Pular para o conteúdo principal
Dica de Filme

"Transamerica" (2005)
Direção: Duncan Tucker.


A transsexualidade ainda é um tema muito tabu, até mesmo no cinema. Recentemente, tivemos o burocrático "A Garota Dinamarquesa", que flerta bem com o assunto, mas ainda assim de uma forma um tanto rasa e melodramática. Pra quem quiser um filme que aborde isso com mais naturalidade, porém, "Transamerica" é a produção certa. Isso porque não se trata necessariamente de um drama, apesar de ter partes eventualmente tristes, mas sim, quase uma comédia, leve e despretensiosa, com uma pitada de roadie movie.

Pra começar, Bree Osbourne é uma transsexual que se orgulha de sua condição. Mesmo não aceita pela família, tem emprego e amigos, e isso a ajuda na sua auto-estima. Trabalha muito e junta dinheiro para a sua operação de mudança de sexo, um dos grandes sonhos de sua vida. As coisas mudam, porém, quando descobre que tem um filho, Toby, fruto de um relacionamento quando ainda se identificava como um homem. Decide ajudar o rapaz, mas, sem revelar que ela é o verdadeiro "pai" dele, e ambos começam uma viagem aonde passam a se conhecer melhor e a enfrentar tabus e preconceitos.




À primeira vista, parece ser um drama pesado, porém, não se enganem: tudo aqui é tratado de maneira muito extrovertida, cativante e sutil. Bree é uma personagem com enorme carisma, e mesmo relutando em aceitar que tem um filho, não deixamos de torcer por ela. Por outro lado, Toby começa sendo mostrado como um jovem desajustado, usuário de drogas e que, ocasionalmente, caba se prostituindo. Só que esses detalhes não são expostos de forma maniqueísta, forçada. Até entendemos a revolta do rapaz, e sua relutância em entender Bree como ela é.

Outros personagens igualmente interessantes vão entrando em cena, como o hippie que pede carona a Bree e um velho vaqueiro, que se mostra bastante atencioso em ajudar a inusitada dupla de viajantes. Até mesmo a mãe preconceituosa da protagonista não é pintada com cores carregadas, e mesmo mostrando muita futilidade e intolerância pra com a filha, não conseguimos sentir ódio dela; apenas, pena. Esse trato com personagens e a história em si, sem nada ser manipulador ou panfletário acaba sendo um acerto e tanto, pois trata a transsexualidade como tem de ser: de forma espontânea, sem neuroses.




Por se tratar também de uma espécie de roadie movie, o filme possui suas partes inusitadas e bastante engraçadas, quase sempre a cargo de Bree. Não que o enredo a ridicularize para fazer rirmos dela, ao contrário. É que a personalidade dela é tão radiante e leve, que alguns momentos são realmente divertidos, mas, sem descambarem para o desrespeito. A própria questão do preconceito é tratada nas entrelinhas, seja com a família meio careta de Bree, seja com uma reunião bem-humorada de transsexuais, mostrando o óbvio: ali são pessoas como quaisquer outras.

Até as partes tristes que permeiam a trama são bem colocadas, sem deixarem a história forçada ou inverossímil demais. Sofremos com Bree, sim, mas, no momento certo, sem banalizar suas eventuais dores. Destaque total para as atuações (em especial, uma Felicity Huffman iluminada) e a gostosa trilha sonora, que possui até um genuíno country, entre outras bem-vindas referências a outras culturas, como a latina, por exemplo. Afinal, um roadie movie sem uma trilha sonora que casasse bem com as cenas não seria um roadie movie, no final das contas.




Sem arroubos ou alardes, este é um filme singelo e muito pertinente para nos ensinar a respeito de tolerância e não-preconceito. Suas críticas sutis pegam em cheio aquele espectador desavisado que for assistir à produção pensando em ver algo pesado, ou até mesmo uma comédia escrachada. Nem uma coisa, nem outra. "Transamerica" está bem além dessas soluções fáceis, e nos oferece uma personagem trans cativante, , melhor, sem estereótipos. Um pequeno grande filme, sem dúvida.


Nota: 8,5/10.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Debate Sócio-Político
Porto Digital Ocupado!
O número de ocupações contra a PEC 55 (que propõe, entre outras coisas, uma profunda reforma no Ensino Médio) cresce a cada dia, e apesar de algumas dificuldades, a maioria mostra que está no caminho certo. No Recife, a mais recente instituição a ser ocupada foi a Escola em Referência de Ensino Médio (o EREM), pertencente ao Porto Digital, e localizada no bairro do Recife Antigo. Tudo começou durante a manhã de quinta (17), após as aulas serem suspensas para a realização de uma assembleia. A decisão pela ocupação do prédio foi feita como forma de antecipar o pior, já que muitos temiam que a direção da escola chamasse a polícia. 
De acordo com uma das integrantes do movimento, a organização do local está sendo feita aos poucos, para que, em breve, possam acontecer eventos, como palestras, exibição de produções audiovisuais, etc. "Ainda está tudo muito recente. Pretendemos, primeiro, limpar e reformar algumas coisas aqui dentro, para depo…
Lista

10 Melhores Discos Nacionais de 2017 (Até Agora)


Sim, meus caros, não está nada fácil. Achar os "10 melhores discos nacionais lançados em 2017 (ate agora)" demandou bastante tempo, mesmo porque, até no meio do cenário indie, anda rolando uma certa mesmice em termos de sons e atitudes, com bandas soando rigorosamente iguais umas as outras. Está faltando identidade e carisma até na nossa música alternativa, infelizmente. Mas, lamentações à parte, esta é uma pequena lista que se propõe a ser um guia atual para quem deseja saber o que anda acontecendo de bom por aí. 
Torcer, agora, para que os próximos meses sejam mais produtivos no sentido de termos mais lançamentos bons como estes.
🎵


10°
"Feeexta"
Camarones Orquestra Guitarrística


"Canções Para Depois do Ódio"
Marcelo Yuka


"Triinca" Triinca

"Galanga Livre" Rincon Sapiência

"Vênus" Tupimasala
Dica Cultural

Festival MIMO 2016
Programação Olinda


MIMO significa Mostra Internacional de Música em Olinda. E, também resistência de arte da melhor qualidade. Nasceu em 2004, na cidade pernambucana que leva seu nome, e que hoje é patrimônio histórico da humanidade. O que não significa que o festival não ocorra em outros lugares, como vem acontecendo há alguns anos. Este ano, por exemplo, em sua 13ª edição, a MIMO já desembarcou em Portugal, e nas cidades brasileiras de Ouro Preto, Tiradentes, Paraty e, nos próximos dias, no Rio de Janeiro. E, claro, haverá espaço para sua cidade natal, Olinda, que irá abarcar inúmeras atrações de peso entre os dias 18 e 20 de novembro próximos.
A seguir, a programação completa da MIMO em Olinda.


CONCERTOS

18 Novembro / Sexta-Feira

Zeca Baleiro - Violoncelo e Piano
18h - Mosteiro de São Bento / Palco Se Ligaê

João Fênix
19h - Igreja do Carmo

João Bosco & Hamilton d Holanda
19h30 - Mosteiro de São Bento / Palco Se Ligaê

Mário Laginha & Pedro Burmes…