Pular para o conteúdo principal
DICA DE DISCO

"Jef Jones" (2015)
Artista: Jef Jones.



Entra ano, sai ano, e a conversa é sempre a mesma: que o rock está morto. Se não morto, mas está quase, dando os seus últimos suspiros. Só que, para cada prognóstico negativo, a todo momento, surgem novas bandas que levam ao pé da letra as palavras de Neil Young: "Rock'n roll can't never die!" E, como missão dada, é missão cumprida, o Jef Jones está aí para provar isso.

Formado em 2012 na cidade de Jaboatão dos Guararapes, em Pernambuco, o grupo vem batalhando como pode, e já participou de festivais como O Grito do Rock e o Pré-AMP. Tendo na formação Darlan Jones (vocal), Supertramp (guitarra), Wendell (baixo) e Ícaro (bateria), lançaram a pouco seu primeiro disco. E, o resultado é um som pesado e energético; pulsante, talvez seria o mais adequado.



E, nada melhor do que começar com uma música como "Vá se Tratar". Seus primeiros acordes lembram o Green Day em seus melhores momentos (bom sinal). A voz de Darlan é suja e potente, remetendo um pouco ao Matanza. E, a banda, em geral, mostra muita competência, sem que um se sobressaia  mais do que o outro.

"O Filho da Dor", canção seguinte, remete a Bad Religion, tanto no som, quanto na letra, mais introspectiva que a anterior. O ritmo fica mais soturno ainda em "Adestradores de Você", principalmente, por causa da batida hipnótica do baixo. A guitarra new wave em alguns pontos dá um tom interessante. E, mais uma vez, a letra é muito boa.

"Cão Parte 1" possui uma sonoridade Millencolin no talo, enquanto que os vocais remetem à duas bandas maravilhosas dos anos 80 no Brasil: Replicantes e Inocentes. Como se vê, as influências da Jef Jones, diretas ou indiretas, tanto faz, estão muito bem alicerçadas, mas não significa que seja cópia. Até aqui, estão conseguindo imprimir identidade no que fazem. Ponto positivo.

"Cogumelo Boy", porém, mostra alguns defeitos. A letra e o refrão são fracos. É o tipo de música que funciona bem ao vivo, pois tem energia, mais um capricho melhor na composição teria feito a diferença. Coisa que sobra na próxima canção, "Agosto", cuja letra é melhor, mais punk, mais hardcore. E, o som é um primor. De início, lembramos dos dedilhados mais suaves do Led Zeppelin, para, depois, entrarmos na sujeira do grunge. Destaque do disco.


"Bom Ator" tem ironia bem sacada na composição, e o som se mostra arrastado e intenso. Algumas distorções na guitarra são bem interessantes, e fazem algum diferencial nela. Boa música também, mas sem ser um grande destaque. "Mente, Espírito e Carne" se trata de uma introdução acústica. São apenas 24 segundos para preparar o ouvinte para o que vem por aí.

E, preparem-se, porque "Tirania" é puro hardcore. Punk até o osso, deverá ser presença garantida nos shows, para a felicidade dos headbangers de plantão. Para terminar, "Undergound" tem um swing inusitado para a proposta do disco. E, ficou muito interessante. Em certo momento, a guitarra nos leva às insanidades de Tom Morello, do Rage Against the Machine.

Audição acabada, e um sorriso de satisfação no rosto.

Mesmo com a necessidade de uns ajustes aqui e acolá, a Jef Jones está no caminho certo. Soube dosar bem as influências, para criar algo com identidade e frescor. Agora, é esperar novos petardos para os ouvidos.

O rock morreu, mesmo?

NOTA: 8/10.

Link para ouvir o disco:
https://jefjones.bandcamp.com/releases

Fan Page Facebook:
https://www.facebook.com/jefjonesbrasil?fref=ts

Contatos:
(81) 99990.0699 e (81) 98706.7130 (Darlan Jones)
jefjonesoficial@gmail.com

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Debate Sócio-Político
Porto Digital Ocupado!
O número de ocupações contra a PEC 55 (que propõe, entre outras coisas, uma profunda reforma no Ensino Médio) cresce a cada dia, e apesar de algumas dificuldades, a maioria mostra que está no caminho certo. No Recife, a mais recente instituição a ser ocupada foi a Escola em Referência de Ensino Médio (o EREM), pertencente ao Porto Digital, e localizada no bairro do Recife Antigo. Tudo começou durante a manhã de quinta (17), após as aulas serem suspensas para a realização de uma assembleia. A decisão pela ocupação do prédio foi feita como forma de antecipar o pior, já que muitos temiam que a direção da escola chamasse a polícia. 
De acordo com uma das integrantes do movimento, a organização do local está sendo feita aos poucos, para que, em breve, possam acontecer eventos, como palestras, exibição de produções audiovisuais, etc. "Ainda está tudo muito recente. Pretendemos, primeiro, limpar e reformar algumas coisas aqui dentro, para depo…
Lista

10 Melhores Discos Nacionais de 2017 (Até Agora)


Sim, meus caros, não está nada fácil. Achar os "10 melhores discos nacionais lançados em 2017 (ate agora)" demandou bastante tempo, mesmo porque, até no meio do cenário indie, anda rolando uma certa mesmice em termos de sons e atitudes, com bandas soando rigorosamente iguais umas as outras. Está faltando identidade e carisma até na nossa música alternativa, infelizmente. Mas, lamentações à parte, esta é uma pequena lista que se propõe a ser um guia atual para quem deseja saber o que anda acontecendo de bom por aí. 
Torcer, agora, para que os próximos meses sejam mais produtivos no sentido de termos mais lançamentos bons como estes.
🎵


10°
"Feeexta"
Camarones Orquestra Guitarrística


"Canções Para Depois do Ódio"
Marcelo Yuka


"Triinca" Triinca

"Galanga Livre" Rincon Sapiência

"Vênus" Tupimasala
Dica Cultural

Festival MIMO 2016
Programação Olinda


MIMO significa Mostra Internacional de Música em Olinda. E, também resistência de arte da melhor qualidade. Nasceu em 2004, na cidade pernambucana que leva seu nome, e que hoje é patrimônio histórico da humanidade. O que não significa que o festival não ocorra em outros lugares, como vem acontecendo há alguns anos. Este ano, por exemplo, em sua 13ª edição, a MIMO já desembarcou em Portugal, e nas cidades brasileiras de Ouro Preto, Tiradentes, Paraty e, nos próximos dias, no Rio de Janeiro. E, claro, haverá espaço para sua cidade natal, Olinda, que irá abarcar inúmeras atrações de peso entre os dias 18 e 20 de novembro próximos.
A seguir, a programação completa da MIMO em Olinda.


CONCERTOS

18 Novembro / Sexta-Feira

Zeca Baleiro - Violoncelo e Piano
18h - Mosteiro de São Bento / Palco Se Ligaê

João Fênix
19h - Igreja do Carmo

João Bosco & Hamilton d Holanda
19h30 - Mosteiro de São Bento / Palco Se Ligaê

Mário Laginha & Pedro Burmes…