Pular para o conteúdo principal
DICA DE FILME

"O Chamado" (1998)
Direção: Hideo Nakata. 



Depois que Hollywood encontrou um forma de faturar alto, fazendo remakes de filmes de outros continentes, mas, com uma visão toda "particular" deles, várias produções ganharam a aura de cult pelo mundo todo. Em especial, o gênero terror no Japão passou a ser bem conceituado, e vários fãs passaram a buscar uma renovação nesse tipo de filme através de produções da terra do sol nascente.

"O Chamado" foi um dos primeiros a conseguir essa façanha. Refilmado em 2002 nos EUA, mas com resultado muito inferior, o original merece a fama que ganhou ao longo dos anos, e permanece como um dos mais originais filmes da safra recente no Japão. Agora, é bom dizer que ele está mais para suspense do que para terror, propriamente dito, e aí que reside a sua qualidade.




Sem se preocupar em dar sustos aleatórios a todo momento, a produção vai envolvendo o espectador num clima de angústia e desespero, que é mais eficiente do que rangido de portas, entre outros barulhos estranhos. E, esse envolvimento só é possível porque a estória é muito bem bolada, e corretamente contada, sem grandes furos.

Imaginem vocês encontrarem uma fita, cuja gravação mostra imagens desconexas, estranhas, sem sentido. Recebem um telefonema dizendo que, em uma semana, vão morrer. Até que, realmente, depois desse prazo, morrem. Pois, é. A narrativa tem esse intrigante enredo como base, onde uma jornalista, que investiga se essa estória é ou não lenda, também acaba caindo na tal maldição.



O que se segue é uma investigação sobre como reverter isso. Em paralelo, ela e seu ex-marido, que também assiste à fita, vão descobrindo a tenebrosa estória que está por trás daquelas imagens. E, talvez seja a única maneira de se salvarem  Cada dia é mostrado em tela, como uma contagem regressiva antes do fim.

De uma coisa não temos do reclamar: o filme tem clima, e muito. Os acontecimentos não têm pressa de acontecerem, e cada um é bem colocado na trama, o que vai explicando, aos poucos, qual a origem da gravação, entre outras coisas. E, é isso o que dá medo; não saber nada, e só ir descobrindo aos poucos. O desconhecido é o que mais assusta.



As atuações, por sinal, tão criticadas em filmes asiáticos, estão até bem comedidas, discretas, de uma certa forma, exagerando nos momentos certos, quando se exige que mostrem real pavor diante de um terror que se aproxima. A direção é minuciosa, eficaz. E, a trilha completa o resto, com bastante intensidade.

Como é de costume em bons filmes do gênero, o final é inesperado e ambíguo, deixando o espectador um pouco confuso, e tentado entender o que se passou. Justamente, é o que falta nesse tipo de filme por aqui, e o que faltou no remake, e nas inúmeras continuações que a franquia teve: um cuidado com a estória, não oferecendo nada de mão beijada ou de forma gratuita. E, sempre com inteligência.


"O Chamado" realmente vale o quanto pesa, Pra quem ainda não viu as versões norte-americanas, não perca tempo com elas. Vá direto na fonte. É muito mais produtivo e recompensador, sem dúvida. Afinal, a originalidade, geralmente, supera a cópia.


NOTA: 8,5/10.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Debate Sócio-Político
Porto Digital Ocupado!
O número de ocupações contra a PEC 55 (que propõe, entre outras coisas, uma profunda reforma no Ensino Médio) cresce a cada dia, e apesar de algumas dificuldades, a maioria mostra que está no caminho certo. No Recife, a mais recente instituição a ser ocupada foi a Escola em Referência de Ensino Médio (o EREM), pertencente ao Porto Digital, e localizada no bairro do Recife Antigo. Tudo começou durante a manhã de quinta (17), após as aulas serem suspensas para a realização de uma assembleia. A decisão pela ocupação do prédio foi feita como forma de antecipar o pior, já que muitos temiam que a direção da escola chamasse a polícia. 
De acordo com uma das integrantes do movimento, a organização do local está sendo feita aos poucos, para que, em breve, possam acontecer eventos, como palestras, exibição de produções audiovisuais, etc. "Ainda está tudo muito recente. Pretendemos, primeiro, limpar e reformar algumas coisas aqui dentro, para depo…
Lista

10 Melhores Discos Nacionais de 2017 (Até Agora)


Sim, meus caros, não está nada fácil. Achar os "10 melhores discos nacionais lançados em 2017 (ate agora)" demandou bastante tempo, mesmo porque, até no meio do cenário indie, anda rolando uma certa mesmice em termos de sons e atitudes, com bandas soando rigorosamente iguais umas as outras. Está faltando identidade e carisma até na nossa música alternativa, infelizmente. Mas, lamentações à parte, esta é uma pequena lista que se propõe a ser um guia atual para quem deseja saber o que anda acontecendo de bom por aí. 
Torcer, agora, para que os próximos meses sejam mais produtivos no sentido de termos mais lançamentos bons como estes.
🎵


10°
"Feeexta"
Camarones Orquestra Guitarrística


"Canções Para Depois do Ódio"
Marcelo Yuka


"Triinca" Triinca

"Galanga Livre" Rincon Sapiência

"Vênus" Tupimasala
Dica Cultural

Festival MIMO 2016
Programação Olinda


MIMO significa Mostra Internacional de Música em Olinda. E, também resistência de arte da melhor qualidade. Nasceu em 2004, na cidade pernambucana que leva seu nome, e que hoje é patrimônio histórico da humanidade. O que não significa que o festival não ocorra em outros lugares, como vem acontecendo há alguns anos. Este ano, por exemplo, em sua 13ª edição, a MIMO já desembarcou em Portugal, e nas cidades brasileiras de Ouro Preto, Tiradentes, Paraty e, nos próximos dias, no Rio de Janeiro. E, claro, haverá espaço para sua cidade natal, Olinda, que irá abarcar inúmeras atrações de peso entre os dias 18 e 20 de novembro próximos.
A seguir, a programação completa da MIMO em Olinda.


CONCERTOS

18 Novembro / Sexta-Feira

Zeca Baleiro - Violoncelo e Piano
18h - Mosteiro de São Bento / Palco Se Ligaê

João Fênix
19h - Igreja do Carmo

João Bosco & Hamilton d Holanda
19h30 - Mosteiro de São Bento / Palco Se Ligaê

Mário Laginha & Pedro Burmes…