Pular para o conteúdo principal
Filme (mais ou menos) Recomendável

"Guardiões da Galáxia" (2014)
Direção: James Gunn.


O que ainda esperar de filmes de super-heróis? Pode parecer preconceito, mas, verdade seja dita: geralmente, esse tipo de produção oferece, quase sempre, o velho feijão com arroz. Heróis e vilões com as mesmas motivações, a mesma carga melodramática, os mesmos alívios cômicos, os mesmos efeitos visuais (nem sempre deslumbrantes). Enfim, não é que todo e qualquer filme do gênero seja ruim, mas, é, no mínimo, desapontador que nos quadrinhos tenhamos um tom mais bem elaborado que no cinema.

Então, quando chega algo que, aparentemente, está acima da média, é saudado como uma obra-prima. Este "Guardiões da Galáxia", por exemplo. Há um consenso de que se trata da melhor adaptação cinematográfica da Marvel, ao lado de "Capitão América 2". E, de fato, é. Porém, os outros filmes da editora são tão fracos que ser o melhor entre eles acaba não sendo muita coisa. E, falando a verdade, tirando o hype em torno dele, vamos encontrar muitos clichês que acabam nivelando o filme por baixo. Pois, é. Friamente analisando, "Guardiões da Galáxia" é um pouco lugar comum.




E, a história tinha até um grande potencial: um grupo de foras da lei que se tornam heróis involuntários, mas que continuam tendo muitas atitudes criminosas. Embalando esse enredo, temos uma inusitada homenagem à cultura dos anos 70/80, graças ao protagonista Peter Quill. É dele alguns dos momentos mais interessantes quando, por exemplo, cisma em "resgatar" um walkman que foi presente de sua mãe. Claro que essa é a deixa para uma excelente trilha sonora ser pano de fundo para muitas cenas. E, a maioria dessas sequência funciona, deixando o filme com ar mais descontraído e despretensiosamente divertido.

O problema é que a trama não demora a mostrar os seus defeitos. De furos de roteiro incríveis até a construção de um vilão totalmente sem graça, a produção se rende a inúmeras armadilhas que já vimos tantas vezes em tantas ocasiões. Há momentos constrangedores, como, por exemplo, quando Peter salva sua paixão Gamora da morte certa, com direito a música romântica e tudo. Já, em outras circunstâncias, as piadas, simplesmente, não funcionam, que nem a dança ridícula que Peter faz para distrair o vilão na parte final. Era pra ser engraçada, só que virou "vergonha alheia" fácil.




No entanto, "Guardiões da Galáxia" também tem seus predicados. Além da trilha sonora, alguns personagens são bem construídos e carismáticos, como o guaxinim Rocket Racoon e seu fiel companheiro Groot, um humanóide vegetal. Detalhe que a voz de Groot é de Vin Diesel, que deve ter se divertido mais do que a gente, sem dúvida. Só que é interessante notar que esse mesmo carisma que esses personagens têm, outros, não possuem nem um pouco. Mesmo sendo o protagonista, Peter Quiil é irritante e dispensável, bem como Gamora. Drax, o Destruidor tem uma ou outra piada legal, mas, também não é devidamente aproveitado. E, não nos esqueçamos do fraco vilão.

Isso tudo sem contar que o próprio filme se perde um pouco na sua segunda metade. Durante um hora, o espectador se diverte, canta junto e se deslumbra com o bonito visual da produção fácil, fácil. Mas, depois que os guardiões decidem enfrentar o perigo, bancando os heróis, o filme trai a si mesmo. A história fica chata, clichê e arrastada. É muita tensão e drama para algo que, a priori, deveria ser descompromissado, relax, quase debochado. Tudo se resolve de maneira muito igual a tantas outras obras do gênero que já vimos antes, e o filme cai na mesmice. Não à toa, a tela fica mais inundada ainda de efeitos especiais, correria, explosões, etc.




No saldo geral, "Guardiões da Galáxia" até cumpre o que promete, em parte. Tem ótimas sacadas nostálgicas da cultura pop, possui alguns bons personagens, outros, nem tanto. Mas, rende-se à velha fórmula muito descaradamente. Não há ousadia, não há a ânsia de fazer algo diferente do começo ao fim. É melhor do que muitas produções da Marvel? Sim, claro, não neguemos isso. Só que ainda está num patamar abaixo de algo que, honestamente, é marcante. Diverte, é uma ótima Sessão da Tarde, no entanto, não vai além. Uma pena.


Nota: 6/10.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Debate Sócio-Político
Porto Digital Ocupado!
O número de ocupações contra a PEC 55 (que propõe, entre outras coisas, uma profunda reforma no Ensino Médio) cresce a cada dia, e apesar de algumas dificuldades, a maioria mostra que está no caminho certo. No Recife, a mais recente instituição a ser ocupada foi a Escola em Referência de Ensino Médio (o EREM), pertencente ao Porto Digital, e localizada no bairro do Recife Antigo. Tudo começou durante a manhã de quinta (17), após as aulas serem suspensas para a realização de uma assembleia. A decisão pela ocupação do prédio foi feita como forma de antecipar o pior, já que muitos temiam que a direção da escola chamasse a polícia. 
De acordo com uma das integrantes do movimento, a organização do local está sendo feita aos poucos, para que, em breve, possam acontecer eventos, como palestras, exibição de produções audiovisuais, etc. "Ainda está tudo muito recente. Pretendemos, primeiro, limpar e reformar algumas coisas aqui dentro, para depo…
Lista

10 Melhores Discos Nacionais de 2017 (Até Agora)


Sim, meus caros, não está nada fácil. Achar os "10 melhores discos nacionais lançados em 2017 (ate agora)" demandou bastante tempo, mesmo porque, até no meio do cenário indie, anda rolando uma certa mesmice em termos de sons e atitudes, com bandas soando rigorosamente iguais umas as outras. Está faltando identidade e carisma até na nossa música alternativa, infelizmente. Mas, lamentações à parte, esta é uma pequena lista que se propõe a ser um guia atual para quem deseja saber o que anda acontecendo de bom por aí. 
Torcer, agora, para que os próximos meses sejam mais produtivos no sentido de termos mais lançamentos bons como estes.
🎵


10°
"Feeexta"
Camarones Orquestra Guitarrística


"Canções Para Depois do Ódio"
Marcelo Yuka


"Triinca" Triinca

"Galanga Livre" Rincon Sapiência

"Vênus" Tupimasala
Dica Cultural

Festival MIMO 2016
Programação Olinda


MIMO significa Mostra Internacional de Música em Olinda. E, também resistência de arte da melhor qualidade. Nasceu em 2004, na cidade pernambucana que leva seu nome, e que hoje é patrimônio histórico da humanidade. O que não significa que o festival não ocorra em outros lugares, como vem acontecendo há alguns anos. Este ano, por exemplo, em sua 13ª edição, a MIMO já desembarcou em Portugal, e nas cidades brasileiras de Ouro Preto, Tiradentes, Paraty e, nos próximos dias, no Rio de Janeiro. E, claro, haverá espaço para sua cidade natal, Olinda, que irá abarcar inúmeras atrações de peso entre os dias 18 e 20 de novembro próximos.
A seguir, a programação completa da MIMO em Olinda.


CONCERTOS

18 Novembro / Sexta-Feira

Zeca Baleiro - Violoncelo e Piano
18h - Mosteiro de São Bento / Palco Se Ligaê

João Fênix
19h - Igreja do Carmo

João Bosco & Hamilton d Holanda
19h30 - Mosteiro de São Bento / Palco Se Ligaê

Mário Laginha & Pedro Burmes…