Pular para o conteúdo principal
Dica de Filme

"O Sol é Para Todos"
1962
Direção: Robert Mulligan


DRAMA ATEMPORAL SOBRE O RACISMO ABORDA O TEMA DE MANEIRA POUCO CONVENCIONAL, COLOCANDO A VISÃO DAS CRIANÇAS SOBRE O ASSUNTO EM PRIMEIRO PLANO

O universo infantil é realmente fascinante. E, mais fascinante ainda é a possibilidade de termos determinadas abordagens pela ótica, às vezes, nem tão ingênua assim, das crianças. Muitos são os filmes que dão aos pequenos o protagonismo em suas histórias, geralmente, rendendo frutos muito positivos. Baseado nesse princípio, uma produção que fala sobre o racismo em plena década de 60 (cuja história se passa exatamente no ano de 1932), quando a segregação racial ainda era algo muito palpável nos EUA, e sob os olhares curiosos de três crianças, isso é, no mínimo, um tratamento muito interessante a uma história que poderia perigar soar panfletária demais. Trata-se de "O Sol é Para Todos", baseado no livro "To Kill a Mockingbird", que a escritora Harper Lee havia lançado dois anos antes. E, convenhamos: que bela adaptação!




Antes de mais nada, um recado aos desavisados: o filme demora um pouco a se focar em seu tema principal. No entanto, tudo é proposital, com o intuito de conhecermos bem os personagens, um a um. Quando, então, estamos familiarizados com eles, a história, em si, começa. Mas, desde o começo, e por um bom tempo, somos apresentados aos irmãos Louise e Jem Finch, e o amigo deles, Dill Harris. O trio, como qualquer criança que se preze, promove diversas travessuras, e o mais importante: cada um possui uma personalidade bem distinta. Isso, acreditem, fará um diferencial grande durante a narrativa. Paralelo a eles, também vamos conhecendo Atticus Finch, um advogado renomado na região, que também é pai de Louise e Jem. Os seus problemas começam quando é incumbida a ele a tarefa de defender de Tom Robinson, jovem negro acusado de violentar uma garota. É óbvio que, pela época em que a história se passa (por volta dos anos 30), o racismo era muito mais latente, e dá pra imaginar o quanto Atticus será hostilizado pela população local, principalmente, pelo pai da suposta vítima. Afinal, ele está defendendo um negro, e isso, para a época, era um absurdo..

Como avisado anteriormente, não esperem que o enredo "entre" diretamente no assunto ao qual ele se propõe logo de cara. Tudo será gradativo. A intenção é envolver o espectador o máximo possível com os personagens, o que pensam, e, principalmente, o que está ao redor deles, e como eles agem diante de acontecimentos inesperados. Esse artifício funciona muito bem, pois, quando o tema do racismo realmente aparece na trama, a força narrativa do discurso é muito maior, e o filme não perde em ritmo por causa disso. Melhor ainda: o olhar perplexo das crianças continua a ditar o desenrolar do enredo, tanto é que a cena do tribunal, uma das mais impactantes da produção, é assistida inteiramente por elas, mesmo que o assunto ali tratado seja "de adultos", digamos assim. E, é por esse olhar perplexo que Louise, Jem e Dill irão aprender lições sobre tolerância, respeito e integridade, mesmo que tais palavras não fossem usadas aos negros daquela época, tornado alguém como o advogado Atticus uma persona non grata, mesmo que íntegro em sua profissão.




O roteiro forte é muito engenhoso a partir do momento em que começa o tocar em tema principal no momento certo, dando um envolvimento emocional à trama de tal forma que ficamos na dúvida qual o desfecho que a história tomará. Porém, uma coisa que o enredo não abandona, de maneira alguma, é a visão das crianças em relação aos acontecimentos, sempre em primeiro plano. Mesmo no último apelo de Atticus aos jurados no tribunal, são elas que enxergam e interpretam os fatos, e nós, consequentemente, é que absorvemos as suas impressões. Isso coloca um certo ar de ingenuidade na história, o que é bastante salutar, pois, evita qualquer precipitação que o espectador tenha, achando que já sabe qual será o desfecho da narrativa. Por sinal, o filme, de certa forma, "brinca" com essas expectativas, mexendo com os nossos preconceitos (até o final, é bom dizer), passando não somente uma importante mensagem contra o racismo, mas também, contra o preconceito, de uma maneira geral.

Aqui, as atuações são ótimas, a começar pelo trio mirim, que se sai muito bem, tanto nas partes mais cômicas, quanto naquelas mais dramáticas. Destaque, nesse aspecto, para Mary Badham, que interpreta Louise. Entre os adultos, enormes elogios para Gregory Peck, que faz do advogado Atticus um personagem muito humano, passando uma sincera perplexidade diante da intolerância das pessoas. Merecidamente, ganhou o Oscar por esse papel. Brock Peters, que faz o acusado Tom Robinson, aparece pouco, mas, quando surge na tela, atua de forma muito competente, passando bastante verossimilhança ao seu personagem. E, temos até um jovem Robert Duvall, em sua estreia no cinema, cujo personagem será essencial para o desfecho da trama. Porém, quem pesa a mão um pouco no filme é o diretor Robert Mulligan, que, às vezes, apela para algo mais piegas e melodramático, o que se torna desnecessário, deviso à força do roteiro e à competência das atuações. Felizmente, ele consegue imprimir um bom ritmo narrativo, e esses momentos mais forçados se dissolvem no ar depois de um tempo.




Acima de tudo, "O Sol é Para Todos" virou, ao longo doas anos, um filme de suma importância para continuarmos a pregar algo em prol do respeito e da tolerância. Isso porque, passadas tantas décadas após sua realização, o racismo continua a ser uma chaga social, mesmo nos EUA, apesar de tantos avanços. A cada jovem negro que sofre alguma injustiça (justamente, por ser negro), "O Sol é Para Todos" ecoa como um alerta de que ainda estamos longe de um ambiente ideal de combate a todo e qualquer preconceito. Porém, como a arte quase sempre proporciona reflexões melhores do que qualquer outra forma de comunicação, este filme continua (infelizmente) atual e necessário. Que, um dia, ele possa ser lembrado "apenas" como o ótimo filme que é, e nada mais.


Nota: 8,5/10


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…
Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Disco

"Shade"
2017
Artista: Living Colour


BANDA CLÁSSICA DOS ANOS 80 CONTINUA NA ATIVA, E ACABA DE LANÇAR UM DISCAÇO DE ROCK QUE VALE A PENA SER OUVIDO ATÉ O ÚLTIMO SEGUNDO
O Living Colour foi um dos melhores grupos de rock surgidos nos anos 80, e que continuaram a ter relativo sucesso no início da década de 90. Entre idas e vindas, a banda já não lançava material inédito desde 2009, com o bom "The Chair in the Doorway". Eis que, em 2017, surge "Shade", 6º álbum de estúdio deles, e que comprova que o som do Living Colour não se tornou nem um pouco datado, visto que aqui vamos encontrar todos os elementos que tornaram a banda mundialmente conhecida, e que, ao mesmo tempo, ainda soa moderno e contagiante.



"Primos" de som do Red Hot Chilli Peppers e do Faith no More, o Living Colour, ao contrário destes, continua, ainda nos dias de hoje, com uma regularidade muito bacana em sua música, mesmo depois de mais de 30 anos de carreira. Isso se deve a…