Pular para o conteúdo principal
Dica de Filme

"The Blood - Os Filhos do Medo" (1979)
Direção: David Cronenberg.


Está bem difícil meter medo no espectador de cinema atualmente. Na realidade, os recentes filmes de terror assustam mais pelo nível de ruindade do que pela história em si. Parece que foi-se o tempo em que se sabia como mexer com os sentimentos de pavor das pessoas. E, Cronenberg sabia muito bem como fazer isso.

Este "The Blood" é o seu segundo trabalho. Mas, mesmo precocemente, o cineasta, demonstra grande domínio sobre sua obra, descrevendo como pouco no gênero o mal intrínseco a nós. E, o filme, além disso, possui algo de muito autobiográfico. Nessa época, ele estava passando por um processo intenso de divórcio, e isso, com certeza contribuiu para o desenvolvimento da trama.

De que se trata o enredo, afinal? Primeiro, logo no começo, vemos uma cena que parece ser uma encenação teatral. E, de fato, é. Porém, o que estamos vendo não é uma peça de ficção, mas, um "tratamento psiquiátrico", conduzido pelo Dr. Hal Raglan. Tal tratamento é muito simples: o doutor instiga o paciente a "soltar os seus demônios" (medo, angústias, sofrimentos e, principalmente, raiva), e assim, enfrentá-los da melhor forma. Ele batiza o método de psicoplasma.




Paralelo a isso, conhecemos Frank e sua filha pequena, Candice, que mora com com ele. Frank está passando por um processo doloroso de separação (entenderam a semelhança com a vida particular de Cronenberg?), e, agora, a sua ex-esposa, Nola, está se tratando com o Dr. Hal. Devido a trumas de infância, ela já tinha problemas psicológicos sérios, mas, com o divórcio, a situação se agrava. É quando acontecimentos estranhos envolvendo criaturas macabras passam a aterrorizar todos.

Falar mais da história é desnecessário, pois estragaria qualquer boa surpresa. E, acreditem, tudo é muito bem conduzido pelo diretor. Praticamente, não encontramos furos de roteiro aqui, diferentemente da grande maioria de produções do gênero de hoje, que forçam a mão em situações pouco convincentes. As atitudes dos personagens são bastante parecidas com a realidade, o que mostra uma preocupação de simplesmente não avançar a trama usando de artifícios sem nexo.




O clima que impera também é pesado e muito tenso. Não esperem alívios cômicos pra descontrair a plateia. Por sinal, a aura que paira na produção não tem os histrionismos típicos das produções norte-americanas em geral. A história é contada até com certa calma, com cada fato acontecendo no momento certo. E, as atuações, em especial, a de Samantha Eggar, como Nola, chegam ao ponto de surpreenderem. Não há um tom caricato na caracterização dos personagens, outra raridade no meio.

E, é claro, temos uma boa quantidade de imagens aterrorizantes e desagradáveis no filme, marca registrada de Cronenberg. Mas, o que em outro diretor, ficaria algo apelativo, com o cnieasta canadense, suas imagens repulsivas têm um fio narrativo, uma razão de existirem para o enredo fluir, e não um mero exercício estético. Sim, choca alguns desavisados, porém, fica difícil imaginar os melhores momentos das produções de Cronenberg sem isso.




"The Blood" é uma aula de como fazer um filme de terror autêntico, quase como fez William Friedkin com "O Exorcista" (guardadas suas devidas proporções). Em ambos os casos, o terror (explícito) se confunde com o horror (implícito), este, muitas vezes, pior, mostrando o quando a alma humana pode ser sórdida. Controlar esse equilíbrio é importante para produzir o medo, elemento essencial nesse tipo de filme, e que Cronenberg sabia fazer como poucos.


Nota: 8,5/10. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Debate Sócio-Político
Porto Digital Ocupado!
O número de ocupações contra a PEC 55 (que propõe, entre outras coisas, uma profunda reforma no Ensino Médio) cresce a cada dia, e apesar de algumas dificuldades, a maioria mostra que está no caminho certo. No Recife, a mais recente instituição a ser ocupada foi a Escola em Referência de Ensino Médio (o EREM), pertencente ao Porto Digital, e localizada no bairro do Recife Antigo. Tudo começou durante a manhã de quinta (17), após as aulas serem suspensas para a realização de uma assembleia. A decisão pela ocupação do prédio foi feita como forma de antecipar o pior, já que muitos temiam que a direção da escola chamasse a polícia. 
De acordo com uma das integrantes do movimento, a organização do local está sendo feita aos poucos, para que, em breve, possam acontecer eventos, como palestras, exibição de produções audiovisuais, etc. "Ainda está tudo muito recente. Pretendemos, primeiro, limpar e reformar algumas coisas aqui dentro, para depo…
Lista

10 Melhores Discos Nacionais de 2017 (Até Agora)


Sim, meus caros, não está nada fácil. Achar os "10 melhores discos nacionais lançados em 2017 (ate agora)" demandou bastante tempo, mesmo porque, até no meio do cenário indie, anda rolando uma certa mesmice em termos de sons e atitudes, com bandas soando rigorosamente iguais umas as outras. Está faltando identidade e carisma até na nossa música alternativa, infelizmente. Mas, lamentações à parte, esta é uma pequena lista que se propõe a ser um guia atual para quem deseja saber o que anda acontecendo de bom por aí. 
Torcer, agora, para que os próximos meses sejam mais produtivos no sentido de termos mais lançamentos bons como estes.
🎵


10°
"Feeexta"
Camarones Orquestra Guitarrística


"Canções Para Depois do Ódio"
Marcelo Yuka


"Triinca" Triinca

"Galanga Livre" Rincon Sapiência

"Vênus" Tupimasala
Dica Cultural

Festival MIMO 2016
Programação Olinda


MIMO significa Mostra Internacional de Música em Olinda. E, também resistência de arte da melhor qualidade. Nasceu em 2004, na cidade pernambucana que leva seu nome, e que hoje é patrimônio histórico da humanidade. O que não significa que o festival não ocorra em outros lugares, como vem acontecendo há alguns anos. Este ano, por exemplo, em sua 13ª edição, a MIMO já desembarcou em Portugal, e nas cidades brasileiras de Ouro Preto, Tiradentes, Paraty e, nos próximos dias, no Rio de Janeiro. E, claro, haverá espaço para sua cidade natal, Olinda, que irá abarcar inúmeras atrações de peso entre os dias 18 e 20 de novembro próximos.
A seguir, a programação completa da MIMO em Olinda.


CONCERTOS

18 Novembro / Sexta-Feira

Zeca Baleiro - Violoncelo e Piano
18h - Mosteiro de São Bento / Palco Se Ligaê

João Fênix
19h - Igreja do Carmo

João Bosco & Hamilton d Holanda
19h30 - Mosteiro de São Bento / Palco Se Ligaê

Mário Laginha & Pedro Burmes…