Pular para o conteúdo principal
Dica de Disco

"A Moon Shaped Pool" (2016)
Artista: Radiohead.


O tempo não para. Ok, essa frase há muito já virou clichê, mas, cai como uma luva para o Radiohead. Dito isto, é preciso, portanto, analisar o novo álbum da banda, "A Moon Shaped Pool", o nono de sua carreira, `luz dessa realidade. Continuemos a mar os três primeiros discos do grupo, mas, verdade seja dita: nunca mais teremos a urgência de "Pablo Honey", o carisma de "The Bends", nem o caos de "Ok Computer". Hoje, o Rdaiohead está mais para o Massive Attack, do que para o R.E.M. ou o Nirvana (suas primeiras influências). Isso é bom? Depende do que queremos.

A primeira coisa que me vem à cabeça quando penso em "A Moon Shaped Pool" é como o disco é bonito. Sim, ele tem uma beleza própria, porém, um belo estranho, melancólico, quase sarcástico. Thom Yorke e cia agora parecem saber dosar as experimentações que escutamos nos polêmicos "Kid A" e "Amnesiac". Sim, continuamos presenteados com músicas etéreas, mas, com umas sutilezas de se encher os ouvidos. Esse é o novo Radiohead, gostem ou não. Pra uns, esse novo disco vai parecer chato; pra outros, pode até se mostrar brilhante. Na realidade, ele é sereno, muito sereno.



Começa com uma orquestração frenética, quase robótica, no primeiro single, "Burn the Witch". Ótima faixa pra começar a prender a atenção. Mas, esperem, que tem mais. A seguir, somos acalentados com "Daydreaming", com barulhinhos típicos da banda, e um arranjo deveras elaborado. Alonga-se demais na duração, é verdade, no entanto, não deixa de ser uma música que possui seus predicados. "Decks Dark" transita entre a ótima interpretação de Yorke e a sonoridade sombria de um trip hop à lá Portishead. Até agora, nem sombra das guitarras, e, honestamente, não fazem falta aqui.

Já estamos na quarta faixa, "Desert Island Disk", e, mesmo apresentando apenas um fiapo do que o Radiohead mostra em início de carreira, ainda assim, consegue prender a atenção. Nessa música, uma sonoridade acústica, num clima tântrico, é a porta de entrada para a canção se desenvolver até chegar num estilo que pode até remeter à antiga fase da banda, só que com mais maturidade. "Ful Stop" é dançante, perturbadora e psicodélica do início ao fim. E, ao término, você já se encontra totalmente envolvido nela.

Clipe Oficial de "Burn the Witch":


O Radiohead ainda se dá ao luxo de fazer uma música curta e quase que inteiramente sinfônica, "Glass Eyes", e que, não por acaso, é a mais "comum" e a mais descartável do álbum. Mas, tubo bem, ela passa rápido, e aí temos "Identikit", cuja batida ritmada lembra, acreditem se quiser, um bom reggae. Mas, claro, um reggae com a cara do grupo: minimalista, provocador e inquietante. Ah, e aqui ouvimos vestígios de guitarras, finalmente, só que bem esparsas, e totalmente imersas na sonoridade pulsante da música.

Interessante que a faixa que vem a seguir, "The Numbers", é outra que não faria muita falta aqui. Não que ela seja uma composição ruim, mas, ela talvez seja a que mais se aproxima do Radiohead das antigas, e, justamente por isso, acaba perdendo o senso de novidade, do diferencial que acompanhou o disco até então. Um coro de vozes aqui e um piano acolá dão um "quê" a mais, porém, sabemos que o grupo pode bem oferecer resultados bem melhores. E, por isso, temos direito de exigirmos esse padrão de qualidade.

Clipe Oficial de "Daydreaming":


Qualidade essa que vem com a inusitada e cadenciada "Present Tense", cujos batuques lembram bem alguns afrosambas de Vinícius e Baden Powell, vejam só! Mas, como sempre, a banda apropria-se muito bem de diversas referências para fazer algo próprio. Belo som, gostoso de se ouvir. Já, a penúltima faixa, "Tinker Tailor Soldier Sailor Rich Man Poor Man Beggar Man Thief", exala tristeza e dramaticidade, desde o seu enigmático título, `letra cheia de significados: "Eles acendem o fogo para se manterem afastados, e tudo o que você tem a dizer é sim". E, tudo se encerra com a calma "True Love Waits", numa espécie de jazz alternativo. Grand finale.

"A Moon Shaped Pool" não é um disco para ser ouvido de forma displicente. É preciso todo um ritual para apreciá-lo plenamente (coisa rara hoje em dia, é verdade, mas, tentemos). Então, pegue suas 11 músicas, esteja relaxado, em silêncio, feche os olhos, e imagine o que quiser ao som deste novo trabalho do Radiohead. Ao menos, você vai refletir. Pode ser até que se sinta alegre. Mas, talvez venha a ficar melancólico. E, de preferência, escute-o mais de uma vez. O que o grupo sempre fez, independente de suas mudanças ao longo dos anos, é isso mesmo: causar essa miscelânea de sensações no ouvinte.

Ame "A Moon Shaped Pool", ou deixe-o. Só não fique indiferente.


Nota: 9/10.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…
Dica de Disco

"Shade"
2017
Artista: Living Colour


BANDA CLÁSSICA DOS ANOS 80 CONTINUA NA ATIVA, E ACABA DE LANÇAR UM DISCAÇO DE ROCK QUE VALE A PENA SER OUVIDO ATÉ O ÚLTIMO SEGUNDO
O Living Colour foi um dos melhores grupos de rock surgidos nos anos 80, e que continuaram a ter relativo sucesso no início da década de 90. Entre idas e vindas, a banda já não lançava material inédito desde 2009, com o bom "The Chair in the Doorway". Eis que, em 2017, surge "Shade", 6º álbum de estúdio deles, e que comprova que o som do Living Colour não se tornou nem um pouco datado, visto que aqui vamos encontrar todos os elementos que tornaram a banda mundialmente conhecida, e que, ao mesmo tempo, ainda soa moderno e contagiante.



"Primos" de som do Red Hot Chilli Peppers e do Faith no More, o Living Colour, ao contrário destes, continua, ainda nos dias de hoje, com uma regularidade muito bacana em sua música, mesmo depois de mais de 30 anos de carreira. Isso se deve a…