Pular para o conteúdo principal
Dica de Filme

"Cobra Verde" (1987)
Direção: Werner Herzog.


Falar sobre a relação tempestuosa de Werzog e Kinski é chover no molhado. E, que essa relação gerou trabalhos brilhantes, também é de conhecimento geral. Mas, na época de "Cobra Verde", não se imaginava que essa seria a última parceria entre o diretor e o ator. Quatro anos mais tarde, Kinski morria, deixando um legado de excelentes atuações, a maioria sob o comando de Herzog. Este filme, portanto, serve como um belíssimo testamento dele.

Atributos não faltam para classificar "Cobra Verde" como um grande trabalho. Primeiro, o cineasta, conhecido por complicar o andamento de seus filmes devido às difíceis locações que escolhia, dessa vez, escolheu três lugares distintos: Brasil, Colômbia e Ghana, no litoral africano. O resultado dessa mescla de paisagens é soberbo. O ambiente vira quase um personagem à parte na trama, expondo muito dos sentimento do protagonista.




E, falando em protagonista, como em outras ocasiões, Kinski faz, aqui, um personagem, à primeira vista, detestável, mas, que entendemos que foi brutalizado pelo ambiente em que vive. Cobra Verde é, sim, um fora da lei, gosta de se deitar com várias mulheres e é ambicioso. Mas, não é tão diferente quanto os coronéis que escravizam negros, nem os insanos imperadores africanos que também escravizam o seu povo. Cobra Verde, no meio destes, vira quase um herói.

A saga do personagem é longa e tortuosa. Da fama de bandido, passando por capataz em fazendas de cana de açúcar, até ser levado para a África para morrer, passamos a ter uma empatia estranha por Cobra Verde. Vibramos quando ele enxota um clérigo da Igreja que está "abençoando" escravos, e quando ele comanda um exército de amazonas contra um tirano num país africano. Automaticamente, também ficamos tristes com a sua angústia e o seu desespero quando ele se dá conta do vazio da vida.




Mas, mesmo o foco do filme sendo Cobra Verde, Herzog parece querer dizer mais do que simplesmente mostrar a vida desajustada do protagonista. Mensagens no início e no término da produção sintetizam tudo: "Um dia, os escravos arrebentam as correntes de seus senhores, e criam asas". A cena final (um grupo de meninas de uma etnia africana dançando alegremente) diz muito a respeito disso. É a vida pulsando, a necessidade da liberdade, mostrando que aquele povo também é humano, têm cultura, vitalidade e energia. Metáforas poderosas.

É preciso dizer que Kinski está um monstro em seu papel? Bem, é preciso, sim, porque não é todo o dia que nos deparamos com tamanha força da natureza em tela. O ator dá o sangue em cenas cruciais, como o ataque à aldeia do tirano imperador, e na sua última sequência, uma tentativa desesperada de sair dali e voltar pra casa. Essa cena, inclusive, que também é uma ótima analogia do esgotamento nervoso do ator, que, a olhos vistos, "sofreu" nas mãos de Herzog.




Um filme forte, como vários significados. É, igualmente, uma fantástica despedida dessa parceria ator/diretor, que já nos brindou com os maravilhosos "Aguirre" e "Nosferatu", por exemplo. Além do mais,"Cobra Verde" é um filme tão denso e brutal que parece ter "matado" Kinski por dentro, devido à sua intensa sensibilidade. De fato, ele demonstra, em muitos momentos, que não aguentou estar em contato com realidades tão duras.

Kinski se despede em grande estilo.


Nota: 9/10.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lista

10 Melhores Discos Nacionais de 2017 (Até Agora)


Sim, meus caros, não está nada fácil. Achar os "10 melhores discos nacionais lançados em 2017 (ate agora)" demandou bastante tempo, mesmo porque, até no meio do cenário indie, anda rolando uma certa mesmice em termos de sons e atitudes, com bandas soando rigorosamente iguais umas as outras. Está faltando identidade e carisma até na nossa música alternativa, infelizmente. Mas, lamentações à parte, esta é uma pequena lista que se propõe a ser um guia atual para quem deseja saber o que anda acontecendo de bom por aí. 
Torcer, agora, para que os próximos meses sejam mais produtivos no sentido de termos mais lançamentos bons como estes.
🎵


10°
"Feeexta"
Camarones Orquestra Guitarrística


"Canções Para Depois do Ódio"
Marcelo Yuka


"Triinca" Triinca

"Galanga Livre" Rincon Sapiência

"Vênus" Tupimasala
Debate Sócio-Político
Porto Digital Ocupado!
O número de ocupações contra a PEC 55 (que propõe, entre outras coisas, uma profunda reforma no Ensino Médio) cresce a cada dia, e apesar de algumas dificuldades, a maioria mostra que está no caminho certo. No Recife, a mais recente instituição a ser ocupada foi a Escola em Referência de Ensino Médio (o EREM), pertencente ao Porto Digital, e localizada no bairro do Recife Antigo. Tudo começou durante a manhã de quinta (17), após as aulas serem suspensas para a realização de uma assembleia. A decisão pela ocupação do prédio foi feita como forma de antecipar o pior, já que muitos temiam que a direção da escola chamasse a polícia. 
De acordo com uma das integrantes do movimento, a organização do local está sendo feita aos poucos, para que, em breve, possam acontecer eventos, como palestras, exibição de produções audiovisuais, etc. "Ainda está tudo muito recente. Pretendemos, primeiro, limpar e reformar algumas coisas aqui dentro, para depo…
Filme Mais ou Menos Recomendável

"Mulher Maravilha"
2017
Direção: Patty Jenkins


MAIS UM FILME DE SUPER-HERÓI GENÉRICO, "MULHER MARAVILHA" PECA, IRONICAMENTE, POR TER UM SUB-TEXTO MACHISTA EM SUAS ENTRELINHAS
Estamos diante de mais um filme de super-heróis, mais um do universo expandido da DC Comics no cinema, mais um com a enorme responsabilidade de entregar um material minimamente interessante, ao contrários dos pífios "Batman vs Superman" e "Esquadrão Suicida", sem dúvida, os dois piores filmes do gênero desses últimos anos, ao lado de "Quarteto Fantástico". Ou seja, "Mulher Maravilha" chega com uma tremenda carga a ser superada. A pergunta é: conseguiu cumprir a sua missão? Bem, digamos que sim e não. Ao mesmo tempo em que o filme acerta em alguns pontos que ficaram devendo em produções anteriores, ele também erra ao repetir alguns dos erros mais corriqueiros de longas do gênero, com um agravante que pode até causar certa polê…