Pular para o conteúdo principal
Dica de disco

"The Devil Put Dinosaurs Here" (2013)
Artista: Alice in Chains


Perder um integrante de uma banda nunca é fácil, principalmente, quando ele era um dos pilares do grupo, amplamente conhecido pelo seu público. Quando se trata do vocalista, então, poucas vezes na história do rock substituições assim deram certo (Dio, Covardale e Brian Johnson foram raras exceções). Chegamos ao Alice in Chains. Expoente do grunge nos anos 90, até com uma pegada no som mais diferenciada dos artistas que estavam surgindo em Seatle (mais puxada para o heavy metal), ela foi estrondosa com os im,pecáveis "Facelift" e "Dirt", mas, o seu vocalista, Layne Staley, sucumbiu ao vício das drogas, morrendo em 2002, devido a uma overdose. O mais natural era que a banda acabasse, até mesmo porque o grunge, em si, parecia estar, digamos, "fora de moda".

Eis que surge na vida da banda o cantor William DuVall no ano de 2006, após o grupo fazer uma série de shows para uma provável reunião. O casamento estava formado. DuVall se mostrava um bom vocalista, apesar de não ter a mesma força na voz que Staley, mas, é bom lembrar que o guitarrista Jerry Cantreel continuou lá. Pra quem foi o Alice in Chains no auge, sabe que boa parte da qualidade da banda se deve ao instrumentista, além dele ser também um ótimo vocalista, em linhas gerais, até melhor do que DuVall. Com isso, chegamos a "The Devil Put Dinossaurs Here", segundo trabalho dessa nova formação, e um discaço de rock, a bem da verdade.



Neste disco específico, muitos podem até dizer que a banda se repete demais, deixando todas as músicas com ar muito depressivo. Em contrapartida, essas pessoas nunca devem ter ouvido um disco inteiro do Alice, apenas singles, como "Man in the Box" e "Would?", e a parti de apenas isso, tiram conclusões de como era o som da banda fase-Layne Staley. Ora, Jerry Cantrell e cia estão fazendo o que sempre fizeram, só que mais maduros. Notem, por exemplo, que o som parece menos "cru", e está mais clasudo, mais "cheio". E, convenhamos: escutar os acordes de Cantrell é sempre um deleite.

Em "The Devil...", o grupo continua com a capacidade de fazer músicas densas, pesadas e tristes, mas, com um clima agradável e audível. É assim que pode ser resumida a canção que o disco, "Hollow", cujo refrão é impossível não sair cantando junto depois de umas audições. Logo após, temos duas que são "puro" Alice in Chains: "Pretty Done" e "Stone", muito boas. o revival do próprio som do grupo nos pega em cheio com "Voices", cuja veia acústica está no mesmo patamar que "Heaven Beside You" e "No Excurses". Coisa fina.



A canção que dá nome ao disco é arrastada, mas, tem um bom refrão e um instrumental  "Lab Monkey", que vem a seguir, é bem melhor, mais instigante, onde DuVall se destaca de maneira muito positiva. E, é DuVall que brilha também em "Low Celling", provando que sua entrada no Alice deu um vigor diferente à banda. Nem melhor, nem pior do que antes; apenas, diferente. Por sinal, é a mesma impressão que se tem ao escutar a 8ª faixa, "Breath On a Window", e que também mostra que o talento de Cantrell para escrever refrões pegajosos continua intacto. Bom pra nós.

Com "Scalpel", temos mais um som acústico, mas, que não chega aos pés dos melhores momentos desplugados da banda. Ok, a canção é até agradável aos ouvidos, porém, dificilmente, alguém terá vontade de ouví-la de novo. Muito mais interessante é a longa "Phantom Limb", música que escancara a vertente heavy do grupo, fazendo dela, um dos momentos mais sublimes do álbum. O disco se encerra com as climáticas "Hung on a Hook" e "Choke", que até possuem alguma que até possuem alguma qualidade, no entanto, bem longe dos melhores momentos do disco. Aí, sim, temos todo direito de ter saudade de uma "Would?" da vida



Mesmo não sendo um primor, muito menos, o melhor trabalho do Alice in Chains, "The Devil Put Dinossaurs Here" é um disco competente que tanto pode agradar aos fãs mais ortodoxos da banda,m quando aos marinheiros de primeira viagem. Por todo o inferno astral pelo qual o grupo passou ao longo dos anos, chegar com um disco desses no mercado é algo a se comemorar, sem dúvida. Ah, se todos os dinossauros (da música) tivessem essa  mesma instiga depois de anos de estrada...

Link para fazer o download do disco:


Nota: 8/10.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…
Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Disco

"Shade"
2017
Artista: Living Colour


BANDA CLÁSSICA DOS ANOS 80 CONTINUA NA ATIVA, E ACABA DE LANÇAR UM DISCAÇO DE ROCK QUE VALE A PENA SER OUVIDO ATÉ O ÚLTIMO SEGUNDO
O Living Colour foi um dos melhores grupos de rock surgidos nos anos 80, e que continuaram a ter relativo sucesso no início da década de 90. Entre idas e vindas, a banda já não lançava material inédito desde 2009, com o bom "The Chair in the Doorway". Eis que, em 2017, surge "Shade", 6º álbum de estúdio deles, e que comprova que o som do Living Colour não se tornou nem um pouco datado, visto que aqui vamos encontrar todos os elementos que tornaram a banda mundialmente conhecida, e que, ao mesmo tempo, ainda soa moderno e contagiante.



"Primos" de som do Red Hot Chilli Peppers e do Faith no More, o Living Colour, ao contrário destes, continua, ainda nos dias de hoje, com uma regularidade muito bacana em sua música, mesmo depois de mais de 30 anos de carreira. Isso se deve a…