Pular para o conteúdo principal
Dica de Filme

"A Vida é Bela" (1998)
Direção: Roberto Benigni.


Num documentário sobre o filme "O Grande Ditador", de Chaplin, alguém diz que "a melhor maneira de combater um regime autoritário é rir dele, mostrar o quanto ele é patético". Só que, pra alguns, fazer graça com algo como a guerra pode parecer de mau gosto. Quando o cineasta italiano Roberto Benigni fez a sua fábula sobre o assunto, muita gente, à época, ficou com o pé atrás. Será que "A Vida é Bela" conseguiria manter a mesma força da obra-prima de Chaplin? A resposta foi além das expectativas.

O que Benigni realizou foi muito simples (de tão desconcertante): "A Vida é Bela" é uma ode à beleza da vida, às coisas simples, ao humor ingênuo. E, quando se presta ao ridículo é para criticar o autoritarismo das ditaduras, que são, todas elas, ridículas, mesmo. Ajuda o fato do ritmo do filme ser elétrico, pulsante, muito apropriado para a escola italiana de cinema, que muitos taxam de histriônica. Mas, aqui, essa estética funcionou muito bem.




O diretor ainda acumula a função de ator principal, assim como um Chaplin moderno, e o resultado é tão ótimo quanto. A energia de sua atuação casou bem com a proposta do personagem que ele interpreta, Guido, um garçom que pensa em montar uma livraria e vive inventando histórias para tornar a vida dos que estão ao seu redor mais alegres. A primeira metade do filme mostra ele aos encontros e desencontros com Dora, seu grande amor.

Mesmo em meio a brincadeiras até bobas, o roteiro encontra espaço para críticas bem direcionadas. Numa sequência, Guido assume o papel de um inspetor escolar que vai fazer uma palestra para crianças sobre a raça superior dos arianos. A cena é hilária, com Benigni usando aquele humor tipicamente corporal para demonstrar o quanto é idiota a ideia de uma raça superior. O outro momento de igual impacto, mas, sem humor, é quando, numa conversa trivial, algumas pessoas dissertam normalmente problemas matemáticos envolvendo o extermínio de vidas humanas. Tal abordagem é chocante (e, feita de maneira genial).




Já, a segunda parte de "A Vida é Bela" é peculiar. Sim, continuamos a rir com as peripécias de Guido e sua brilhante imaginação. Mas, agora, o riso vem acompanhado do mais profundo aperto da alam. É quando Guido, Dora e o filho dos dois, Giosué, são levados para um Campo de Concentração nazista durante a Segunda Guerra. E, aí está a grandeza do filme: o pai, temeroso pela perda da inocência do filho em meio a uma tragédia dessas, mente pra ele, dizendo que tudo se trata de um jogo.

É nessa parte que temos cenas memoráveis. Como não se emocionar (e, rir também) quando Guido finge falar alemão para "traduzir" a fala de um oficial nazista na frente do filho, "explicando" as regras do jogo? É tremendamente forte e tocante ver o esforço dele para preservar a mente de criança de seu filho. Também pode ser vista como uma crítica a nós, adultos, que, com o passar do tempo, às vezes, por coisas menores que uma guerra, perdemos essa sensibilidade lúdica, infantil.




Há de se elogiar muito a atuação de Giorgio Cantarini, que interpreta Giosué. Apenas uma criança na época, ele consegue transmitir bastante carisma, inteligência e delicadeza de seu personagem-mirim. A química com Benigni funciona em praticamente todas as cenas, fazendo com que a gente consiga enxergar ali uma relação pura de amor entre pai e filho como poucas vezes vimos na história do cinema. E, olhem que estamos falando de uma comédia, a priori.

Mas, é bom ressaltar que "A Vida é Bela" não se encaixa muito bem em rótulos. Em essência, é uma comédia. Só que também é drama e filme de guerra (um dos melhores já feitos, inclusive). A questão é que reúne, em quase duas horas, a magia de um verdadeiro cinema, aquele que mexe positivamente com nossas emoções, nossa intuição, nosso senso crítico. Comunga tudo isso de maneira a nos fazer acreditar que a vida, apesar da barbárie cotiana, ainda continua sendo bela. Bastando criarmos nosso próprio ponto de vista.


Nota: 9,5/10. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…
Dica de Disco

"Shade"
2017
Artista: Living Colour


BANDA CLÁSSICA DOS ANOS 80 CONTINUA NA ATIVA, E ACABA DE LANÇAR UM DISCAÇO DE ROCK QUE VALE A PENA SER OUVIDO ATÉ O ÚLTIMO SEGUNDO
O Living Colour foi um dos melhores grupos de rock surgidos nos anos 80, e que continuaram a ter relativo sucesso no início da década de 90. Entre idas e vindas, a banda já não lançava material inédito desde 2009, com o bom "The Chair in the Doorway". Eis que, em 2017, surge "Shade", 6º álbum de estúdio deles, e que comprova que o som do Living Colour não se tornou nem um pouco datado, visto que aqui vamos encontrar todos os elementos que tornaram a banda mundialmente conhecida, e que, ao mesmo tempo, ainda soa moderno e contagiante.



"Primos" de som do Red Hot Chilli Peppers e do Faith no More, o Living Colour, ao contrário destes, continua, ainda nos dias de hoje, com uma regularidade muito bacana em sua música, mesmo depois de mais de 30 anos de carreira. Isso se deve a…