Pular para o conteúdo principal
Dica de Filme

"O Rei Leão" (1994)
Direção: Roger Allers e Rob Minkoff.


Uma das melhores coisas em se tratando de clássicos do cinema é que você pode reassistí-los quantas vezes quiser, e eles sempre terão algo de novo para nos dizer, que pode muito bem ser um detalhe, ou uma sutileza que passou despercebida na época em que vimos um determinado filme. Claro, isso se deve bastante ao fato de que amadurecemos, passamos a enxergar a vida com outros olhos e isso influencia, evidentemente, como assimilamos mensagens que, em outros tempos, não entendíamos bem.

"O Rei Leão" é um desses casos. Sim, vamos encontrar nele as velhas lições de moral que, de fato, são importantes, como a necessidade da amizade, de lutar pelos seus objetivos, etc. Temos ainda uma bem-vinda mensagem sobre o ciclo da vida, onde cada ser possui uma função que precisa exercer para manter o equilíbrio das coisas. Mas, além disso, podemos encontrar boas analogias políticas (isso, mesmo) a respeito do poder; ou melhor, pelo apreço ao poder a todo custo, e como um governo autoritário tende a desestabilizar todo o ambiente em que ele se impõe.




Claro que pra essas analogias funcionaram, o roteiro, em si, resvala num certo maniqueísmo, deixando heróis e vilões bem delimitados. Não há como não encarar Scar, o irmão ganancioso do rei Mufasa, como um típico agente do mal. A própria aparência dele já denota isso. Sem contar seus fiéis escudeiros, três hienas não lá muito inteligentes, mas bastante ferozes e amedrontadoras. Já, Simba, filho de Mufasa, Zazu, o conselheiro do rei, e Nala, melhor amiga de Simba são exemplos perfeitos de serem bondosos. 

Esse aparente simplismo na abordagem dos personagens pode incomodar os mais exigentes de hoje, acostumados ao sarcasmo das animações pós-"Shrek", porém, o carisma de todos (até, e principalmente, dos vilões) é tão grande, que se aceita fácil que a história seja contada assim. Uma história, por sinal, muito bem conduzida, apesar de batida. Afinal, já vimos outras vezes a usurpação de um trono por um déspota maquiavélico, e a luta do legítimo herdeiro em busca de seu lugar num reino. O diferencial está nas cores em que cada personagem é pintado.




Mufasa, o rei da selva, é a nobreza encarnada. Possui bastante autoridade, mas, é justo. Já, o seu irmão Scar é o oposto: cínico e invejoso, capaz de tudo para conseguir o que quer. O filho de Mufasa, Simba, é impetuosos, mas, imaturo, e um tanto arrogante, mesmo depois que vira adulto. Porém, são os coadjuvantes de luxo (as hienas e os novos amigos de Simba, Timão e Pumba) que são o verdadeiro destaque. Roubam a cena toda que aparecem, são engraçados (cada um a seu modo, claro), e chegam até a serem de vital importância para a trama em determinados momentos.

O "ponto fraco" do filme reside naquela (ainda hoje) insistência da Disney em colocar seus personagens para cantarem. Para o bem de "O Rei Leão", no entanto, todas as músicas são muito boas, e combinam bem com o momento da história em que são inseridas. A trilha sonora, inclusive, é um espetáculo, indo de canções de Elton John, a composições primorosas e épicas de Hans Zimmer. E, a parte técnica é outro ponto forte, com tomadas belíssimas da África selvagem, com especial destaque para a impressionante cena da debandada do gnus.





Por fim, temos em roteiro forte, que mesmo se utilizando de clichês, emprega cada um deles muito bem. Não há uma cena descartável em todo o desenho, e as falas e atitudes dos personagens são perfeitamente compatíveis com o que está sendo contado. Ele também não apela para soluções fáceis, tendo inclusive, uma das cenas mais tristes da história do cinema, mas, que não descamba para o melodrama. E, a trama ainda está cheia de analogias sociais e políticas, falando até mesmo de coisas bem mais profundas e reflexivas. Mas, tudo com leveza e um humor na medida certa.

"O Rei Leão" é, sem dúvida, um dos melhores filmes da Disney (de todos os tempos, diga-se). É cinema puro e simples, que agrada em cheio as crianças, porém, que possui sutilezas que pessoas mais adultas podem captar sem maiores dificuldades. Um desenho que, passados mais de 20 anos de seu lançamento, não perdeu sua força. É para ver e rever inúmeras vezes na vida, pois, cada assistida será sempre um prazer




Nota: 9/10.



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…
Dica de Disco

"Shade"
2017
Artista: Living Colour


BANDA CLÁSSICA DOS ANOS 80 CONTINUA NA ATIVA, E ACABA DE LANÇAR UM DISCAÇO DE ROCK QUE VALE A PENA SER OUVIDO ATÉ O ÚLTIMO SEGUNDO
O Living Colour foi um dos melhores grupos de rock surgidos nos anos 80, e que continuaram a ter relativo sucesso no início da década de 90. Entre idas e vindas, a banda já não lançava material inédito desde 2009, com o bom "The Chair in the Doorway". Eis que, em 2017, surge "Shade", 6º álbum de estúdio deles, e que comprova que o som do Living Colour não se tornou nem um pouco datado, visto que aqui vamos encontrar todos os elementos que tornaram a banda mundialmente conhecida, e que, ao mesmo tempo, ainda soa moderno e contagiante.



"Primos" de som do Red Hot Chilli Peppers e do Faith no More, o Living Colour, ao contrário destes, continua, ainda nos dias de hoje, com uma regularidade muito bacana em sua música, mesmo depois de mais de 30 anos de carreira. Isso se deve a…