de bem. Essa dicotomia, que serve apenas para reforçar preconceitos, acaba tirando ainda mais a graça da história, pois, se tudo é tão "preto no branco", não há conflitos, não há momentos de tensão ou de dúvida. É tudo de muito fácil interpretação, mastigado, sem o mínimo de nuance ou qualquer sutileza. Pelo menos, nessa primeira metade, a narrativa flui bem, e o ator mirim que interpreta Sarro (Sunny Pawa) é um verdadeiro achado, e é quem "rouba" o filme, fácil, fácil.




Só que aí chega a segunda parte do longa, e a coisa derrapa mais ainda, apesar de não se mostrar tão maniqueísta quanto no início. Os dramas existenciais de um Saroo agora jovem acabam sendo sublimados por uma narrativa padrão, arrastada, sem "fibra". Nesse momento, até temos conflitos familiares que parecem que vão melhorar a trama, como no caso do irmão adotivo de Saroo, que, por ter sérios problemas psicológicos, sempre causa perturbações aos seus pais. O problema é que é tudo mal elaborado, sem o desenvolvimento necessário para que nos envolvamos com aqueles problemas, e isso se deve, e muito, ao fato da narrativa ser muito cortada por saltos no tempo. As partes em que Saroo se lembra do irmão de sangue, nos mais variados momentos, também não ajuda muito, forçando a ideia de saudade que o protagonista sente de sua terra natal, porém, tudo feito de forma esquemática demais, e até mesmo fria.

Na segunda parte, fica também evidente a grande diferente entre a interpretação do pequeno Sunny Pawa e do restante do elenco. Dev Patel tem um certo carisma, mas, seu olhar perdido e contemplativo demais esvaziam muito da complexidade que o personagem poderia ter. Já, Nicole Kidman e David Wenham estão, simplesmente, em alguns dos piores momentos de suas carreiras, fazendo dúzias e mais dúzias de caras e bocas, com sorrisos e choros forçados, como se estivessem em alguma espécie de propaganda para a TV, e não numa ficção para cinema. São "interpretações" que deixam o filme ainda mais com cara de "cartão postal". O restante do filme (direção, edição, trilha sonora) é aquela coisa padrão, feita visando futuros premiações.




É uma pena que uma história interessante tenha resultado num filme, em geral, tão sem alma. Para se ter uma ideia, apenas nos seus últimos 15 minutos, a produção, mesmo soando bem piegas, consegue passar uma emoção genuína, autêntica, bonita. E, ainda há as famosas informações finais, que, tradicionalmente, encerram um filme baseado em histórias reais. Aaqui, pelo menos, o serviço é bem prestado, já que é fornecido o endereço de uma ONG que trata de crianças desaparecidas na Índia. Bela atitude, sem dúvida. Mas, "Lion: Uma Jornada Para Casa", como cinema, é fraquíssimo em muitos pontos. Assistível, sim, mas, esquecível depois.


Nota: 5/10


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…
Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Disco

"Shade"
2017
Artista: Living Colour


BANDA CLÁSSICA DOS ANOS 80 CONTINUA NA ATIVA, E ACABA DE LANÇAR UM DISCAÇO DE ROCK QUE VALE A PENA SER OUVIDO ATÉ O ÚLTIMO SEGUNDO
O Living Colour foi um dos melhores grupos de rock surgidos nos anos 80, e que continuaram a ter relativo sucesso no início da década de 90. Entre idas e vindas, a banda já não lançava material inédito desde 2009, com o bom "The Chair in the Doorway". Eis que, em 2017, surge "Shade", 6º álbum de estúdio deles, e que comprova que o som do Living Colour não se tornou nem um pouco datado, visto que aqui vamos encontrar todos os elementos que tornaram a banda mundialmente conhecida, e que, ao mesmo tempo, ainda soa moderno e contagiante.



"Primos" de som do Red Hot Chilli Peppers e do Faith no More, o Living Colour, ao contrário destes, continua, ainda nos dias de hoje, com uma regularidade muito bacana em sua música, mesmo depois de mais de 30 anos de carreira. Isso se deve a…