Pular para o conteúdo principal
Dica de Disco

"in•ter a•li•a"
2017
Artista: At The Drive-In


DEPOIS DE ANOS DE UM HIATO CONSIDERÁVEL, O AT THE DRIVE-IN VOLTA TÃO FEROZ QUANTO ANTES

O At the Drive-in foi uma dos últimos sopros de vitalidade no rock, indiscutivelmente. Escute o atemporal "Relationship of Command" e comprove. Só que após terem atingindo o auge com este petardo em forma de disco, simplesmente, resolveram encerrar as atividades. Metade foi formar o malucão The Mars Volta e a outra metade, o meio pedante Sparta. Eis que, 17 anos depois, temos uma reunião da banda original, e (bingo!) um álbum novo em folha. Mas, do ano de 2000 pra cá, muita coisa mudou no rock (ou melhor, não mudou quase nada, e esse foi o problema). Então, o que esperar dessa turma hoje em dia? Pra começo de conversa, um som bastante honesto, como eles faziam nos primórdios. Está bom assim? Não? Então, vamos detalhar mais.




A primeira dúvida: o som deles continua poderoso? Resposta: sem dúvida. A primeira faixa, "No Wolf Like The Present", bastante agitada comprova que o tempo não "acalmou" o grupo. Ao contrário: estimula aquela autêntica revolta quando o mundo parece estar de cabeça para baixo. E, que melhor momento para o At the Drive-in ressurgir das cinzas, não é verdade? Nessa música de abertura do disco , inclusive, eles já mandam um recado bem claro: "From Potemkin mills / Where the winds erase / They use our past to evict us" ("Das fábricas de Potemkin / Onde os ventos apagam / Eles usam o nosso passado para nos expulsar"). Não menos potente é a canção que vem a seguir, "Continuum", mostrando por A + B que o At the Drive-in não perdeu a capacidade de unir barulho e melodia em doses milimetricamente iguais.

A terceira faixa, "Tilting At The Univendor", vai seguindo na mesma pegada das primeiras, sendo apenas um pouco mais melódica que elas, porém, não perdendo a energia. Sem tempo para respirar, vamos sendo logo invadidos pela quarta canção do disco, "Governed By Contagions". E, que canção (ou, melhor: que letra!). Uma das melhores partes dela é: "That’s the way the guillotine claps / He’s the one who’s governed by contagions" ("Essa é a maneira como a guilhotina aplaude / Ele é aquele que é governado por contágios"). Quem duvidava que o At the Drive-in ainda podia mandar bem nas letras provocativas, eis aí a prova. Música pra se escutar na mais alto volume!

E, os 200 km/h simplesmente não param. "Pendulum In A Peasant Dress" tem alma, pele, sangue e ossos totalmente fincados no punk. É somente uma pena que ela seja tão curta em termos de duração. Por sinal, essa é a tendência desse disco: músicas, geralmente, muito curtas. O que não é, necessariamente, um problema, mas, que acaba deixando aquela sensação de que o disco poderia (e, deveria) ser mais longo, ou com uma duração maior das canções, ou com mais músicas no seu playlist. Em todo caso, o sentimento de urgência acaba sendo salutar num mercado em que o rock está tão anêmico e pasteurizado. E, o álbum segue com a ótima "Incurably Innocent", que possui um dos melhores refrões do disco.


O início de "Call Broken Arrow" dá a impressão de que o disco dará uma "amansada" no som. Ledo engano. Trata-se de mais uma mistura perfeita de quebradeira com belas melodias, e um letra bem surreal: "Desecrate it, Desecrate it all / Call broken arrow and level this ground / Desecrate it, Desecrate it all / Call broken arrow this is all his fault" ("Descreva, Descreva tudo / Chame de seta quebrada e nivele este chão / Descreva, Descreva tudo / Chame de seta quebrada pois isso é tudo culpa dele"). Decididos a uma verdadeira "destruição sonora", o At the Drive-in chega a "Holtzclaw", oitava faixa, e que só sossega os ânimos dos ouvinte em algumas passagens mais "calmas", digamos assim, porém, é só um mero descanso, pois, a canção é uma bela de uma explosão nos sentidos.

Mas, como nada é perfeito, a antepenúltima faixa do disco, "Torrentially Cutshaw" mostra um certo desgaste da fórmula da própria banda, apesar do nítido esforço em fazer algo marcante. No entanto, acaba sendo só mais uma canção iguais a tantas outras daqui. Ironicamente, o álbum volta a ser ótimo com "Ghost-Tape No.9", que poderia ser classificada como uma espécie de "balada" do grupo. Mas, uma "balada", diga-se, pesada, classuda, soturna, daquelas que o Depeche Mode costumava fazer. O grand finale vem com "Hostage Stamps", que começa climática, e, pra variar, explode num som bastante poderoso. Não chega a ser uma das melhores do disco, mas, sem dúvida, é muito boa, e encerra "in•ter a•li•a" da forma que tinha que ser: com muita energia.

Agora, é bom que se diga: "in•ter a•li•a" está num patamar um pouco abaixo de "Relationship of Command", mas, é melhor do que muita coisa que o Mars Volta e o Sparta (as respectivas bandas dos integrantes do At the Drive-in) fizeram. E, isto, por si, já é formidável, pois, mostra que, mesmo depois de tantos anos, eles mantiveram a essência de seu antigo grupo. Os destaques, por sinal, continuam sendo o insano vocalista  Cedric Bixler-Zavala e o inventivo guitarrista Omar Rodriguez-Lopez. São eles que conseguem dar identidade ímpar ao At the Drive-in, fazendo do som deles algo (ainda) único. E, "in•ter a•li•a" pode não chegar a ser o melhor disco de 2017 (ainda temos um bom caminho pela frente, e muita coisa boa pode ser lançada até lá), mas, com certeza este é um álbum de rock'n roll que estávamos precisando ouvir a um bom tempo.


Download


Nota: 8,5/10



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…
Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Disco

"Shade"
2017
Artista: Living Colour


BANDA CLÁSSICA DOS ANOS 80 CONTINUA NA ATIVA, E ACABA DE LANÇAR UM DISCAÇO DE ROCK QUE VALE A PENA SER OUVIDO ATÉ O ÚLTIMO SEGUNDO
O Living Colour foi um dos melhores grupos de rock surgidos nos anos 80, e que continuaram a ter relativo sucesso no início da década de 90. Entre idas e vindas, a banda já não lançava material inédito desde 2009, com o bom "The Chair in the Doorway". Eis que, em 2017, surge "Shade", 6º álbum de estúdio deles, e que comprova que o som do Living Colour não se tornou nem um pouco datado, visto que aqui vamos encontrar todos os elementos que tornaram a banda mundialmente conhecida, e que, ao mesmo tempo, ainda soa moderno e contagiante.



"Primos" de som do Red Hot Chilli Peppers e do Faith no More, o Living Colour, ao contrário destes, continua, ainda nos dias de hoje, com uma regularidade muito bacana em sua música, mesmo depois de mais de 30 anos de carreira. Isso se deve a…