Pular para o conteúdo principal
DICA DE FILME

"LARANJA MECÂNICA" (1971)




Há várias formas de se retratar a violência. Uma delas é mostrar suas causas e efeitos, num jogo onde quem era o algoz até pouco tempo, passa a se tornar a vítima da vez. Em "Laranja Mecânica", adaptação de Stanley Kubrick do livro de Anthony Burgess, a violência não só trará consequência sérias a quem a pratica, como também abrange o seu foco. Na primeira parte do filme, o que vemos é a violência individual, mesmo que feita por grupos, onde conceitos como moral e ética já não são mais entendidos e aceitos. Já, na segunda parte, vemos a agressão institucional, do Estado, que se utiliza de indivíduos violentos para conseguir mais poder político.




O enredo, inicialmente, conta a trajetória de um bando de jovens delinquentes, liderados por Alex, um dos personagens-ícones do cinema, que passam as noites brigando, assaltando, espancando e até estuprando. Inclusive, é por esse último aspecto que o filme de Kubrick é mais controverso. Numa determinada cena, Alex estupra uma mulher e espanca seu marido cantando "Singing in the Rain". É até compreensível mostrar cenas repulsivas para dar veracidade à sua crítica contra a violência em si, mas a cena em questão é tão plástica que tanto pode ser vista como uma condenação, quanto uma apologia ao ato. A produção possui outras sequências que são igualmente violentas, mas que funcionam infinitamente melhor. A conclusão, óbvia, é que a escolha da cena do estupro foi infeliz, desnecessária e  apelativa; sem sentido, tanto quanto a mais famosa passagem de outro filme controverso, "Irreversível".




Porém, há de salientar que esse adendo está sendo feito para contrapor o fato de que o filme, em todo o seu tempo de projeção, já possui ótimas cenas de catarse e que sua ironia e seu sarcasmo para lidar com um assunto difícil quase sempre funcionam. Por exemplo, quando Alex é preso por assassinato e levado a um centro médico para um tratamento experimental, chamado de Método Ludovico, as sequências com ele numa camisa-de-força, sendo forçado a ver imagens violentas ao som de Beethoven, sua grande paixão, o filme se mostra bem mais interessante. É quando Alex, condicionado por esse novo método, passa a ter repulsa por qualquer ato violento, tendo fortes reações em seu corpo quando sente vontade de ser agressivo.

É preciso dizer também que, esteticamente, o longa envelheceu um pouco, onde o excesso de cores berrantes para mostrar uma cidade futurista já não é mais imaginada hoje. As atuações, em especial, a de Malcolm McDowell (que faz Alex) podem até ser classificadas de caricatas, mas era justamente isso o que um roteiro como o de "Laranja Mecânica" pedia: uma alta dose de deboche e sátira. E, a produção em si, mesmo se alongando um pouco além do que poderia, tem uma narrativa coesa, e não chega a ser cansativa.




Porém, a grande ironia ocorreu fora do filme. Sua temática polêmica fez com que sofresse grandes problemas de censura mundo afora, sob a alegação, justamente, de "promover a violência". No Brasil, ele só foi liberado para exibição 8 anos depois de sua estréia, com classificação para maiores de 18 anos, e com as famosas bolinhas pretas escondendo as cenas de nudez.

Mesmo com tantos problemas e escolhas que poderiam ter sido evitadas, "Laranja Mecânica" resistiu bem ao tempo, pelo fato de que a temática da violência continua sempre atual e necessária de ser debatida. O constante sarcasmo presente na produção ajuda a uma assimilação melhor do assunto, e algumas cenas, como a que encerra o filme, por exemplo, são, de fato, antológicas. Um cinema que, mesmo questionável em alguns pontos, merece (e precisa) ser visto.




CURIOSIDADE: A linguagem utilizada por Alex e sua gangue, chamada de Nadsat, foi inventada pelo autor do romance (e linguista) Anthony Burgess, que misturou palavras em inglês, russo e gírias. Para facilitar, as primeiras edições do livro traziam um glossário anexado.


NOTA: 8,5/10.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lista

10 Melhores Discos Nacionais de 2017 (Até Agora)


Sim, meus caros, não está nada fácil. Achar os "10 melhores discos nacionais lançados em 2017 (ate agora)" demandou bastante tempo, mesmo porque, até no meio do cenário indie, anda rolando uma certa mesmice em termos de sons e atitudes, com bandas soando rigorosamente iguais umas as outras. Está faltando identidade e carisma até na nossa música alternativa, infelizmente. Mas, lamentações à parte, esta é uma pequena lista que se propõe a ser um guia atual para quem deseja saber o que anda acontecendo de bom por aí. 
Torcer, agora, para que os próximos meses sejam mais produtivos no sentido de termos mais lançamentos bons como estes.
🎵


10°
"Feeexta"
Camarones Orquestra Guitarrística


"Canções Para Depois do Ódio"
Marcelo Yuka


"Triinca" Triinca

"Galanga Livre" Rincon Sapiência

"Vênus" Tupimasala
Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…