Pular para o conteúdo principal
Dica de Filme

"Martyrs" (2008)
Direção: Pascal Laugier.


Não há como negar que os filmes de terror (principalmente, os hollywoodianos) sofrem de uma falta de criatividade imensa. Atualmente, ou partem pra um horror mais sobrenatural, com toques de drama familiar (não passam de imitações baratas de "O Sexto Sentido"), ou apelam pra litros e litros de sangue (caso dos repugnantes "O Albergue" e "A Centopeia Humana"). São poucos, pouquíssimos mesmo, os que se diferenciam, buscando um equilíbrio nessas fórmulas, e, mesmo assim, continuar sendo perturbadores até a alma. "Martyrs", apesar de alguns erros pontuais, consegue se diferenciar.

Este filme faz parte do novo cinema de terror francês, num movimento apelidado de "New French Extremism", que, como o próprio nome já indica, traz sempre conteúdos fortes, muitas vezes, intragáveis para o público médio, acostumado a tramas mais leves e até sacais. "Martyrs" talvez seja o ponto alto dessa tendência, justamente porque alia não somente uma tensão angustiante e uma violência incômoda (e não gratuita), mas também pelo seu enredo, que é muito mais do que aparenta, deixando o espectador atordoado e perdido, que não sabe como tudo vai acabar, no final das contas.




E, tudo começa com um clima bem diferente, com uma menina fugindo de algo que parece ter sido o seu cativeiro, e depois indo parar num orfanato, aonde acompanhamos o seu desenvolvimento, em uma câmera que simula o tom documental. Em outro momento, visões (seriam visões mesmo?) aterradoras de uma espécie de entidade passam a atormentar a garota. Anos se passam, e o que vamos ter no filme a partir daí é uma história de vingança, que vai se delinear em outra história mais sinistra ainda. Enfim, não há como rotular o roteiro, cabendo ao espectador a experiência de assistir e ir se surpreendendo aos poucos.

Como em outros filmes franceses dessa recente safra de terror, preparem-se para cenas verdadeiramente macabras, recheadas, de fato, de muito sangue. No entanto, não esperem ver algo banal, apenas com o intuito de chocar. As sequências mais pesadas incomodam bastante, mas, fazem parte da trama, e como ela ser construída ao longo. Ponto muito positivo é que a história humaniza todos os personagens, o que possibilita alguma empatia da nossa parte. Quando eles sofrem qualquer tipo de violência, sentimos a sua dor, a sua angústia, o seu martírio. Não são portanto, meros pedaços de carne para saciarem a vontade mórbida de alguém em ver alguém morrendo aos poucos.




Só que mesmo se esforçando pra conseguir um resultado convincente (e consegue), "Martyrs" tem um defeito sério, e que é, basicamente, o defeito de quase todos os filmes de terror: possui uma personagem em específico (amiga da que busca vingança pelas torturas que passou) que só comete deslizes. Tudo bem que é até compreensível que ela seja um pouco perturbada que nem sua amiga, mas, certas atitudes dela beiram a burrice, e isso, em alguns momentos, atrapalha o desenvolvimento a amarração do roteiro, que, tirando esse pormenor, é bem redondo e construído.

Mesmo com esse defeito, é na segunda metade que "Martyrs" mostra a que veio, promovendo uma atordoante guinada na história, deixando tudo mais brutal e incrivelmente triste. Apesar de não ser algo tão profundo, as reflexões propostas  são bem interessantes, chegando a ser inusitadas para uma produção de terror. Num espiral de loucura e pânico, vamos questionando a capacidade humana para a crueldade, e em nome de quê e para quê o mal é feito. Ao final, fica a máxima de que as pessoas ditas "normais" conseguem ser piores de que qualquer monstro ou demônio da ficção.




"Martyrs" é, sem dúvida, uma experiência única, mas, pouco recomendada a quem se impressiona fácil com cenas fortes. Mesmo violento, com personagens de moral totalmente distorcida e uma história mais complexa do que as que infestam os filmes de terror em geral, merece ser visto, e até debatido. Num cinema atual aonde, na maioria das vezes, não se tem nada a dizer, conseguir perturbar todos os sentidos do espectador não é pra qualquer um.


Nota: 8/10.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…
Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Disco

"Shade"
2017
Artista: Living Colour


BANDA CLÁSSICA DOS ANOS 80 CONTINUA NA ATIVA, E ACABA DE LANÇAR UM DISCAÇO DE ROCK QUE VALE A PENA SER OUVIDO ATÉ O ÚLTIMO SEGUNDO
O Living Colour foi um dos melhores grupos de rock surgidos nos anos 80, e que continuaram a ter relativo sucesso no início da década de 90. Entre idas e vindas, a banda já não lançava material inédito desde 2009, com o bom "The Chair in the Doorway". Eis que, em 2017, surge "Shade", 6º álbum de estúdio deles, e que comprova que o som do Living Colour não se tornou nem um pouco datado, visto que aqui vamos encontrar todos os elementos que tornaram a banda mundialmente conhecida, e que, ao mesmo tempo, ainda soa moderno e contagiante.



"Primos" de som do Red Hot Chilli Peppers e do Faith no More, o Living Colour, ao contrário destes, continua, ainda nos dias de hoje, com uma regularidade muito bacana em sua música, mesmo depois de mais de 30 anos de carreira. Isso se deve a…