Pular para o conteúdo principal
Dica de Filme

"The Blood - Os Filhos do Medo" (1979)
Direção: David Cronenberg.


Está bem difícil meter medo no espectador de cinema atualmente. Na realidade, os recentes filmes de terror assustam mais pelo nível de ruindade do que pela história em si. Parece que foi-se o tempo em que se sabia como mexer com os sentimentos de pavor das pessoas. E, Cronenberg sabia muito bem como fazer isso.

Este "The Blood" é o seu segundo trabalho. Mas, mesmo precocemente, o cineasta, demonstra grande domínio sobre sua obra, descrevendo como pouco no gênero o mal intrínseco a nós. E, o filme, além disso, possui algo de muito autobiográfico. Nessa época, ele estava passando por um processo intenso de divórcio, e isso, com certeza contribuiu para o desenvolvimento da trama.

De que se trata o enredo, afinal? Primeiro, logo no começo, vemos uma cena que parece ser uma encenação teatral. E, de fato, é. Porém, o que estamos vendo não é uma peça de ficção, mas, um "tratamento psiquiátrico", conduzido pelo Dr. Hal Raglan. Tal tratamento é muito simples: o doutor instiga o paciente a "soltar os seus demônios" (medo, angústias, sofrimentos e, principalmente, raiva), e assim, enfrentá-los da melhor forma. Ele batiza o método de psicoplasma.




Paralelo a isso, conhecemos Frank e sua filha pequena, Candice, que mora com com ele. Frank está passando por um processo doloroso de separação (entenderam a semelhança com a vida particular de Cronenberg?), e, agora, a sua ex-esposa, Nola, está se tratando com o Dr. Hal. Devido a trumas de infância, ela já tinha problemas psicológicos sérios, mas, com o divórcio, a situação se agrava. É quando acontecimentos estranhos envolvendo criaturas macabras passam a aterrorizar todos.

Falar mais da história é desnecessário, pois estragaria qualquer boa surpresa. E, acreditem, tudo é muito bem conduzido pelo diretor. Praticamente, não encontramos furos de roteiro aqui, diferentemente da grande maioria de produções do gênero de hoje, que forçam a mão em situações pouco convincentes. As atitudes dos personagens são bastante parecidas com a realidade, o que mostra uma preocupação de simplesmente não avançar a trama usando de artifícios sem nexo.




O clima que impera também é pesado e muito tenso. Não esperem alívios cômicos pra descontrair a plateia. Por sinal, a aura que paira na produção não tem os histrionismos típicos das produções norte-americanas em geral. A história é contada até com certa calma, com cada fato acontecendo no momento certo. E, as atuações, em especial, a de Samantha Eggar, como Nola, chegam ao ponto de surpreenderem. Não há um tom caricato na caracterização dos personagens, outra raridade no meio.

E, é claro, temos uma boa quantidade de imagens aterrorizantes e desagradáveis no filme, marca registrada de Cronenberg. Mas, o que em outro diretor, ficaria algo apelativo, com o cnieasta canadense, suas imagens repulsivas têm um fio narrativo, uma razão de existirem para o enredo fluir, e não um mero exercício estético. Sim, choca alguns desavisados, porém, fica difícil imaginar os melhores momentos das produções de Cronenberg sem isso.




"The Blood" é uma aula de como fazer um filme de terror autêntico, quase como fez William Friedkin com "O Exorcista" (guardadas suas devidas proporções). Em ambos os casos, o terror (explícito) se confunde com o horror (implícito), este, muitas vezes, pior, mostrando o quando a alma humana pode ser sórdida. Controlar esse equilíbrio é importante para produzir o medo, elemento essencial nesse tipo de filme, e que Cronenberg sabia fazer como poucos.


Nota: 8,5/10. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…
Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Disco

"Shade"
2017
Artista: Living Colour


BANDA CLÁSSICA DOS ANOS 80 CONTINUA NA ATIVA, E ACABA DE LANÇAR UM DISCAÇO DE ROCK QUE VALE A PENA SER OUVIDO ATÉ O ÚLTIMO SEGUNDO
O Living Colour foi um dos melhores grupos de rock surgidos nos anos 80, e que continuaram a ter relativo sucesso no início da década de 90. Entre idas e vindas, a banda já não lançava material inédito desde 2009, com o bom "The Chair in the Doorway". Eis que, em 2017, surge "Shade", 6º álbum de estúdio deles, e que comprova que o som do Living Colour não se tornou nem um pouco datado, visto que aqui vamos encontrar todos os elementos que tornaram a banda mundialmente conhecida, e que, ao mesmo tempo, ainda soa moderno e contagiante.



"Primos" de som do Red Hot Chilli Peppers e do Faith no More, o Living Colour, ao contrário destes, continua, ainda nos dias de hoje, com uma regularidade muito bacana em sua música, mesmo depois de mais de 30 anos de carreira. Isso se deve a…