Pular para o conteúdo principal
DICA DE FILME

"O Chamado" (1998)
Direção: Hideo Nakata. 



Depois que Hollywood encontrou um forma de faturar alto, fazendo remakes de filmes de outros continentes, mas, com uma visão toda "particular" deles, várias produções ganharam a aura de cult pelo mundo todo. Em especial, o gênero terror no Japão passou a ser bem conceituado, e vários fãs passaram a buscar uma renovação nesse tipo de filme através de produções da terra do sol nascente.

"O Chamado" foi um dos primeiros a conseguir essa façanha. Refilmado em 2002 nos EUA, mas com resultado muito inferior, o original merece a fama que ganhou ao longo dos anos, e permanece como um dos mais originais filmes da safra recente no Japão. Agora, é bom dizer que ele está mais para suspense do que para terror, propriamente dito, e aí que reside a sua qualidade.




Sem se preocupar em dar sustos aleatórios a todo momento, a produção vai envolvendo o espectador num clima de angústia e desespero, que é mais eficiente do que rangido de portas, entre outros barulhos estranhos. E, esse envolvimento só é possível porque a estória é muito bem bolada, e corretamente contada, sem grandes furos.

Imaginem vocês encontrarem uma fita, cuja gravação mostra imagens desconexas, estranhas, sem sentido. Recebem um telefonema dizendo que, em uma semana, vão morrer. Até que, realmente, depois desse prazo, morrem. Pois, é. A narrativa tem esse intrigante enredo como base, onde uma jornalista, que investiga se essa estória é ou não lenda, também acaba caindo na tal maldição.



O que se segue é uma investigação sobre como reverter isso. Em paralelo, ela e seu ex-marido, que também assiste à fita, vão descobrindo a tenebrosa estória que está por trás daquelas imagens. E, talvez seja a única maneira de se salvarem  Cada dia é mostrado em tela, como uma contagem regressiva antes do fim.

De uma coisa não temos do reclamar: o filme tem clima, e muito. Os acontecimentos não têm pressa de acontecerem, e cada um é bem colocado na trama, o que vai explicando, aos poucos, qual a origem da gravação, entre outras coisas. E, é isso o que dá medo; não saber nada, e só ir descobrindo aos poucos. O desconhecido é o que mais assusta.



As atuações, por sinal, tão criticadas em filmes asiáticos, estão até bem comedidas, discretas, de uma certa forma, exagerando nos momentos certos, quando se exige que mostrem real pavor diante de um terror que se aproxima. A direção é minuciosa, eficaz. E, a trilha completa o resto, com bastante intensidade.

Como é de costume em bons filmes do gênero, o final é inesperado e ambíguo, deixando o espectador um pouco confuso, e tentado entender o que se passou. Justamente, é o que falta nesse tipo de filme por aqui, e o que faltou no remake, e nas inúmeras continuações que a franquia teve: um cuidado com a estória, não oferecendo nada de mão beijada ou de forma gratuita. E, sempre com inteligência.


"O Chamado" realmente vale o quanto pesa, Pra quem ainda não viu as versões norte-americanas, não perca tempo com elas. Vá direto na fonte. É muito mais produtivo e recompensador, sem dúvida. Afinal, a originalidade, geralmente, supera a cópia.


NOTA: 8,5/10.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…
Dica de Disco

"Shade"
2017
Artista: Living Colour


BANDA CLÁSSICA DOS ANOS 80 CONTINUA NA ATIVA, E ACABA DE LANÇAR UM DISCAÇO DE ROCK QUE VALE A PENA SER OUVIDO ATÉ O ÚLTIMO SEGUNDO
O Living Colour foi um dos melhores grupos de rock surgidos nos anos 80, e que continuaram a ter relativo sucesso no início da década de 90. Entre idas e vindas, a banda já não lançava material inédito desde 2009, com o bom "The Chair in the Doorway". Eis que, em 2017, surge "Shade", 6º álbum de estúdio deles, e que comprova que o som do Living Colour não se tornou nem um pouco datado, visto que aqui vamos encontrar todos os elementos que tornaram a banda mundialmente conhecida, e que, ao mesmo tempo, ainda soa moderno e contagiante.



"Primos" de som do Red Hot Chilli Peppers e do Faith no More, o Living Colour, ao contrário destes, continua, ainda nos dias de hoje, com uma regularidade muito bacana em sua música, mesmo depois de mais de 30 anos de carreira. Isso se deve a…