Pular para o conteúdo principal
Dica de Disco

"Remission" (2002)
Artista: Mastodon.


Algumas bandas apenas evoluem o seu som, significando, com isso, que nunca (repito: nunca!) lançaram algo verdadeiramente ruim. O Mastodon é um caso típico. Geralmente, seus lançamentos são ovacionados por público e crítica, e, não raro, eles colocam no mercado "um dos discos do ano". Hoje em dia, a banda faz uma música mais diversificada e trabalhada (puxando bastante para o metal progressivo), mas, eles começaram mesmo com lago mais ligado ao sludge metal, com muita cadência e um peso astronômico. O primeiro disco, "Remission", mostra muito bem isso.

Pra quem se acostumou com um som do Mastodon mais diferenciado (principalmente, nos vocais), talvez estranhe um pouco aqui, já que os guturais imperam. Porém, isso, longe de deixar a música do grupo chata, já evidenciava atitude de sobra, começando a moldar uma identidade que hoje se mostra visível. O que dizer, por exemplo, das duas pancadas iniciais, "Crusher Destroyer" e ""March of the Fire Ants"? De cara, parece coisa de gente grande, de banda com anos e anos de estrada. Percebe-se também que o grande destaque da banda está na sua "cozinha", com um baixo explosivo e uma bateria que lembra mais uma locomotiva.



A rápida "Where Strides the Behomoth" é uma mistura fantástica de tudo o que há de mais pesado no rock, e mesmo assim, possui uma riqueza instrumental absurda. O som começa a ficar um pouco mais "elaborado" como "Workhorse", que nem por isso deixa de ser pauleira, evidenciando que logo nesse primeiro disco a banda estava "nervosa" pra mostrar o que sabia. No entanto, é só com "Ole' Nessie" que o lado progressivo do grupo cai como uma bomba, alternando momentos calmos, com outros mais energéticos. Um dos grandes destaques do disco, sem dúvida.

Mas, a "tranquilidade" fica apenas na aparência, pois, em seguida, a banda ataca com "Burning Man", com uma pegada mais hardcore. Absurdamente pesado. "Trainwreck" começa com barulhos estranhos, muito clima, algo mais na linha do Metallica das antigas. Aqui, menos guturais e vocais limpos, o que não significa que soe ruim. Música muito competente. "Trampled Under Hoof" é quase "dançante" e é mais uma prova de que essa banda possui um baterista do outro.


"Trilobite", mesmo potente, é mais do mesmo, não apresentando algo muito diferente do que se escutou até então. Já, "Mother Puncher", apesar de apresentar basicamente os mesmos elementos que a banda trabalhou ao longo do disco, soa melhor, com mais carisma. O álbum se encerra com a sua música mais longa, "Elephant Man", e, como era de se esperar, é a que mais se aproxima de um estilo mais progressivo, tanto é que ela inicia com uma pegada mais acústica, e vai crescendo em intensidade. Ótimo final.

Pra ser uma estreia, é inegável que o Mastodon se saiu muito bem, apresentando um som que flerta com tantos outros, mas, que ainda consegue ter uma identidade nas mãos dos caras. Os discos posteriores vão só a evolução natural da espécie, e, atualmente, a banda pode ser bagar de ser um dos principais expoentes do metal norte-americano, ao lado do Lamb of God, por exemplo. Garotos marrentos, esses!


Nota: 8/10.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Debate Sócio-Político
Porto Digital Ocupado!
O número de ocupações contra a PEC 55 (que propõe, entre outras coisas, uma profunda reforma no Ensino Médio) cresce a cada dia, e apesar de algumas dificuldades, a maioria mostra que está no caminho certo. No Recife, a mais recente instituição a ser ocupada foi a Escola em Referência de Ensino Médio (o EREM), pertencente ao Porto Digital, e localizada no bairro do Recife Antigo. Tudo começou durante a manhã de quinta (17), após as aulas serem suspensas para a realização de uma assembleia. A decisão pela ocupação do prédio foi feita como forma de antecipar o pior, já que muitos temiam que a direção da escola chamasse a polícia. 
De acordo com uma das integrantes do movimento, a organização do local está sendo feita aos poucos, para que, em breve, possam acontecer eventos, como palestras, exibição de produções audiovisuais, etc. "Ainda está tudo muito recente. Pretendemos, primeiro, limpar e reformar algumas coisas aqui dentro, para depo…
Lista

10 Melhores Discos Nacionais de 2017 (Até Agora)


Sim, meus caros, não está nada fácil. Achar os "10 melhores discos nacionais lançados em 2017 (ate agora)" demandou bastante tempo, mesmo porque, até no meio do cenário indie, anda rolando uma certa mesmice em termos de sons e atitudes, com bandas soando rigorosamente iguais umas as outras. Está faltando identidade e carisma até na nossa música alternativa, infelizmente. Mas, lamentações à parte, esta é uma pequena lista que se propõe a ser um guia atual para quem deseja saber o que anda acontecendo de bom por aí. 
Torcer, agora, para que os próximos meses sejam mais produtivos no sentido de termos mais lançamentos bons como estes.
🎵


10°
"Feeexta"
Camarones Orquestra Guitarrística


"Canções Para Depois do Ódio"
Marcelo Yuka


"Triinca" Triinca

"Galanga Livre" Rincon Sapiência

"Vênus" Tupimasala
Dica Cultural

Festival MIMO 2016
Programação Olinda


MIMO significa Mostra Internacional de Música em Olinda. E, também resistência de arte da melhor qualidade. Nasceu em 2004, na cidade pernambucana que leva seu nome, e que hoje é patrimônio histórico da humanidade. O que não significa que o festival não ocorra em outros lugares, como vem acontecendo há alguns anos. Este ano, por exemplo, em sua 13ª edição, a MIMO já desembarcou em Portugal, e nas cidades brasileiras de Ouro Preto, Tiradentes, Paraty e, nos próximos dias, no Rio de Janeiro. E, claro, haverá espaço para sua cidade natal, Olinda, que irá abarcar inúmeras atrações de peso entre os dias 18 e 20 de novembro próximos.
A seguir, a programação completa da MIMO em Olinda.


CONCERTOS

18 Novembro / Sexta-Feira

Zeca Baleiro - Violoncelo e Piano
18h - Mosteiro de São Bento / Palco Se Ligaê

João Fênix
19h - Igreja do Carmo

João Bosco & Hamilton d Holanda
19h30 - Mosteiro de São Bento / Palco Se Ligaê

Mário Laginha & Pedro Burmes…