Pular para o conteúdo principal
DICA DE DISCO

"THE SOUTHERN HARMONY AND MUSICAL COMPANION" (1992)




No começo dos anos 90, havia certa rixa no rock norte-americano entre os públicos do heavy metal e do grunge. Enquanto uns reclamavam do estilo pomposo dos metaleiros, outros criticavam a aparente "pobreza sonora" da turma das camisas de flanela. Alheios a tudo isso, existiam bandas como o Black Crowes, autênticos hippies modernos, que buscavam nos anos 60 e 70 suas principais influências, mais precisamente Faces, Stones e Led.




"The Southern..." foi o segundo lançamento deles, e captura o grupo num dos seus melhores momentos. Além das influências já citadas, o diferencial estava em instrumentistas talentosos e um vocalista fantástico (Chris Robinson). Com tais elementos, já começam esse trabalho com "Sting Me", onde coros de cantoras em estilo gospel também dão o tom. Belo início.

Logo após, vem o primeiro e principal hit do disco, "Remedy", uma daquelas composições empolgantes que, mesmo não possuindo um forte refrão (característica bastante presente em todo o álbum, diga-se), fica, facilmente, como a canção essencial na vida de muita gente. Pausa para reflexão. É assim que se materializa "Thorn in my Pride", cuja ambientação combina bem coim um quarto de muitas cores, cheio de incensos e uma conversa agradável. "Bad Luck Blue Eyes Goodbye" é um blues emocionante e com a qualidade padrão do Crowes.




Um dos ápices do trabalho aparece com "Sometimes Salvation", onde Chris Robinson dá um show de interpretação, não fazendo feio frente aos seus ídolos Rod Stwart ou Robert Plant. "Hotel Illness" é a mais fraca do álbum. Não é ruim, mas está abaixo da média se comparada às outras composições magistrais contidas aqui. "Black Moon Creeping" já semostra bem melhor, com um som dobrado incrível de guitarra e bateria.




"No Speak No Slave" e "My Morning Song" são dois rocks geniais, principalmente este últimos, com suas variações de andamento e fina apoteótico. E, o disco chega ao fim com a versão de "Time Will Tell", de Bob Marley, cuja roupagem do Crowes a deixou completamente irreconhecível, onde o ritmo é ditado apenas por violões e batuques. Um término digno de respeito.




"The Southern..." só não é melhor que a obra-prima da banda, "Amorica", lançada dois anos depois, mas estão nivelados no mesmo patamar de qualidade. Um excelente álbum, portanto, que mostrou às novas gerações como fazer um revigorante rock'n roll. Ao lado de "Harvest Moon", do grande Neil Young, foi um disco que aquela década precisava ouvir.


NOTA: 9,5/10.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lista

10 Melhores Discos Nacionais de 2017 (Até Agora)


Sim, meus caros, não está nada fácil. Achar os "10 melhores discos nacionais lançados em 2017 (ate agora)" demandou bastante tempo, mesmo porque, até no meio do cenário indie, anda rolando uma certa mesmice em termos de sons e atitudes, com bandas soando rigorosamente iguais umas as outras. Está faltando identidade e carisma até na nossa música alternativa, infelizmente. Mas, lamentações à parte, esta é uma pequena lista que se propõe a ser um guia atual para quem deseja saber o que anda acontecendo de bom por aí. 
Torcer, agora, para que os próximos meses sejam mais produtivos no sentido de termos mais lançamentos bons como estes.
🎵


10°
"Feeexta"
Camarones Orquestra Guitarrística


"Canções Para Depois do Ódio"
Marcelo Yuka


"Triinca" Triinca

"Galanga Livre" Rincon Sapiência

"Vênus" Tupimasala
Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…