Pular para o conteúdo principal
DICA DE LIVRO

"MORTE É UMA TRANSAÇÃO SOLITÁRIA" (1985)




"... há alguns anos descobri que, quanto mais eu pensava, pior meu trabalho ficava. Todo mundo acha que se deve pensar sem parar. Não, eu vou sentindo e escrevo, torno a sentir e escrevo e, no fim do dia, penso, reflito no assunto; a reflexão vem depois".

O estilo do escritor Ray Bradbury lhe é todo peculiar. Mescla, com bom domínio narrativo, elementos do cinema, o que confere maior dinamismo à leitura de seus livros. Não à toa, uma de suas melhores publicações, "Fahrenheit 451", foi bem adaptado para a tela grande pelo cineasta François Truffault. "Morte é uma transação solitária" vai pelo mesmo caminho, e se sai muito bem.

Trata-se do primeiro romance de Bradbury no gênero, o que pode ser classificado como policial fantástico. A estória, aparentemente simples, fala de misteriosas mortes ocorridas num cais flutuante na cidade de Venice, Califórnia. O clima do local torna-se ainda mais desolador devido à demolição de várias edificações antigas, entre elas um parque de diversões. O único que desconfia que as mortes, na realidade, são assassinatos é um jovem escritor, que tenta convencer um detetive (Elmo Crumley) de suas suspeitas.




A linguagem ora mostra situações diretas e claras, ora apresenta boas analogias (as carcaças dos brinquedos do parque de diversões, por exemplo, são comparadas a grandes dinossauros mortos). Há também muito onirismo no enredo, já que o jovem escritor mostra-se bastante sonhador, cujas mortes ocorridas recentemente acabam provocando seu mais profundo íntimo.

Outro ponto positivo do livro são suas referências literárias, e, principalmente, cinematográficas. Tanto é que uma das edificações a serem demolidas é um antigo cinema da cidade, onde o dono tem o jovem escritor como um grande amigo, pois este, desde criança, frequentava o lugar. Há, inclusive, uma personagem que era atriz de cinema mudo, e passa a ajudar o protagonista da estória na sua investigação dos prováveis assassinatos.




Só que assim como bons filmes policiais, "Morte é uma transação solitária" padece de alguns males; clichês muito comuns nesse tipo de narrativa. Furos e situações um tanto forçadas quebram um pouco o ritmo, fazendo o leitor se perguntar como os personagens conseguiram tal façanha ou não conseguiram enxergar coisas tão óbvias. Certas frases de efeito presentes aqui reforçam isso. Não compromete o resultado, mas são coisas que poderiam ter sido evitadas.

Mesmo assim, este continua sendo um ótimo e agradável livro de se ler. A estória é envolvente, empolgante e os personagens são carismáticos. As boas referências de alguns meios artísticos completam esse pacote de respeito que Bradbury nos oferece.


NOTA: 8,5/10.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…
Dica de Documentário

"O Ódio na Internet" (2014)
Direção: Rokhaya Diallo e Mélanie Gallard.


Infelizmente, nos últimos tempos, a Internet vem se transformado numa plataforma muito eficiente para disseminar o ódio e a intolerância. Uma das vítimas dessa recente "modalidade" na Rede foi a jornalista francesa Rokkaya Diallo. Muito ativa nas redes sociais, ela sempre expôs muito de sua opinião nelas, e isso sempre gerava discursos enraivecidos contra sua pessoa. A gota d'água foi quando recebeu, via Twitter, uma ameaça de estupro: "Alguém tem que estuprar a idiota da Rokhaya. Assim, o racismo acaba." Em ataques anteriores, Rokhaya ignorou as ofensas. Desta vez, no entanto, decidiu revidar, e foi daí que surgiu a ideia deste documentário.
Primeiro, procurou um advogado para saber que atitude tomar. Surpresa, viu que os trâmites para se denunciar um crime virtual é mais complicado do que se imagina, principalmente, devido à empresa que controla determinada pla…
DICA DE FILME

"Para Sempre Lilya" (2002)
Direção: Lukas Moodysson.


A sociedade e seus excluídos. Marginalizados. Abandonados. Mesmo quando teimam em sobreviver, são hostilizados. A bem da verdade, muito já não nem sequer uma "vida". Nesse panorama desolador, temos filmes brilhantes que retratam esses personagens de maneira bela e não-maniqueísta. "Para Sempre Lilya" é um deles.

O próprio ambiente em que se passa a estória já é desolador: uma antiga União Soviética, onde chove o tempo todo. As pessoas não se ajudam, não estão preocupadas com mais ninguém a não consigo. A mãe de Lilya se enquadra nessa categoria. Muda-se para os EUA com seu novo companheiro, deixando a filha a própria sorte.


De início, Lilya vai tentar morar com uma tia opressora, porém, obviamente, a convivência não dá certo. Vivendo praticamente na miséria, ela não vê outra alternativa a não ser se prostituir para conseguir o mínimo necessário. Seu único alento é a amizade de Volodya, um ga…