Pular para o conteúdo principal
DICA DE DISCO

"FORÇA BRUTA" (1970)




Jorge Benjor sempre foi um artista tipicamente popular. Um dos poucos a transitar por várias vertentes do samba sempre com muita qualidade. E, ainda hoje é apreciado por gente de todos os ritmos, do axé ao rap, passando pelo rock. Começou a carreira lá nos idos da década de 60, tocando o seu indefectível violão na estréia Samba Esquema Novo". Passou a empunhar uma guitarra no divisor de águas "África Brasil", de 1976. Entre esses dois discos, lançou álbuns memoráveis, "Força Bruta" é um deles.




Tendo encontrado uma banda de apoio do porte do Trio Mocotó, Jorge forjou seu próprio samba, reinventando-se, mas com seu swing característico. "Oba, Lá Vem Ela" dá início ao álbum de forma gostosa e descompromissada, de um som dolente e agradável. O destaque dela e de tantas outras canções contidas aqui é o instrumental, bastante afiado. Mas, há de se comentar também a interpretação do próprio cantor, que faz um de seus melhores trabalhos (com exceção da estranha "Teresinha", cuja voz propositalmente fanha de Jorge nela não ficou boa).




"Aparecida Apareceu" e "O Telefone Tocou" são outras ótimas composições que podemos citar em "Força Bruta". Inclusive, existe a incursão, mesmo que discreta, de alguns outros ritmos diferentes do samba, como o xote e o sertanejo (o de raiz, diga-se) nas introduções de "Pulo, Pulo" e "Charles Jr.", respectivamente. O disco se encerra de forma excelente, na faixa-título, com todos executando seus instrumentos de maneira rápida e empolgante.




Muitos ainda torcem o nariz para as letras de Jorge Benjor, acusando-as de serem simplistas demais. E, de fato, aqui não é diferente. Só que esse é o estilo com o qual o artista se baseia desde que começou no meio, e o que mais se adequa. Seria deslocado que ele tentasse algo mais arrojado, na linha de um Chico ou um Caetano, por exemplo. Pois é justamente nessa linguagem simples que ele consegue se comunicar melhor com o seu público.




Sendo ele mesmo, só que acompanhado nesse período de pessoas bastante talentosas, Jorge conseguiu gravar um grande disco; alegre, despojado, festeiro e malandro. Tudo com requinte e bom gosto.

Salve Jorge!


NOTA: 9/10.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Debate Sócio-Político
Porto Digital Ocupado!
O número de ocupações contra a PEC 55 (que propõe, entre outras coisas, uma profunda reforma no Ensino Médio) cresce a cada dia, e apesar de algumas dificuldades, a maioria mostra que está no caminho certo. No Recife, a mais recente instituição a ser ocupada foi a Escola em Referência de Ensino Médio (o EREM), pertencente ao Porto Digital, e localizada no bairro do Recife Antigo. Tudo começou durante a manhã de quinta (17), após as aulas serem suspensas para a realização de uma assembleia. A decisão pela ocupação do prédio foi feita como forma de antecipar o pior, já que muitos temiam que a direção da escola chamasse a polícia. 
De acordo com uma das integrantes do movimento, a organização do local está sendo feita aos poucos, para que, em breve, possam acontecer eventos, como palestras, exibição de produções audiovisuais, etc. "Ainda está tudo muito recente. Pretendemos, primeiro, limpar e reformar algumas coisas aqui dentro, para depo…
Lista

10 Melhores Discos Nacionais de 2017 (Até Agora)


Sim, meus caros, não está nada fácil. Achar os "10 melhores discos nacionais lançados em 2017 (ate agora)" demandou bastante tempo, mesmo porque, até no meio do cenário indie, anda rolando uma certa mesmice em termos de sons e atitudes, com bandas soando rigorosamente iguais umas as outras. Está faltando identidade e carisma até na nossa música alternativa, infelizmente. Mas, lamentações à parte, esta é uma pequena lista que se propõe a ser um guia atual para quem deseja saber o que anda acontecendo de bom por aí. 
Torcer, agora, para que os próximos meses sejam mais produtivos no sentido de termos mais lançamentos bons como estes.
🎵


10°
"Feeexta"
Camarones Orquestra Guitarrística


"Canções Para Depois do Ódio"
Marcelo Yuka


"Triinca" Triinca

"Galanga Livre" Rincon Sapiência

"Vênus" Tupimasala
Dica Cultural

Festival MIMO 2016
Programação Olinda


MIMO significa Mostra Internacional de Música em Olinda. E, também resistência de arte da melhor qualidade. Nasceu em 2004, na cidade pernambucana que leva seu nome, e que hoje é patrimônio histórico da humanidade. O que não significa que o festival não ocorra em outros lugares, como vem acontecendo há alguns anos. Este ano, por exemplo, em sua 13ª edição, a MIMO já desembarcou em Portugal, e nas cidades brasileiras de Ouro Preto, Tiradentes, Paraty e, nos próximos dias, no Rio de Janeiro. E, claro, haverá espaço para sua cidade natal, Olinda, que irá abarcar inúmeras atrações de peso entre os dias 18 e 20 de novembro próximos.
A seguir, a programação completa da MIMO em Olinda.


CONCERTOS

18 Novembro / Sexta-Feira

Zeca Baleiro - Violoncelo e Piano
18h - Mosteiro de São Bento / Palco Se Ligaê

João Fênix
19h - Igreja do Carmo

João Bosco & Hamilton d Holanda
19h30 - Mosteiro de São Bento / Palco Se Ligaê

Mário Laginha & Pedro Burmes…