Pular para o conteúdo principal
DICA DE FILME

"A História da Eternidade" (2014)
Direção: Camilo Cavalcante.


Algumas obras no cinema são de difícil classificação, e até de entendimento. Recentemente, a sétima arte nos deu "A árvore da Vida" e "Holy Motors", dois filmes que precisam ser assistidos com a atenção necessária para pegar cada uma de suas sutilezas. Só que há outras produções que tentam enveredar por esse caminho, de entendimentos mais subjetivos e implícitos, mas que não consegue, no fim das contas. "A História da Eternidade" exemplifica isso, apesar de ser um tanto interessante.

O problema aqui talvez resida mesmo na direção. Mais particularmente o que atrapalha é o excesso de zelo técnico. Pode parecer incrível, mas é isso mesmo. São imagens muito trabalhadas, milimetricamente pensadas, e realizadas com rigor. Lindas, admitamos. Porém, vazias de propósito na maioria das vezes. É muita contemplação, é poca humanidade, pouco sentimento, pouca pulsação. Parecem pinturas sem vida, apenas.




O que salva "A História da Eternidade" são os atores A entrega ao personagem de cada um deles é o que luz ao filme, e acaba criando um contraste inusitado. Parece, quase o tempo todo, que eles estão deslocados nas cenas, como se, independente do roteiro, estivessem em outro plano, onde as cenas nem pano de fundo são. Inusitado e perceptível, isso gera certo "travamento" nas sequências, que poderiam ter maior fluidez, mas a estrutura na deixa.

Tais recursos técnicos em excesso parecem querer dizer algo o tempo todo. Até identificamos que se trata do desejo pelo amor, pela liberdade e pela esperança. Porém, a forma, geralmente, não mostra naturalidade. Mesmo assim, alguns momentos soam espontâneos, e elevam um pouco o filme, como quando a personagem Alfonsina molha o rosto com água salgada pelo desejo de conhecer o mar, ou quando um sanfoneiro cego declara sua paixão por Querência.



No entanto, são situações espaças, raras. Somente depois de mais de uma hora de projeção, o filme ganha força como um todo, e a direção deixa a estória fluir. Não à toa, é o momento da produção com maiores conflitos, onde o ápice dos sentimentos guardados de cada um explode em busca de algo. É aí, e somente aí, que "A História da Eternidade" pareceu ser um conjunto completo, não dependendo mais dos atores, nem de um ou outro momento isolado.

Ser poético e simbólico no cinema precisa mais do que estética. A sorte de Camilo Cavalcante (que também é responsável pelo roteiro) é que ele contou com o talento de gente como Irandhir Santos, Marcella Cartaxo, entre outros, que se sobressaem mais do que qualquer imagem. Mas, um elogio tem de ser feito: a trilha sonora é ótima. Cada música combina perfeitamente com cada situação, e é outro recurso (além das atuações) que ajuda o espectador a entender o que se quer passar aqui.



Ao final, é a vida querendo sair, ser liberta, ganhar asas, ou nadar. É ir de encontro às tradições que oprimem. É buscar a felicidade, mesmo como uma maneira de redenção. E, o amor proibido, aquele que nos desafia a irmos além. Só que, se é pra falar disso (o que é, de fato, importante), outros filmes brasileiros se saíram melhor ao combater a rigidez dos costumes, como "Abril Despedaçado" ou "Lavoura Arcaica". Mesmo que estes sejam baseados em livros ("A História da Eternidade" tem roteiro original), seus realizadores souberam equilibrar melhor as coisas.

Apesar dos pormenores, trata-se de uma produção interessante, bem cuidada, que merece ser vista. Só que mais naturalidade ao contar a estória do cotidiano dos personagens, e um domínio melhor das sutilezas, teriam transformado o resultado final em algo fascinante, a gerar reflexões, e a desconcertar o espectador. Bonito, sim, mas, em muitos aspectos, não mais que isso.

NOTA: 7/10.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lista

10 Melhores Discos Nacionais de 2017 (Até Agora)


Sim, meus caros, não está nada fácil. Achar os "10 melhores discos nacionais lançados em 2017 (ate agora)" demandou bastante tempo, mesmo porque, até no meio do cenário indie, anda rolando uma certa mesmice em termos de sons e atitudes, com bandas soando rigorosamente iguais umas as outras. Está faltando identidade e carisma até na nossa música alternativa, infelizmente. Mas, lamentações à parte, esta é uma pequena lista que se propõe a ser um guia atual para quem deseja saber o que anda acontecendo de bom por aí. 
Torcer, agora, para que os próximos meses sejam mais produtivos no sentido de termos mais lançamentos bons como estes.
🎵


10°
"Feeexta"
Camarones Orquestra Guitarrística


"Canções Para Depois do Ódio"
Marcelo Yuka


"Triinca" Triinca

"Galanga Livre" Rincon Sapiência

"Vênus" Tupimasala
Debate Sócio-Político
Porto Digital Ocupado!
O número de ocupações contra a PEC 55 (que propõe, entre outras coisas, uma profunda reforma no Ensino Médio) cresce a cada dia, e apesar de algumas dificuldades, a maioria mostra que está no caminho certo. No Recife, a mais recente instituição a ser ocupada foi a Escola em Referência de Ensino Médio (o EREM), pertencente ao Porto Digital, e localizada no bairro do Recife Antigo. Tudo começou durante a manhã de quinta (17), após as aulas serem suspensas para a realização de uma assembleia. A decisão pela ocupação do prédio foi feita como forma de antecipar o pior, já que muitos temiam que a direção da escola chamasse a polícia. 
De acordo com uma das integrantes do movimento, a organização do local está sendo feita aos poucos, para que, em breve, possam acontecer eventos, como palestras, exibição de produções audiovisuais, etc. "Ainda está tudo muito recente. Pretendemos, primeiro, limpar e reformar algumas coisas aqui dentro, para depo…
Filme Mais ou Menos Recomendável

"Mulher Maravilha"
2017
Direção: Patty Jenkins


MAIS UM FILME DE SUPER-HERÓI GENÉRICO, "MULHER MARAVILHA" PECA, IRONICAMENTE, POR TER UM SUB-TEXTO MACHISTA EM SUAS ENTRELINHAS
Estamos diante de mais um filme de super-heróis, mais um do universo expandido da DC Comics no cinema, mais um com a enorme responsabilidade de entregar um material minimamente interessante, ao contrários dos pífios "Batman vs Superman" e "Esquadrão Suicida", sem dúvida, os dois piores filmes do gênero desses últimos anos, ao lado de "Quarteto Fantástico". Ou seja, "Mulher Maravilha" chega com uma tremenda carga a ser superada. A pergunta é: conseguiu cumprir a sua missão? Bem, digamos que sim e não. Ao mesmo tempo em que o filme acerta em alguns pontos que ficaram devendo em produções anteriores, ele também erra ao repetir alguns dos erros mais corriqueiros de longas do gênero, com um agravante que pode até causar certa polê…