Pular para o conteúdo principal
Dica de Disco

"Killer be Killed" (2015)
Artista: Killer be Killed.


Super grupos são um belo exercício de arejada em artistas que querem tocar de forma mais livre do que nas suas bandas originais. O Killer be Killed ainda prova que o resultado pode soar até melhor do nos grupos originais de cada integrante. Temos, por exemplo, Max Cavalera, atualmente no Soulfly e no Cavalera Conspiracy, que está bastante à vontade tocando guitarra e tendo apenas algumas incursões vocais aqui e acolá, sem tantos holofotes.

Na realidade, a atenção se concentra, nos dois outros cantores, o baixista Troy Sanders (do Mastodon) e Greg Puciato (do The Dilinger Escape Plan). E, cada um trazendo sua marca registrada, mesclando os vocais, às vezes, na mesma música, mas, soando com uma unidade incrível. Troy com sua voz cavernosa e arrastada e Greg puxado mais para um hardcore melódico. Completa o quarteto a metralhadora na bateria Dave Elitch, que era do Mars Volta.

Este primeiro registro do grupo é um conjunto de ótimas e energéticas músicas, que, justamente, por serem executadas por artistas de diferente vertentes do rock pesado, acaba soando eclético e com vigor. A primeira música do disco, "Wings of Feather and Wax" demonstra bem isso. Enquanto o "corpo" da canção fica por conta das potentes vozes de Max e Troy, o pegajoso refrão fica a cargo de Greg. É facilmente um hit (de qualidade, diga-se).

Clipe oficial de "Wings of Feather and Wax":


A faixa seguinte, "Face Down", consegue ser ainda mais pesada que a antecessora, com todos os vocalistas mostrando excelente forma (até o melódico Greg, que, nessa música, parece ter incorporado o próprio Max Cavalera). Só que chega "Melting of My Marrow", e, com ela, um clima bem mais arrastado do que ela pede. O destaque são Max e Troy, mas, a canção é apenas passável. Até boa, mas, bem inferior às duas primeiras.

As coisas voltam ao eixos com "Snakes of Jehovah", que com suas mudanças de andamento, não enjoa em momento algum. Nessa, não há lugar para partes melódicas, onde todos os integrantes são o destaque.  Inclusive, essa é daquelas músicas que ficam ótimas ao vivo, pois ela tem muito de um hardcore rápido e muito pesado. É o que pode ser dito da quem vem a seguir, "Curb Crusher", cuja introdução seca de bateria preconiza muita velocidade e energia, lembrando muitos dos melhores momentos recentes do Mastodon.

Clipe oficial de "Snakes of Jehovah":


"Save the Robots" começa climática, e tem uma aura mais alternativa. Aqui, temos algo mais voltado pro new metal, com uma mistura de Deftones com Slipknot, só que soando bem melhor do que essas referidas bandas. Ponto pro Killer be Killed. A veloz e potente "Fire To Your Flag" já remete a um Lamb of God da vida, com partes até bem trabalhadas. Já, a modorrenta "I.E.D." até tenta empolgar, mas, não engrena. Parece no piloto automático o tempo todo. Faixa desnecessária.

Mas, aí chega aquela que é, sem sombra de dúvida, a melhor canção do disco: "Dust Into Darkness". O peso nos leva, de início, a pensar no bom e velho Sabbath, para depois desembocar num refrão espetacular cantado com muita competência por Greg Puciato. Não tem como não cantá-la após umas duas ouvidas. Catarse sonora. Em seguida temos mais duas boas faixas: a cadenciada "Twelve Labors" e a quase experimental "Forbidden Fire". Se não são as melhores do trabalho, ao menos fecham o álbum com categoria.

Clipe oficial de "Curb Crusher": 


E, no final, o que temos aqui é um ótimo e audível disco do bom heavy metal, daqueles que dá vontade de ouvir de novo ao seu término. Mesclando o que de melhor cada integrante trouxe de suas bandas originais, o conjunto acabou ficando diversificado, descendo redondo. Não vai revolucionar o rock pesado, mas, proporciona uma ótima diversão durante suas 11 pedradas certeiras. Que o Killer be Killed não tenha ficado somente nesse primeiro registro.


Nota: 8,5/10.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…
Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Disco

"Shade"
2017
Artista: Living Colour


BANDA CLÁSSICA DOS ANOS 80 CONTINUA NA ATIVA, E ACABA DE LANÇAR UM DISCAÇO DE ROCK QUE VALE A PENA SER OUVIDO ATÉ O ÚLTIMO SEGUNDO
O Living Colour foi um dos melhores grupos de rock surgidos nos anos 80, e que continuaram a ter relativo sucesso no início da década de 90. Entre idas e vindas, a banda já não lançava material inédito desde 2009, com o bom "The Chair in the Doorway". Eis que, em 2017, surge "Shade", 6º álbum de estúdio deles, e que comprova que o som do Living Colour não se tornou nem um pouco datado, visto que aqui vamos encontrar todos os elementos que tornaram a banda mundialmente conhecida, e que, ao mesmo tempo, ainda soa moderno e contagiante.



"Primos" de som do Red Hot Chilli Peppers e do Faith no More, o Living Colour, ao contrário destes, continua, ainda nos dias de hoje, com uma regularidade muito bacana em sua música, mesmo depois de mais de 30 anos de carreira. Isso se deve a…