Pular para o conteúdo principal
Dica de Filme

"A Vida é Bela" (1998)
Direção: Roberto Benigni.


Num documentário sobre o filme "O Grande Ditador", de Chaplin, alguém diz que "a melhor maneira de combater um regime autoritário é rir dele, mostrar o quanto ele é patético". Só que, pra alguns, fazer graça com algo como a guerra pode parecer de mau gosto. Quando o cineasta italiano Roberto Benigni fez a sua fábula sobre o assunto, muita gente, à época, ficou com o pé atrás. Será que "A Vida é Bela" conseguiria manter a mesma força da obra-prima de Chaplin? A resposta foi além das expectativas.

O que Benigni realizou foi muito simples (de tão desconcertante): "A Vida é Bela" é uma ode à beleza da vida, às coisas simples, ao humor ingênuo. E, quando se presta ao ridículo é para criticar o autoritarismo das ditaduras, que são, todas elas, ridículas, mesmo. Ajuda o fato do ritmo do filme ser elétrico, pulsante, muito apropriado para a escola italiana de cinema, que muitos taxam de histriônica. Mas, aqui, essa estética funcionou muito bem.




O diretor ainda acumula a função de ator principal, assim como um Chaplin moderno, e o resultado é tão ótimo quanto. A energia de sua atuação casou bem com a proposta do personagem que ele interpreta, Guido, um garçom que pensa em montar uma livraria e vive inventando histórias para tornar a vida dos que estão ao seu redor mais alegres. A primeira metade do filme mostra ele aos encontros e desencontros com Dora, seu grande amor.

Mesmo em meio a brincadeiras até bobas, o roteiro encontra espaço para críticas bem direcionadas. Numa sequência, Guido assume o papel de um inspetor escolar que vai fazer uma palestra para crianças sobre a raça superior dos arianos. A cena é hilária, com Benigni usando aquele humor tipicamente corporal para demonstrar o quanto é idiota a ideia de uma raça superior. O outro momento de igual impacto, mas, sem humor, é quando, numa conversa trivial, algumas pessoas dissertam normalmente problemas matemáticos envolvendo o extermínio de vidas humanas. Tal abordagem é chocante (e, feita de maneira genial).




Já, a segunda parte de "A Vida é Bela" é peculiar. Sim, continuamos a rir com as peripécias de Guido e sua brilhante imaginação. Mas, agora, o riso vem acompanhado do mais profundo aperto da alam. É quando Guido, Dora e o filho dos dois, Giosué, são levados para um Campo de Concentração nazista durante a Segunda Guerra. E, aí está a grandeza do filme: o pai, temeroso pela perda da inocência do filho em meio a uma tragédia dessas, mente pra ele, dizendo que tudo se trata de um jogo.

É nessa parte que temos cenas memoráveis. Como não se emocionar (e, rir também) quando Guido finge falar alemão para "traduzir" a fala de um oficial nazista na frente do filho, "explicando" as regras do jogo? É tremendamente forte e tocante ver o esforço dele para preservar a mente de criança de seu filho. Também pode ser vista como uma crítica a nós, adultos, que, com o passar do tempo, às vezes, por coisas menores que uma guerra, perdemos essa sensibilidade lúdica, infantil.




Há de se elogiar muito a atuação de Giorgio Cantarini, que interpreta Giosué. Apenas uma criança na época, ele consegue transmitir bastante carisma, inteligência e delicadeza de seu personagem-mirim. A química com Benigni funciona em praticamente todas as cenas, fazendo com que a gente consiga enxergar ali uma relação pura de amor entre pai e filho como poucas vezes vimos na história do cinema. E, olhem que estamos falando de uma comédia, a priori.

Mas, é bom ressaltar que "A Vida é Bela" não se encaixa muito bem em rótulos. Em essência, é uma comédia. Só que também é drama e filme de guerra (um dos melhores já feitos, inclusive). A questão é que reúne, em quase duas horas, a magia de um verdadeiro cinema, aquele que mexe positivamente com nossas emoções, nossa intuição, nosso senso crítico. Comunga tudo isso de maneira a nos fazer acreditar que a vida, apesar da barbárie cotiana, ainda continua sendo bela. Bastando criarmos nosso próprio ponto de vista.


Nota: 9,5/10. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Debate Sócio-Político
Porto Digital Ocupado!
O número de ocupações contra a PEC 55 (que propõe, entre outras coisas, uma profunda reforma no Ensino Médio) cresce a cada dia, e apesar de algumas dificuldades, a maioria mostra que está no caminho certo. No Recife, a mais recente instituição a ser ocupada foi a Escola em Referência de Ensino Médio (o EREM), pertencente ao Porto Digital, e localizada no bairro do Recife Antigo. Tudo começou durante a manhã de quinta (17), após as aulas serem suspensas para a realização de uma assembleia. A decisão pela ocupação do prédio foi feita como forma de antecipar o pior, já que muitos temiam que a direção da escola chamasse a polícia. 
De acordo com uma das integrantes do movimento, a organização do local está sendo feita aos poucos, para que, em breve, possam acontecer eventos, como palestras, exibição de produções audiovisuais, etc. "Ainda está tudo muito recente. Pretendemos, primeiro, limpar e reformar algumas coisas aqui dentro, para depo…
Lista

10 Melhores Discos Nacionais de 2017 (Até Agora)


Sim, meus caros, não está nada fácil. Achar os "10 melhores discos nacionais lançados em 2017 (ate agora)" demandou bastante tempo, mesmo porque, até no meio do cenário indie, anda rolando uma certa mesmice em termos de sons e atitudes, com bandas soando rigorosamente iguais umas as outras. Está faltando identidade e carisma até na nossa música alternativa, infelizmente. Mas, lamentações à parte, esta é uma pequena lista que se propõe a ser um guia atual para quem deseja saber o que anda acontecendo de bom por aí. 
Torcer, agora, para que os próximos meses sejam mais produtivos no sentido de termos mais lançamentos bons como estes.
🎵


10°
"Feeexta"
Camarones Orquestra Guitarrística


"Canções Para Depois do Ódio"
Marcelo Yuka


"Triinca" Triinca

"Galanga Livre" Rincon Sapiência

"Vênus" Tupimasala
Dica Cultural

Festival MIMO 2016
Programação Olinda


MIMO significa Mostra Internacional de Música em Olinda. E, também resistência de arte da melhor qualidade. Nasceu em 2004, na cidade pernambucana que leva seu nome, e que hoje é patrimônio histórico da humanidade. O que não significa que o festival não ocorra em outros lugares, como vem acontecendo há alguns anos. Este ano, por exemplo, em sua 13ª edição, a MIMO já desembarcou em Portugal, e nas cidades brasileiras de Ouro Preto, Tiradentes, Paraty e, nos próximos dias, no Rio de Janeiro. E, claro, haverá espaço para sua cidade natal, Olinda, que irá abarcar inúmeras atrações de peso entre os dias 18 e 20 de novembro próximos.
A seguir, a programação completa da MIMO em Olinda.


CONCERTOS

18 Novembro / Sexta-Feira

Zeca Baleiro - Violoncelo e Piano
18h - Mosteiro de São Bento / Palco Se Ligaê

João Fênix
19h - Igreja do Carmo

João Bosco & Hamilton d Holanda
19h30 - Mosteiro de São Bento / Palco Se Ligaê

Mário Laginha & Pedro Burmes…