Pular para o conteúdo principal
Filme (mais ou menos) Recomendável

"Guardiões da Galáxia" (2014)
Direção: James Gunn.


O que ainda esperar de filmes de super-heróis? Pode parecer preconceito, mas, verdade seja dita: geralmente, esse tipo de produção oferece, quase sempre, o velho feijão com arroz. Heróis e vilões com as mesmas motivações, a mesma carga melodramática, os mesmos alívios cômicos, os mesmos efeitos visuais (nem sempre deslumbrantes). Enfim, não é que todo e qualquer filme do gênero seja ruim, mas, é, no mínimo, desapontador que nos quadrinhos tenhamos um tom mais bem elaborado que no cinema.

Então, quando chega algo que, aparentemente, está acima da média, é saudado como uma obra-prima. Este "Guardiões da Galáxia", por exemplo. Há um consenso de que se trata da melhor adaptação cinematográfica da Marvel, ao lado de "Capitão América 2". E, de fato, é. Porém, os outros filmes da editora são tão fracos que ser o melhor entre eles acaba não sendo muita coisa. E, falando a verdade, tirando o hype em torno dele, vamos encontrar muitos clichês que acabam nivelando o filme por baixo. Pois, é. Friamente analisando, "Guardiões da Galáxia" é um pouco lugar comum.




E, a história tinha até um grande potencial: um grupo de foras da lei que se tornam heróis involuntários, mas que continuam tendo muitas atitudes criminosas. Embalando esse enredo, temos uma inusitada homenagem à cultura dos anos 70/80, graças ao protagonista Peter Quill. É dele alguns dos momentos mais interessantes quando, por exemplo, cisma em "resgatar" um walkman que foi presente de sua mãe. Claro que essa é a deixa para uma excelente trilha sonora ser pano de fundo para muitas cenas. E, a maioria dessas sequência funciona, deixando o filme com ar mais descontraído e despretensiosamente divertido.

O problema é que a trama não demora a mostrar os seus defeitos. De furos de roteiro incríveis até a construção de um vilão totalmente sem graça, a produção se rende a inúmeras armadilhas que já vimos tantas vezes em tantas ocasiões. Há momentos constrangedores, como, por exemplo, quando Peter salva sua paixão Gamora da morte certa, com direito a música romântica e tudo. Já, em outras circunstâncias, as piadas, simplesmente, não funcionam, que nem a dança ridícula que Peter faz para distrair o vilão na parte final. Era pra ser engraçada, só que virou "vergonha alheia" fácil.




No entanto, "Guardiões da Galáxia" também tem seus predicados. Além da trilha sonora, alguns personagens são bem construídos e carismáticos, como o guaxinim Rocket Racoon e seu fiel companheiro Groot, um humanóide vegetal. Detalhe que a voz de Groot é de Vin Diesel, que deve ter se divertido mais do que a gente, sem dúvida. Só que é interessante notar que esse mesmo carisma que esses personagens têm, outros, não possuem nem um pouco. Mesmo sendo o protagonista, Peter Quiil é irritante e dispensável, bem como Gamora. Drax, o Destruidor tem uma ou outra piada legal, mas, também não é devidamente aproveitado. E, não nos esqueçamos do fraco vilão.

Isso tudo sem contar que o próprio filme se perde um pouco na sua segunda metade. Durante um hora, o espectador se diverte, canta junto e se deslumbra com o bonito visual da produção fácil, fácil. Mas, depois que os guardiões decidem enfrentar o perigo, bancando os heróis, o filme trai a si mesmo. A história fica chata, clichê e arrastada. É muita tensão e drama para algo que, a priori, deveria ser descompromissado, relax, quase debochado. Tudo se resolve de maneira muito igual a tantas outras obras do gênero que já vimos antes, e o filme cai na mesmice. Não à toa, a tela fica mais inundada ainda de efeitos especiais, correria, explosões, etc.




No saldo geral, "Guardiões da Galáxia" até cumpre o que promete, em parte. Tem ótimas sacadas nostálgicas da cultura pop, possui alguns bons personagens, outros, nem tanto. Mas, rende-se à velha fórmula muito descaradamente. Não há ousadia, não há a ânsia de fazer algo diferente do começo ao fim. É melhor do que muitas produções da Marvel? Sim, claro, não neguemos isso. Só que ainda está num patamar abaixo de algo que, honestamente, é marcante. Diverte, é uma ótima Sessão da Tarde, no entanto, não vai além. Uma pena.


Nota: 6/10.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…
Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Documentário

"O Ódio na Internet" (2014)
Direção: Rokhaya Diallo e Mélanie Gallard.


Infelizmente, nos últimos tempos, a Internet vem se transformado numa plataforma muito eficiente para disseminar o ódio e a intolerância. Uma das vítimas dessa recente "modalidade" na Rede foi a jornalista francesa Rokkaya Diallo. Muito ativa nas redes sociais, ela sempre expôs muito de sua opinião nelas, e isso sempre gerava discursos enraivecidos contra sua pessoa. A gota d'água foi quando recebeu, via Twitter, uma ameaça de estupro: "Alguém tem que estuprar a idiota da Rokhaya. Assim, o racismo acaba." Em ataques anteriores, Rokhaya ignorou as ofensas. Desta vez, no entanto, decidiu revidar, e foi daí que surgiu a ideia deste documentário.
Primeiro, procurou um advogado para saber que atitude tomar. Surpresa, viu que os trâmites para se denunciar um crime virtual é mais complicado do que se imagina, principalmente, devido à empresa que controla determinada pla…