Pular para o conteúdo principal
Dica de Filme

"Martyrs" (2008)
Direção: Pascal Laugier.


Não há como negar que os filmes de terror (principalmente, os hollywoodianos) sofrem de uma falta de criatividade imensa. Atualmente, ou partem pra um horror mais sobrenatural, com toques de drama familiar (não passam de imitações baratas de "O Sexto Sentido"), ou apelam pra litros e litros de sangue (caso dos repugnantes "O Albergue" e "A Centopeia Humana"). São poucos, pouquíssimos mesmo, os que se diferenciam, buscando um equilíbrio nessas fórmulas, e, mesmo assim, continuar sendo perturbadores até a alma. "Martyrs", apesar de alguns erros pontuais, consegue se diferenciar.

Este filme faz parte do novo cinema de terror francês, num movimento apelidado de "New French Extremism", que, como o próprio nome já indica, traz sempre conteúdos fortes, muitas vezes, intragáveis para o público médio, acostumado a tramas mais leves e até sacais. "Martyrs" talvez seja o ponto alto dessa tendência, justamente porque alia não somente uma tensão angustiante e uma violência incômoda (e não gratuita), mas também pelo seu enredo, que é muito mais do que aparenta, deixando o espectador atordoado e perdido, que não sabe como tudo vai acabar, no final das contas.




E, tudo começa com um clima bem diferente, com uma menina fugindo de algo que parece ter sido o seu cativeiro, e depois indo parar num orfanato, aonde acompanhamos o seu desenvolvimento, em uma câmera que simula o tom documental. Em outro momento, visões (seriam visões mesmo?) aterradoras de uma espécie de entidade passam a atormentar a garota. Anos se passam, e o que vamos ter no filme a partir daí é uma história de vingança, que vai se delinear em outra história mais sinistra ainda. Enfim, não há como rotular o roteiro, cabendo ao espectador a experiência de assistir e ir se surpreendendo aos poucos.

Como em outros filmes franceses dessa recente safra de terror, preparem-se para cenas verdadeiramente macabras, recheadas, de fato, de muito sangue. No entanto, não esperem ver algo banal, apenas com o intuito de chocar. As sequências mais pesadas incomodam bastante, mas, fazem parte da trama, e como ela ser construída ao longo. Ponto muito positivo é que a história humaniza todos os personagens, o que possibilita alguma empatia da nossa parte. Quando eles sofrem qualquer tipo de violência, sentimos a sua dor, a sua angústia, o seu martírio. Não são portanto, meros pedaços de carne para saciarem a vontade mórbida de alguém em ver alguém morrendo aos poucos.




Só que mesmo se esforçando pra conseguir um resultado convincente (e consegue), "Martyrs" tem um defeito sério, e que é, basicamente, o defeito de quase todos os filmes de terror: possui uma personagem em específico (amiga da que busca vingança pelas torturas que passou) que só comete deslizes. Tudo bem que é até compreensível que ela seja um pouco perturbada que nem sua amiga, mas, certas atitudes dela beiram a burrice, e isso, em alguns momentos, atrapalha o desenvolvimento a amarração do roteiro, que, tirando esse pormenor, é bem redondo e construído.

Mesmo com esse defeito, é na segunda metade que "Martyrs" mostra a que veio, promovendo uma atordoante guinada na história, deixando tudo mais brutal e incrivelmente triste. Apesar de não ser algo tão profundo, as reflexões propostas  são bem interessantes, chegando a ser inusitadas para uma produção de terror. Num espiral de loucura e pânico, vamos questionando a capacidade humana para a crueldade, e em nome de quê e para quê o mal é feito. Ao final, fica a máxima de que as pessoas ditas "normais" conseguem ser piores de que qualquer monstro ou demônio da ficção.




"Martyrs" é, sem dúvida, uma experiência única, mas, pouco recomendada a quem se impressiona fácil com cenas fortes. Mesmo violento, com personagens de moral totalmente distorcida e uma história mais complexa do que as que infestam os filmes de terror em geral, merece ser visto, e até debatido. Num cinema atual aonde, na maioria das vezes, não se tem nada a dizer, conseguir perturbar todos os sentidos do espectador não é pra qualquer um.


Nota: 8/10.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lista

10 Melhores Discos Nacionais de 2017 (Até Agora)


Sim, meus caros, não está nada fácil. Achar os "10 melhores discos nacionais lançados em 2017 (ate agora)" demandou bastante tempo, mesmo porque, até no meio do cenário indie, anda rolando uma certa mesmice em termos de sons e atitudes, com bandas soando rigorosamente iguais umas as outras. Está faltando identidade e carisma até na nossa música alternativa, infelizmente. Mas, lamentações à parte, esta é uma pequena lista que se propõe a ser um guia atual para quem deseja saber o que anda acontecendo de bom por aí. 
Torcer, agora, para que os próximos meses sejam mais produtivos no sentido de termos mais lançamentos bons como estes.
🎵


10°
"Feeexta"
Camarones Orquestra Guitarrística


"Canções Para Depois do Ódio"
Marcelo Yuka


"Triinca" Triinca

"Galanga Livre" Rincon Sapiência

"Vênus" Tupimasala
Debate Sócio-Político
Porto Digital Ocupado!
O número de ocupações contra a PEC 55 (que propõe, entre outras coisas, uma profunda reforma no Ensino Médio) cresce a cada dia, e apesar de algumas dificuldades, a maioria mostra que está no caminho certo. No Recife, a mais recente instituição a ser ocupada foi a Escola em Referência de Ensino Médio (o EREM), pertencente ao Porto Digital, e localizada no bairro do Recife Antigo. Tudo começou durante a manhã de quinta (17), após as aulas serem suspensas para a realização de uma assembleia. A decisão pela ocupação do prédio foi feita como forma de antecipar o pior, já que muitos temiam que a direção da escola chamasse a polícia. 
De acordo com uma das integrantes do movimento, a organização do local está sendo feita aos poucos, para que, em breve, possam acontecer eventos, como palestras, exibição de produções audiovisuais, etc. "Ainda está tudo muito recente. Pretendemos, primeiro, limpar e reformar algumas coisas aqui dentro, para depo…
Filme Mais ou Menos Recomendável

"Mulher Maravilha"
2017
Direção: Patty Jenkins


MAIS UM FILME DE SUPER-HERÓI GENÉRICO, "MULHER MARAVILHA" PECA, IRONICAMENTE, POR TER UM SUB-TEXTO MACHISTA EM SUAS ENTRELINHAS
Estamos diante de mais um filme de super-heróis, mais um do universo expandido da DC Comics no cinema, mais um com a enorme responsabilidade de entregar um material minimamente interessante, ao contrários dos pífios "Batman vs Superman" e "Esquadrão Suicida", sem dúvida, os dois piores filmes do gênero desses últimos anos, ao lado de "Quarteto Fantástico". Ou seja, "Mulher Maravilha" chega com uma tremenda carga a ser superada. A pergunta é: conseguiu cumprir a sua missão? Bem, digamos que sim e não. Ao mesmo tempo em que o filme acerta em alguns pontos que ficaram devendo em produções anteriores, ele também erra ao repetir alguns dos erros mais corriqueiros de longas do gênero, com um agravante que pode até causar certa polê…