Pular para o conteúdo principal
Dica de Filme

"Transamerica" (2005)
Direção: Duncan Tucker.


A transsexualidade ainda é um tema muito tabu, até mesmo no cinema. Recentemente, tivemos o burocrático "A Garota Dinamarquesa", que flerta bem com o assunto, mas ainda assim de uma forma um tanto rasa e melodramática. Pra quem quiser um filme que aborde isso com mais naturalidade, porém, "Transamerica" é a produção certa. Isso porque não se trata necessariamente de um drama, apesar de ter partes eventualmente tristes, mas sim, quase uma comédia, leve e despretensiosa, com uma pitada de roadie movie.

Pra começar, Bree Osbourne é uma transsexual que se orgulha de sua condição. Mesmo não aceita pela família, tem emprego e amigos, e isso a ajuda na sua auto-estima. Trabalha muito e junta dinheiro para a sua operação de mudança de sexo, um dos grandes sonhos de sua vida. As coisas mudam, porém, quando descobre que tem um filho, Toby, fruto de um relacionamento quando ainda se identificava como um homem. Decide ajudar o rapaz, mas, sem revelar que ela é o verdadeiro "pai" dele, e ambos começam uma viagem aonde passam a se conhecer melhor e a enfrentar tabus e preconceitos.




À primeira vista, parece ser um drama pesado, porém, não se enganem: tudo aqui é tratado de maneira muito extrovertida, cativante e sutil. Bree é uma personagem com enorme carisma, e mesmo relutando em aceitar que tem um filho, não deixamos de torcer por ela. Por outro lado, Toby começa sendo mostrado como um jovem desajustado, usuário de drogas e que, ocasionalmente, caba se prostituindo. Só que esses detalhes não são expostos de forma maniqueísta, forçada. Até entendemos a revolta do rapaz, e sua relutância em entender Bree como ela é.

Outros personagens igualmente interessantes vão entrando em cena, como o hippie que pede carona a Bree e um velho vaqueiro, que se mostra bastante atencioso em ajudar a inusitada dupla de viajantes. Até mesmo a mãe preconceituosa da protagonista não é pintada com cores carregadas, e mesmo mostrando muita futilidade e intolerância pra com a filha, não conseguimos sentir ódio dela; apenas, pena. Esse trato com personagens e a história em si, sem nada ser manipulador ou panfletário acaba sendo um acerto e tanto, pois trata a transsexualidade como tem de ser: de forma espontânea, sem neuroses.




Por se tratar também de uma espécie de roadie movie, o filme possui suas partes inusitadas e bastante engraçadas, quase sempre a cargo de Bree. Não que o enredo a ridicularize para fazer rirmos dela, ao contrário. É que a personalidade dela é tão radiante e leve, que alguns momentos são realmente divertidos, mas, sem descambarem para o desrespeito. A própria questão do preconceito é tratada nas entrelinhas, seja com a família meio careta de Bree, seja com uma reunião bem-humorada de transsexuais, mostrando o óbvio: ali são pessoas como quaisquer outras.

Até as partes tristes que permeiam a trama são bem colocadas, sem deixarem a história forçada ou inverossímil demais. Sofremos com Bree, sim, mas, no momento certo, sem banalizar suas eventuais dores. Destaque total para as atuações (em especial, uma Felicity Huffman iluminada) e a gostosa trilha sonora, que possui até um genuíno country, entre outras bem-vindas referências a outras culturas, como a latina, por exemplo. Afinal, um roadie movie sem uma trilha sonora que casasse bem com as cenas não seria um roadie movie, no final das contas.




Sem arroubos ou alardes, este é um filme singelo e muito pertinente para nos ensinar a respeito de tolerância e não-preconceito. Suas críticas sutis pegam em cheio aquele espectador desavisado que for assistir à produção pensando em ver algo pesado, ou até mesmo uma comédia escrachada. Nem uma coisa, nem outra. "Transamerica" está bem além dessas soluções fáceis, e nos oferece uma personagem trans cativante, , melhor, sem estereótipos. Um pequeno grande filme, sem dúvida.


Nota: 8,5/10.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…
Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Disco

"Shade"
2017
Artista: Living Colour


BANDA CLÁSSICA DOS ANOS 80 CONTINUA NA ATIVA, E ACABA DE LANÇAR UM DISCAÇO DE ROCK QUE VALE A PENA SER OUVIDO ATÉ O ÚLTIMO SEGUNDO
O Living Colour foi um dos melhores grupos de rock surgidos nos anos 80, e que continuaram a ter relativo sucesso no início da década de 90. Entre idas e vindas, a banda já não lançava material inédito desde 2009, com o bom "The Chair in the Doorway". Eis que, em 2017, surge "Shade", 6º álbum de estúdio deles, e que comprova que o som do Living Colour não se tornou nem um pouco datado, visto que aqui vamos encontrar todos os elementos que tornaram a banda mundialmente conhecida, e que, ao mesmo tempo, ainda soa moderno e contagiante.



"Primos" de som do Red Hot Chilli Peppers e do Faith no More, o Living Colour, ao contrário destes, continua, ainda nos dias de hoje, com uma regularidade muito bacana em sua música, mesmo depois de mais de 30 anos de carreira. Isso se deve a…