Pular para o conteúdo principal
Dica de Filme

"Tanna"
2015
Direção: Martin Butler e Bentley Dean


MESMO RECICLANDO VELHAS HISTÓRIAS SHAKESPEARIANAS, ESTA FÁBULA MODESTA CONSEGUE EMOCIONAR AO MOSTRAR A UNIVERSALIDADE DE SENTIMENTOS E TRADIÇÕES

O bom cinema não precisa de muita complexidade. Há que ache que um filme necessite de grandes arroubos metafóricos, com imagens, gestos e palavras que remetam a múltiplas interpretações, e por aí vai. Nada disso. Muitas vezes, esse tipo de cinema é pedante e vazio de conteúdo, apenas tendo bastante estética. Não há problema nenhum com a simplicidade, contanto que ela seja bem utilizada a serviço de uma história que valha a pena. E, daí se essa história já foi contada inúmeras vezes? No final, mesmo as obras mais complexas, não são sobre os mesmíssimos temas? Disto isto, verdade seja dita: "Tanna", apesar de sua história batida, tem muita força dramática sem precisar ser piegas. Com um diferencial: tudo é contado pela ótica de aborígenes, que, no filme, interpretam eles próprios.




Verdade que, para alguns, esse diferencial da história se passar com uma tribo distante da "civilização" (entre aspas, mesmo), pode não ter nada demais, como se estivéssemos vendo, que sabe, apenas mais um capítulo do Discovery Channel. Porém, despidos de quaisquer preconceitos, vamos enxergar um enredo forte, que, mesmo com uma história batida, quando bem contado, rende muito. De início, contemplamos o dia a dia de uma das tribos residentes de uma região remota da Oceania. Aos olhos menos atentos, apenas uma sequência de fatos exóticos. Porém, com o passar do tempo, a história vai afunilando para alguns personagens, e vamos vendo que seus desejos, angústias e esperanças não são nenhum um pouco diferentes de alguém que more em qualquer lugar do mundo. E, essa universalidade de sentimentos vai nos aproximando cada veza mais dos personagens, fazendo com que simpatizemos e torçamos por eles. E, deve ser isso que talvez alguns estranhem: a abordagem é de seres humanos, simplesmente, e não de um "enjaulado" em seu ambiente para a visitação de curiosos.

Dos todos aqui, três personagens se destacam: Wawa, que está no meio de um rito de passagem para a vida adulta, Dain, vigoroso guerreiro, que possui um enorme trauma envolvendo uma tribo rival, e a pequena Selin, irmã de Wawa, que vez ou outra, mostra-se desobediente e avessa aos costumes de sua tribo. A trama girará em torno desses três, e é a partir de seus dramas pessoais que tradições serão questionadas, colocando até mesmo a tribo deles em risco. Sim, é verdade, a história é essa mesma, universalmente conhecida por qualquer pessoa, em qualquer lugar do mundo. Porém, isso desmerece "Tanna"? De forma alguma, e isso porque, como cinema, o filme é muito bem feito em diversos pontos, a começar pelas interpretações. Fazendo os papéis deles mesmos, o indígenas que vemos no filme atuam de maneira tal natural, tão espontânea, que chega a lembrar um pouco a tática usada por Fernando Meirelles em "Cidade de Deus": pegar gente sem nenhum experiência, conferindo um tom mais realístico às atuações. E, em "Tanna", essa estratégia funciona muito bem.




Outro fator essencial para a qualidade cinematográfica de "Tanna" são os seus realizadores, mais especificamente, Martin Butler e Bentley Dean. Ambos são documentaristas, e passaram cerca de sete meses em Vanatu (estado da Oceania) atrás de histórias para um programa de TV. No entanto, a bela receptividade dos Yakel (tribo retratada no filme) mudou os planos dos cineastas, que, ao invés de fazerem um documentário, preferiram apostar numa ficção, tendo como base a história real que, em meados da década de 80, após certos acontecimentos, a tribo Yakel mudou os seus costumes, permitindo o que eles chamam de "casamento com amor". É daí que surgiu o simples (mas, eficaz) roteiro sobre o amor proibido entre Wawa e Dain. E, o enredo, por sinal, é bem conciso, enxuto, não se perdendo demais em melodramas, passando, assim, a mensagem de uma forma bastante contundente (e, bonita). 

Além desses atributos, como não poderia deixar de ser, as paisagens que compõem o ambiente são belíssimas, e até possuem algum sentido simbólico dentro da trama, como, por exemplo, na beira de um vulcão onde os Yakel vão, de vez em quando, para meditarem, é onde ocorre o clímax do filme, como se o fogo naquele momento representasse a tragédia dos personagens. E, não obstante a tudo isso, o enredo ainda reserva uma crítica sutil aos colonizadores cristãos, que, gradativamente, desvirtuam as tradições e costumes dos aborígenes da região, chegando ao ponto de descaracterizá-los por completo. Não à toa, numa das cenas Wawa diz a Dain que "é preferível morar na floresta, do que com esses cristãos". Ótima provocação, que não vai muito além disso, mas, ainda assim, sugere alguma reflexão.




Concordo perfeitamente que não estamos diante de um clássico revolucionário da sétima arte, ou algo do tipo. Mas, sejamos honestos: isto realmente importa para apreciarmos uma obra bem feita, realizada com simplicidade, porém, de maneira muito correta? Algumas vezes, certas histórias merecem ser retratadas com um alto nível de complexidade, e outras, não. Cabe, no entanto, identificar se um filme é ou não "bom cinema". E, "Tanna", humildemente, é. Possui um bom roteiro, ótimas atuações, e a sempre necessária mensagem de que, às vezes, tradições precisam ser quebradas para quem possamos evoluir, ao passo que outras precisam permanecer para a preservação da nossa memória, essencial para saber quem somos. Um filme, acima de tudo, bonito.


Nota: 8/10


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…
Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Disco

"Shade"
2017
Artista: Living Colour


BANDA CLÁSSICA DOS ANOS 80 CONTINUA NA ATIVA, E ACABA DE LANÇAR UM DISCAÇO DE ROCK QUE VALE A PENA SER OUVIDO ATÉ O ÚLTIMO SEGUNDO
O Living Colour foi um dos melhores grupos de rock surgidos nos anos 80, e que continuaram a ter relativo sucesso no início da década de 90. Entre idas e vindas, a banda já não lançava material inédito desde 2009, com o bom "The Chair in the Doorway". Eis que, em 2017, surge "Shade", 6º álbum de estúdio deles, e que comprova que o som do Living Colour não se tornou nem um pouco datado, visto que aqui vamos encontrar todos os elementos que tornaram a banda mundialmente conhecida, e que, ao mesmo tempo, ainda soa moderno e contagiante.



"Primos" de som do Red Hot Chilli Peppers e do Faith no More, o Living Colour, ao contrário destes, continua, ainda nos dias de hoje, com uma regularidade muito bacana em sua música, mesmo depois de mais de 30 anos de carreira. Isso se deve a…