Pular para o conteúdo principal
Debate Sócio-Político

Reafirmando Projetos e Ideais
Por Erick Silva



E, eis que chegamos na publicação de nº 300 do Punhado de Coisas. Desde 2014, estamos aqui, disponibilizando este espaço para debates, sugestões e toda a sorte de conversas. Seja sobre música, cinema, literatura, sociedade, política, etc., o blog não se furta a falar de nada. Mas, aqui se tem princípios. O respeito e a tolerância a qualquer um são primordiais neste espaço. E, mesmo que ela esteja capenga, a Democracia tem espaço mais do que reservado por aqui.

Nesse mesmo sentido, há coisas que repudiamos no Punhado, e essas sempre valerão como o nosso norte moral. Nada de preconceitos de qualquer espécie, muito menos, discursos de ódio e apologia a ditaduras, sejam elas de qual ideologias forem (Direita, Esquerda, Socialismo, Capitalismo, não importa). O bom debate precisa ser estimulado, principalmente, em tempos onde verdades absolutas fazem das pessoas autênticos "touros indomáveis", prestes a aniquilar com o "outro".

Ao mesmo tempo, nesses anos, o blog sempre estimulou o conhecimento à arte. Mas, a arte fora dos holofotes, fora dos grandes meios de comunicação, que, muitas vezes, têm mais a dizer do que o mainstream. Não que o que seja "popular" não tenha valor (longe disso). Cartola, por exemplo, era bastante popular. Só que hoje, contaminada pela pasteurização da cultura, a arte (seja no cinema, na música ou na literatura) está, em geral, feita de forma padronizada, sem diferenciações. Combatendo isso, o Punhado de Coisas diz "não" a essa cultura feita exclusivamente para consumo rápido.

Mas, não tem sido um trabalho fácil. Ódio e preguiça parecem andar lado a lado nesses tempos. Ou se evita o diálogo, ou se o temos, gritamos, berramos com o outros, tentando impor nossa opinião. Uma perigosa polarização meio que está de volta, e isso vem contaminando a livre forma de pensamento, onde você é uma coisa ou outra. A conversa se nivela por baixo, e todos perdem, metidos em jargões, falácias e lugares comuns. O Punhado de Coisas também repudia, veementemente, esse tipo de cenário. Que dias melhores, e com mais paz, venham.

Por fim, reafirmamos nosso compromisso básico de trocar ideias, informações e experiências, e fim de crescermos como seres humanos, e refletirmos nosso lugar neste mundo, que se não é o melhor que poderíamos ter, é aonde estamos, e por isso, temos plenas condições de fazermos ações que, mesmo pequenas, melhorem a nossa existência e a dos demais. Continuaremos nessa luta, mesmo com as eventuais dificuldades, mas, com a boa inquietação de deveres a serem cumpridos.

Nota: a imagem que ilustra o texto mostra a ativista Tess Asplund enfrentando cerca de 300 neonazistas numa marcha na Suécia, no último 1º de Maio.

É essa, portanto, a reafirmação da qual precisamos.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…
Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Disco

"Shade"
2017
Artista: Living Colour


BANDA CLÁSSICA DOS ANOS 80 CONTINUA NA ATIVA, E ACABA DE LANÇAR UM DISCAÇO DE ROCK QUE VALE A PENA SER OUVIDO ATÉ O ÚLTIMO SEGUNDO
O Living Colour foi um dos melhores grupos de rock surgidos nos anos 80, e que continuaram a ter relativo sucesso no início da década de 90. Entre idas e vindas, a banda já não lançava material inédito desde 2009, com o bom "The Chair in the Doorway". Eis que, em 2017, surge "Shade", 6º álbum de estúdio deles, e que comprova que o som do Living Colour não se tornou nem um pouco datado, visto que aqui vamos encontrar todos os elementos que tornaram a banda mundialmente conhecida, e que, ao mesmo tempo, ainda soa moderno e contagiante.



"Primos" de som do Red Hot Chilli Peppers e do Faith no More, o Living Colour, ao contrário destes, continua, ainda nos dias de hoje, com uma regularidade muito bacana em sua música, mesmo depois de mais de 30 anos de carreira. Isso se deve a…