Pular para o conteúdo principal
DICA DE FILME

"O DEMÔNIO DAS ONZE HORAS" (1965)




Há muitas maneiras de se fazer poesia no cinema. Existe o artifício da metalinguagem (onde os personagens e situações literalmente "dialogam" com o espectador), o realismo fantástico (no qual coisas absurdas ocorrem com ar de naturalidade), entre tantas possibilidades. "O Demônio das Onze Horas", um dos principais filmes do cineasta da Nouvelle Vague francesa Jean-Luc Godard, utiliza esses artifícios, e se sai muito bem.

A estória gira em torno de Ferdinand (Jean-Paul Belmondo), um professor de espanhol cansado da vida fútil que leva. Em determinado momento, numa festa, ele afirma, categoricamente, a todos dali que ele está farto de conviver com idiotas todos os dias. A partir daí, ele conhece Marianne (a "musa" de Godard, Anna Karina), e foge para o sul da França, cometendo vários delitos, escondendo-se da polícia, ficando recluso em lugares abandonados, dentre outras ações que o fazem redescobrir a vida.




Claramente, a personalidade do casal principal é oposta, mesmo que ambos nutram uma paixão avassaladora um pelo outro. Enquanto, Ferdinand é o típico intelectual, sempre filosofando sobre tudo, através de citações de seus livros, Marianne é mais despojada, e só quer ser feliz, aproveitando coisas mais simples do cotidiano. Não raro, ambos têm as suas razões de ser, e, mesmo apaixonados, um não consegue compreender a essência do outro.

Dentro do enredo, ainda podemos encontrar, de forma bem direta, críticas ao estilo de vida da atual sociedade (como o fato do consumismo desenfreado implicar na falta de cultura) até coisas mais generalistas, como a Guerra do Vietnã. Os diálogos, muitos deles ácidos, expõem bem isso: "Você me fala através de palavras, e eu por sentimentos" ou "Deixei que minha empregada fosse ao cinema, pois estou fazendo a minha parte para ter um ignorante a menos no mundo". Em uma cena especialmente engraçada, os dois interpretam um pequeno teatro, onde ele faz um típico oficial norte-americano e ela um caracterizada oriental, para turistas (os "escravos modernos", segundo Ferdinand).




A poesia do filme entra não somente através das citações literárias, mas de "números musicais", protagonizados pelo casal principal, onde Godard expõe ainda mais a disparidade da personalidade de ambos, mesmo que eles dancem de forma sincronizada. Além disso, há a metalinguagem acima citada, onde eles "desabafam" suas reclamações do parceiro ao telespectador, ao mesmo tempo que refletem sobre questões como o valor da vida, o amor, a guerra, as artes, e todo e qualquer relacionamento humano.

A sequência final, mesmo trágica, é primorosa em sua força narrativa, onde vemos um Ferdinand desesperado, e utilizando da violência contra os outros e contra si para ter algum escape num mundo onde as coisas que ele e Marianne sempre cultuavam não têm vez. Um verdadeiro choque, um desfecho poderoso para coroar esse grande filme.




De certo, caso "O Demônio das Onze Horas" fosse um pouco mais curto, com cenas mais enxutas, estaria perfeito. Mesmo assim, não há muito o que reclamar aqui. Trata-se de uma bela produção, com críticas bem postas nas situações, e com uma direção realmente ousada e criativa. Além de ser uma ótima provacação em formato cinematográfico.


NOTA: 9/10.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lista

10 Melhores Discos Nacionais de 2017 (Até Agora)


Sim, meus caros, não está nada fácil. Achar os "10 melhores discos nacionais lançados em 2017 (ate agora)" demandou bastante tempo, mesmo porque, até no meio do cenário indie, anda rolando uma certa mesmice em termos de sons e atitudes, com bandas soando rigorosamente iguais umas as outras. Está faltando identidade e carisma até na nossa música alternativa, infelizmente. Mas, lamentações à parte, esta é uma pequena lista que se propõe a ser um guia atual para quem deseja saber o que anda acontecendo de bom por aí. 
Torcer, agora, para que os próximos meses sejam mais produtivos no sentido de termos mais lançamentos bons como estes.
🎵


10°
"Feeexta"
Camarones Orquestra Guitarrística


"Canções Para Depois do Ódio"
Marcelo Yuka


"Triinca" Triinca

"Galanga Livre" Rincon Sapiência

"Vênus" Tupimasala
Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Filme Mais ou Menos Recomendável

"Mulher Maravilha"
2017
Direção: Patty Jenkins


MAIS UM FILME DE SUPER-HERÓI GENÉRICO, "MULHER MARAVILHA" PECA, IRONICAMENTE, POR TER UM SUB-TEXTO MACHISTA EM SUAS ENTRELINHAS
Estamos diante de mais um filme de super-heróis, mais um do universo expandido da DC Comics no cinema, mais um com a enorme responsabilidade de entregar um material minimamente interessante, ao contrários dos pífios "Batman vs Superman" e "Esquadrão Suicida", sem dúvida, os dois piores filmes do gênero desses últimos anos, ao lado de "Quarteto Fantástico". Ou seja, "Mulher Maravilha" chega com uma tremenda carga a ser superada. A pergunta é: conseguiu cumprir a sua missão? Bem, digamos que sim e não. Ao mesmo tempo em que o filme acerta em alguns pontos que ficaram devendo em produções anteriores, ele também erra ao repetir alguns dos erros mais corriqueiros de longas do gênero, com um agravante que pode até causar certa polê…